Quinta-feira, 27.04.17

Mosambike hanesan nasaun iha mundu ne'ebé belun ba ambiente

Mosambike hanesan nasaun iha mundu ne'ebé iha impaktu mundial ki'ik, tuir 'ranking' ida ne'ebé publika iha loron-kuarta ne'e hosi konsultora britániku MoneySupermaket, ne'ebé tau Etiópia iha pozisaun daruak. 

 

Parke Nasional Gorongosa, Mosambike

 

Mosambike hanesan nasaun ida ne'ebé 99,87% hosi enerjia ne'ebé uza hanesan "verde", no emisaun sira hosi dióksidu karbonu haleu iha tonelada 0,1 tuir ema ida, ho repozisaun hosi 0,07 hosi ai-hun sira ne'ebé ema tesi.

 

'Ranking' aprezenta Mosambike hanesan nasaun ne'ebé moos liu iha utilizasaun enerjia nian, iha lista ne'ebé destaka mós klasifikasaun di'ak sira hosi Etiópia, Zámbia no Lituánia no Portugal okupa fatin 72.

 

Lista hosi nasaun sira ne'ebé halo liu poluisaun lidera hosi Trinidad & Tobago, Estadus Unidus Amérika no Sri Lanka.

 

ho Lusa

horadoplaneta às 10:28 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Moçambique é o país do mundo mais amigo do ambiente

Moçambique é o país do mundo que tem um menor impacto mundial, de acordo com um 'ranking' publicado ontem pela consultora britânica MoneySupermaket, que coloca a Etiópia na segunda posição. 

 

Parque Nacional da Gorongosa, Moçambique

 

Moçambique é um país onde 99,87% da energia consumida é 'verde', e as emissões de dióxido de carbono rondam as 0,1 toneladas por pessoa, com uma reposição de 0,07 árvores abatidas.

 

O 'ranking' apresenta Moçambique como o país mais limpo na utilização de energia, numa lista onde se destacam também as boas classificações da Etiópia, Zâmbia e Lituânia, e na qual Portugal aparece em 72.º.

 

Pelo contrário, a lista dos mais poluidores é liderada por Trindade e Tobago, Estados Unidos da América e Sri Lanka.

 

com Lusa

horadoplaneta às 10:26 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 10.04.17

Malázia prende rinoseronte nia dikur hamutuk 18 ne'ebé mai hosi Mosambike

Autoridade malaiu sira prende ona rinoseronte nia dikur hamutuk 18 ne'ebé iha folin avaliadu hamutuk ringgit malaiu millaun 13,67 (euro millaun 2,91) ne'ebé mai hosi Mosambike, fó sai hosi imprensa lokal iha loron-segunda ne'e. 

 

Foto@ Paulo Novais/EPA

 

Hamzah Sundang, diretór hosi departamentu alfándega hosi aeroportu Kuala Lumpur nian, hatete katak funsionáriu sira halo ona inspesaun ida ba armazén ida hosi fatin ne'e no deskobre ona kaixa sira ne'ebé halo hosi ai ne'ebé deskonfia mai hosi Áfrika.

 

"Ekipa hetan ona iha kaixa sira rinoseronte nia dikur hamutuk 18 ho todan total hamutuk kilo 51,4", Sundang hatete iha konferénsia imprensa iha aeroportu, hatete hosi jornal New Strait Times.

 

Autoridade sira loke ona investigasaun ida hodi esklarese orijente hosi karga ne'ebé to'o iha nasaun ne'e hosi aviaun ida merkadoria sira nian ne'ebé mai hosi Mosambike, ho eskala iha Doha.

 

Dokumentu sira ne'ebé akompaña kaixa sira "hanesan falsu", hatete hosi responsável.

 

Lusa

horadoplaneta às 12:16 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Malásia apreende 18 cornos de rinoceronte vindos de Moçambique

As autoridades malaias apreenderam 18 cornos de rinoceronte avaliados em 13,67 milhões de ringgit malaios (2,91 milhões de euros) vindos de Moçambique, noticiou hoje a imprensa local. 

 

Foto@ Paulo Novais/EPA


Hamzah Sundang, diretor do departamento da alfândega do aeroporto de Kuala Lumpur, indicou que os funcionários realizaram uma inspeção a um dos armazéns do recinto e descobriram caixas de madeira suspeita procedente de África.

 

“A equipa encontrou nas caixas 18 cornos de rinoceronte com um peso total de 51,4 quilos”, declarou Sundang, em conferência de imprensa no aeroporto, indicou o jornal New Strait Times.

 

As autoridades abriram uma investigação para esclarecer a procedência da carga, que chegou ao país num avião de mercadorias vindo de Moçambique, com escala em Doha.

 

Os documentos que acompanhavam as caixas “são falsos”, disse o responsável.

 

Lusa

horadoplaneta às 11:46 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 28.03.17

Estudu: Katástrofe sira iha mundu iha ona folin dolar biliaun 175 iha 2016

Katástrofe natural sira no dezastre sira ne'ebé ema halo hamosu ona lakon ekonómiku hamutuk dolar biliaun 175 iha 2016, aumenta liu duké tinan 2015, haktuir hosi estudu anual hosi reseguradora suisu Swiss Re. 

 

 

Tuir SIGMA, naran hosi estudu ne'e, folin ne'e, dolar biliaun 54 hetan protesaun hosi seguru sira, nune'e reprezenta 42% aas liu duké tinan anterior.

 

Katástrofe sira halo ona vítima mortal sira rihun 11 iha 2016, menus duké iha tinan 2015, tinan ne'ebé rejista ona ema rihun 26 ne'ebé mate tanba kataklismu natural sira.

 

Tinan 2016 hanesan tinan ne'ebé todan liu iha relasaun ba prejuízu ekonómiku sira tanba katástrofe sira dezde tinan 2012, fó sai hosi grupu resegurador suisu.

 

Iha kauza maka "númeru boot hosi katástrofe sira ne'ebé importante tebes, inklui rai-nakdoko sira, tempestade sira, bee-sa'e sira no ai-han ai-laran sira" iha rejiaun tomak iha mundu, subliña hosi Swiss Re.

 

SIGMA inklui rejistu hosi katástrofe hamutuk 327 iha mundu tomak ne'ebé 191 hanesan natural no 136 hanesan halo hosi ema.

 

Ázia hanesan rejiaun ida iha mundu ne'ebé afetadu liu hosi katástrofe sira ho eventu rejistadu hamutuk 128.

 

Rai-nakdoko ne'ebé akontese iha illa japuneza Kyushu iha fulan-Abril 2016 hamosu ona prejuízu ekonómiku sira maka'as liu, kalkula entre dolar biliaun 25 no 30.

 

ho Lusa

horadoplaneta às 11:30 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Estudo: Catástrofes no mundo custaram 175 mil milhões de dólares em 2016

As catástrofes naturais e os desastres causados pelo homem geraram perdas económicas de 175 mil milhões de dólares em 2016, o dobro de 2015, segundo um estudo anual da resseguradora suíça Swiss Re. 

 

 

De acordo com o SIGMA, o nome deste estudo, daquele montante, 54 mil milhões de dólares estavam cobertos por seguros, o que representa um montante 42% acima do ano anterior.

 

As catástrofes causaram 11 mil vítimas mortais em 2016, menos do que em 2015, ano em que se registaram 26 mil mortes associadas a cataclismos naturais.

 

O ano 2016 foi, em contrapartida, o mais oneroso em matéria de prejuízos económicos devido a catástrofes desde 2012, revela o grupo ressegurador suíço.

 

Em causa esteve um “grande número de eventos catastróficos consideravelmente importantes, incluindo sismos, tempestades, inundações e fogos florestais” em todas as regiões do mundo, sublinha a Swiss Re.

 

O SIGMA inclui o registo de 327 catástrofes em todo o mundo, das quais 191 foram naturais e 136 provocadas pelo homem.

 

A Ásia foi a região do mundo mais afetada pelas catástrofes, com 128 eventos registados.

 

O sismo que sacudiu a ilha japonesa de Kyushu em abril de 2016 provocou os prejuízos económicos mais expressivos, estimados entre 25 e 30 mil milhões de dólares.

 

com Lusa

horadoplaneta às 11:12 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 24.03.17

Fotojenia hosi teki-lili ida ne’ebé sei bulelu

Projetu fotográfiku ida, konsege kapta teki-lili ninia matan-musan ne’ebé bot no furak, bainhira loro-matan ladauk nakfera, tanba iha tempu ne’e, insektu refere hein hela atu temperatura bele aumenta, hodi hamaran sira-ninia liras ne’ebé bokon.


Tuir fotógrafu italianu Roberto Aldrovandi, dader maka maka hanesan tempu di’ak atu bele hasa’i foto ba insektu refere, ho kalma ka hakmatek, tanba sira ladauk konsege bok-aan ka hakmatek.

 

“Lalaok maka, hader sedu bainhira rai sei malirin molok hakotu époka Primavera, wainhira loro-matan foin atu hahú nakfera. Tanba iha tempu ne’e, teki-lili ninia liras sei bokon ho mahu-wen no temperatura mos ladun maka’as, ho nune’e maka iha tempu atu hasa’i sira-ninia foto molok, sira semu”, hanesan saida maka nia esplika ba Daily Mail.

 

Tuir Aldrovandi, segredu hosi forografia makro ida maka peskiza. “Ita tenke iha pasiénsia no konsisténsia. Presiza estudu duni, atu nune’e it abele hatene ninia hahalok”.

 

SAPO TL ho Green Savers

tags:
horadoplaneta às 02:40 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

A fotogenia de uma libelinha ensonada

Um projecto fotográfico captou os olhos esbugalhados e magnificência das libelinhas na primeira hora do dia, uma altura que o insecto espera que a temperatura suba para que as suas asas, ainda húmidas da noite anterior, comecem a secar.

Segundo o fotógrafo italiano Roberto Aldrovandi, a manhã é a única altura do dia em que estes insectos podem ser fotografados calmamente, uma vez que ainda não se conseguem verdadeiramente mexer.

 

“O truque é acordar na manhã mais fria do final da Primavera, à primeira luz do dia. As asas das libelinhas ainda estão molhadas do orvalho e a temperatura ainda é baixa, pelo que temos tempo para as fotografarmos antes que elas voem”, explicou ao Daily Mail.

 

Para Aldrovandi, o segredo de uma boa fotografia macro é a pesquisa. “Temos de ter muita paciência e consistência. É preciso muito estudo para percebermos o seu comportamento”.

 

@Green Savers

tags:
horadoplaneta às 02:37 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 08.03.17

ONG timoroan hakarak investigasaun kriminal ba peska tubaraun iha bee timoroan nian

Organizasaun timoroan ne'ebé laós governu nian defende ona iha loron-kuarta ne'e investigasaun kriminal ida ba asaun ne'ebé halo hosi ró xinés hamutuk 15 ne'ebé halo operasaun legal iha bee sira nasaun nian maibé kaer, ho dalan ilegal, tubaraun, ne'ebé animal protejidu iha Timor-Leste, hamutuk tonelada 40 resin. 

 

 

Fundasaun Mahein (FM) konsidera katak elementu sira hosi Komisaun Antikorupsaun (CAC) no Polísia Sientífiku hosi Investigasaun Kriminal (PCIC) tenki hamutuk ho ekipa investigasaun ne'ebé Governu harii hafoin Lusa fó sai iha notísia, iha fulan-Fevereiru, kona-ba peska tubaraun ne'ebé halo hosi ró sira hosi empreza xineza Pingtan Marine Enterprise.

 

Iha komunikadu, FM defende mós kriasaun urjente ba Autoridade Marítimu Nasional ida ne'ebé hametin kontrolu hosi rekursu marítimu timoroan sira no ne'ebé serbisu investigasaun kriminal hosi polísia bele halo investigasaun regular sira iha área ne'e.

 

ONG konsidera mós katak Ministériu Agrikultura no Peska tenki dezenvolve polítika sira no fó apoiu nesesáriu hodi dezenvolve área peska no proteje rekursu marítimu sira" nasaun nian.

 

Aleinde refere ba kazu konkretu hosi peska ilegal tubaraun nian ne'ebé halo hosi ró xinés sira, FM hatudu preokupasaun ho atividade sira peska ilegal nian iha bee timoroan sira ne'ebé reprezenta iha tinan hirak ikus ne'e lakon hamutuk dolar millaun 200, kalkula hosi Governu.

 

FM haree katak "falta kapasidade Timor-Leste nian hodi hametin seguransa marítimu no proteje nia rekursu sira sai nafatin hanesan preokupasaun ba líder sira" hosi forsa defeza nian no polísia timoroan nian.

 

FM haree katak tentativa sira ne'ebé halo hodi rezolve problema "bele hamosu liután problema sira duké rezolve", inklui ho atribuisaun ba lisensa sira peska nian ba ró xinés sira ne'ebé halo operasaun iha bee Timor-Leste nian hahú hosi fulan-Novembru tinan liubá.

 

"Durante fulan tolu peska iha kosta súl Timor-Leste nian, empreza ne'e kaer ona ikan tonelada 416, inklui tubaraun tonelada 43,6. Ne'e maski sira hatene katak tubaraun hanesan animal protejidu ida iha Timor-Leste, nune'e indika hanesan predispozisaun ida hodi la halo tuir lei timoroan nian", konsidera hosi FM.

 

Iha fulan-Fevereiru nian rohan, ministru Agrikultura no Peska timoroan nian, Estanislau da Silva, garanti ona katak Governu sei investiga ró xinés hamutuk 15 ne'ebé halo hela operasaun iha Timor-Leste, haree fali kondisaun sira ba lisensa peska komersial sira nian no hametin kontrolu hosi rekursu marítimu nian.

 

"Ami monitoriza nia asaun no haree oinsá no to'o iha ne'ebé sira nia asaun. Governu hatene importánsia hosi rekursu tasi sira nian, ita halo parte hosi triángula ida biodiversidade nian no nune'e ami hakarak atu labele estraga. Ne'e hanesan rekursu úniku ida", afirma hosi Estanislau da Silva iha nia deklarasaun ba Lusa.

 

ho Lusa

horadoplaneta às 11:31 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

ONG timorense quer investigação criminal a pesca de tubarão em águas timorenses

Uma organização não-governamental timorense defendeu hoje uma investigação criminal à ação de 15 navios chineses a operar legalmente em águas do país mas que pescaram, ilegalmente, mais de 40 toneladas de tubarão, animal protegido em Timor-Leste. 

 

 

A Fundação Mahein (FM) considera que elementos da Comissão Anticorrupção (CAC) e da Polícia Científica de Investigação Criminal (PCIC) devem juntar-se à equipa de investigação criada pelo Governo depois de a Lusa ter noticiado, em fevereiro, a pesca do tubarão pelos navios da empresa chinesa Pingtan Marine Enterprise.

 

Em comunicado a FM defende ainda a criação urgente de uma Autoridade Marítima Nacional que assegure o controlo dos recursos marítimos timorenses e que os serviços de investigação criminal da polícia conduzam investigações regulares a este setor.

 

A ONG considera ainda que o Ministério da Agricultura e das Pescas deve desenvolver políticas e fornecer apoio necessário para desenvolver o sector das pescas e proteger os recursos marítimos" do país.

 

Além de se referir ao caso concreto da pesca ilegal de tubarão pelos navios chineses, a FM mostra preocupação com as atividades de pesca ilegal em águas timorenses que representaram nos últimos anos, estima o Governo, perdas de mais de 200 milhões de dólares.

 

A FM nota que "a falta de capacidade de Timor-Leste assegurar a segurança marítima e proteger os seus recursos sempre foi uma preocupação para os líderes" das forças de defesa e da polícia timorense.

 

Tentativas feitas para resolver o problema, nota a FM, "tenderam a causar mais problemas do que a resolver", incluindo com a atribuição de licenças de pesca aos navios chineses que operam em águas de Timor-Leste desde novembro do ano passado.

 

"Durante três meses de pesca na costa sul de Timor-Leste, esta empresa capturou 416 toneladas de peixe, incluindo 43,6 toneladas de tubarões. Isto apesar de saber que os tubarões são um animal protegido em Timor-Leste, o que indica uma predisposição para ignorar a lei timorense", considera a FM.

 

No final de fevereiro o ministro da Agricultura e Pescas timorense, Estanislau da Silva, garantiu que o Governo vai investigar 15 navios chineses que estão a operar em Timor-Leste, rever as condições das licenças de pesca comerciais e reforçar o controlo dos recursos marítimos.

 

"Estamos a monitorizar a sua ação e a ver onde e como estão a atuar. O Governo sabe da importância dos recursos marinhos, fazemos parte de um triângulo de biodiversidade e de forma alguma queremos que isso seja destruído. Isso é um recurso único", afirmou Estanislau da Silva em declarações à Lusa.

 

com Lusa

horadoplaneta às 10:29 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

pesquisar

 

Abril 2017

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
28
29
30

posts recentes

arquivos

tags

subscrever feeds

blogs SAPO