Estado australiano compra criação de gado para proteger a Barreira de Coral

Um estado da Austrália comprou hoje uma criação de gado, que produz resíduos que ameaçam a Grande Barreira de Coral, para contribuir para a proteção deste sítio icónico classificado como património da Humanidade.

 

Foto da Grande Barreira de Coral (Austrália). Mike McNamara © OUR PLACE The World Heritage Collection


A Grande Barreira de Coral teve nos últimos meses o pior episódio de branqueamento devido ao aumento da temperatura da água. Uma grande parte do recife perdeu a cor e cerca de um quarto dos corais morreram.

O recife está também fragilizado pelos resíduos agrícolas. Uma das principais fontes destes resíduos são as criações de gado de Springfield que vão até 560 quilómetros quadrados depois de Cooktown, no estado de Queensland.

O ministro do Ambiente de Queensland, Steven Miles, disse que Springfield gera muitos resíduos que se vão depositar na parte norte da grande barreira, a mais afetada pelo branqueamento.aus

"Os sedimentos e os nutrientes associados têm vários impactos no recife, por isso esta compra de terrenos é determinante", disse a propósito desta compra de sete milhões de dólares australianos (2,5 milhões de dólares).

Estes sedimentos depositam-se no recife, bloqueiam a luz, sufocam os organismos marinhos e constrangem o crescimento do coral e das plantas marinhas.

"Devemos assegurar que o recife tem a melhor hipótese de recuperar deste episódio de branqueamento, garantindo que a água que chega é a mais limpa possível", acrescentou o ministro.

"É necessário reforçar as medidas de controlo da erosão do solo das ravinas e dos rios no norte de Queensland", continuou o ministro.

Segundo os cientistas, vai ser necessário pelo menos dez anos para que a barreira de coral se reabilite e a World Wide Fund For Nature (WWF) estima que a qualidade da água vai ser crucial para a sobrevivência do recife.

"O governo nunca tinha comprado terras para proteger a qualidade da água na grande barreira", disse o porta-voz da WWF australiana, Sean Hoobin, elogiando a decisão "sem precedentes".

"Importantes volumes de lama são despejados desde essa estação até às águas do recife, o que fragiliza o coral", explicou.

"Todas as ações para reduzir a poluição dos resíduos que vêm de Springfield vão ajudar à reconstrução do coral", concluiu.

com Lusa

horadoplaneta às 14:23 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos