Poluição obriga mais uma cidade chinesa a limitar a compra de automóveis

Mais uma cidade chinesa, Hangzhou, decidiu limitar a compra de automóveis, um luxo até há pouco tempo inacessível, mas que nos últimos três anos se tornou uma grande fonte de poluição e um quebra-cabeças urbano.

 

EPA @ Adrian Bradshaw

 

A partir do dia 26 de Março 2014, para tentar melhorar a qualidade do ar e aliviar o trânsito, o governo municipal de Hangzhou restringiu para 80.000 o número de automóveis que podem ser vendidos anualmente na cidade, uma das mais turísticas do país.

 

Oitenta por cento das novas matrículas serão sorteadas e as restantes vão a leilão, com uma base de licitação de 10.000 yuan (cerca de 1.200 euros).

Capital da próspera província de Zhejiang, na costa leste da China, e sede de um município com cerca de oito milhões de habitantes, Hangzhou é a sexta cidade chinesa a limitar a venda de automóveis, depois de Pequim, Xangai, Cantão, Guiyang e Tianjin.

 

As autoridades ambientais de Hangzhou estimam que as emissões dos automóveis sejam responsáveis por 39,5% da densidade das partículas PM2.5 que minam a qualidade do ar na cidade.

 

Até há pouco mais de duas décadas, a bicicleta era o único meio de transporte privado a que a esmagadora maioria das famílias chinesas podia aspirar.

Em 2009, a China tornou-se o maior mercado automóvel do mundo, ultrapassando os Estados Unidos da América, mas a densidade de veículos - estimada em cerca de 100 por cada mil habitantes - continua a ser muito inferior aos valores dos países mais desenvolvidos.

 

Apesar das crescentes restrições, em 2013, as vendas de veículos aumentaram 14% e todos os meses, em média, há mais de um milhão de novos automóveis nas estradas chinesas.

 

Sapo TL com Lusa

horadoplaneta às 11:44 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos