Sexta-feira, 28.06.13

Qatar reúne tecnologia para produzir água potável, comida e energia no deserto

Chama-se Sahara Forest Project e é a mais recente estratégia do Qatar para produzir comida, água potável e energia limpa nos seus desertos, utilizando a água do mar. O ambicioso projecto junta diversos sistemas e tecnologias para que subprodutos de um processo sejam usados como alimentação para outros.

 

 

Neste processo, a água do mar e o sol serão fundamentais. Bombeada do Golfo Pérsico, a água do mar é o elemento visual do sistema. É usada para arrefecer e humidificar as estufas e para produzir lagas usadas no fabrico de biocombustíveis.

 

Parte desta, na verdade, será transformada em água doce, com a utilização de um sistema de dessalinização movido a energia solar.

 

 

As estufas são alimentadas com CO2 de uma fábrica de fertilizantes próxima, o que ajuda a reduzir as emissões e fornece um ambiente no qual as plantas podem crescer.

 

Segundo o The Word, o projecto está a ser trabalhado pelo arquitecto Michael Pawlyn e pelo engenheiro Bill Watts, que tentam recriar e imitar os ecossistemas naturais, onde o subproduto de um componente é o alimento de outro. O ecologista norueguês Joakim Hauge lidera o projecto.

 

horadoplaneta às 15:01 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Labarik ho tinan 10 sei pasa tinan 2013 toba iha tenda iha ár livre

Iha fatin dook iha Pensilvánia, iha Estadus Unidus, labarik-mane abisiozu ho tinan 10 rezolve ona monta tenda ida iha kintál no toba iha ne’ebá kalan-kalan, durante tinan ida. Misaun ne’e hahú iha pasajen tinan nian, sai hanesan rezolusaun tinan foun ne’ebé la hanesan baibain no iha dezafiu.

 

 

L.R.C (aman-inan sira lakohi nia uza naran loloos) hanesan labarik ida hakmatek maibé la dezisti ba esplorasaun rekursu naturál sira ne’ebé akontese ohin loron. Maibé ninia aventura la’ós de’it ba kauza ambientál sira nian.

 

“Iha inísiu hanesan dezafiu ida. Ha’u hahú akampa iha loron 26 fulan-Dezembru ho tempestade jelu maka’as no hanesan emosionante. Hahú bainhira ha’u hakarak akampa durante semana ida hahú iha loron dahuluk tinan foun nian”, labarik-mane ne’e esplika.

 

Hosi semana ida ba fulan ida. Nune’e nia hahú gosta no senti katak ladún difisil, nia hanaruk dezafiu ne’e ba tinan ida. Hafoin aman-inan sira rekupera hosi xoke revelasaun nian, sira fó korajen ba nia hodi fahee esperiénsia iha blog ida. Partilla dahuluk iha blog maka – “Malirin hela!” – akontese iha loron 23 fulan-Janeiru 2013. Hafoin iha mensajen liu 100 no asesu rihun 13 hosi nasaun barak, L.R.C laiha planu atu aruma tenda.

 

Hanesan labarik sira ho tinan 10, toba mesak dalaruma ladún konfortável – no iha ne’e nia tenki hasoru mesak ninia tauk no aflisaun sira. Saida maka hatauk nia maka lian sira iha kalan – karik hosi ema sira nian ka asu-fuik sira, ne’ebé nia toman ona.

 

Iha aventura ne’e, iha regra auto-imposta sira hosi aventureiru ki’ik ne’e: labele toba hafoin kalan-boot, labele tama iha uma antes tuku 4:45 no, hafoin iha ona kama leten, labele fila fali ba uma laran. Baihira senti manas iha tenda laran, labele ba uma atu hamahan aan. Nune’e mós bainhira senti malirin, labele ba iha uma laran hodi hamanas isin.

 

Dalabarak, ninia aman ba hamutuk ho nia. Ne’e ninia inan maka obriga bainhira temperatura sira tun ba -20ºC.

 

 

Determinasaun ida ne’e – liuliu iha temperatura ki’ik sira ne’ebé senti iha Invernu – halo mosu pergunta tansá maka labarik-mane ne’e iha nafatin ninia misaun. Tuir espesialista sira, resposta ne’e bele hetan iha rede apoiu nian – aman-inan sira, belun sira no rede online. Labarik ida mesak la konsege iha hahalok hanesan ne’e.

 

Istória ne’e destaka importánsia interasaun familiár nian, hatudu oinsá adultu sira bele tulun hodi harii identidade ambientál ida iha labarik sira, insentiva sira hodi halimar, aprende no moris iha natureza. Sei falta fulan neen.

 

Sapo TL no Green Savers

horadoplaneta às 12:56 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Rapaz de 10 anos passará 2013 a dormir em tenda ao ar livre

Num canto remoto da Pensilvânia, nos Estados Unidos, um ambicioso menino de 10 anos de idade resolveu montar uma tenda no quintal e lá dormir todas as noites, durante um ano. A missão teve início na passagem de ano, tornando-se numa resolução de ano novo pouco comum e desafiante.

 

 

L.R.C. (os pais não querem que ele use o nome real) é uma criança tranquila, mas pouco resignada com a exploração dos recursos naturais que ocorre hoje em dia. A sua aventura, contudo, não se prende a causas ambientais.

 

“No início foi um desafio. Eu acampei a 26 de Dezembro com uma grande tempestade de neve e foi emocionante. Foi quando eu decidi acampar durante uma semana a partir do primeiro dia do ano novo”, explica o rapaz.

 

De uma semana, passou para um mês. Como ganhou o gosto à experiência e nem a achou assim tão difícil, prolongou o desafio para um ano. Depois dos pais recuperarem do choque da revelação, encorajaram-no a partilhar a experiência num blogue. A primeira partilha no blogue – “Está frio!” – aconteceu a 23 de Janeiro de 2013. Depois de mais de 100 mensagens e 13 mil acessos de dezenas de países, L.R.C. não faz planos de arrumar a tenda.

 

Como qualquer criança de 10 anos de idade, dormir sozinho nem sempre é confortável – e aqui ele tem de enfrentar os seus próprios medos e ansiedades. O que o assusta mais são os sons nocturnos – sejam os de coiotes, aos quais já se habituou, ou de humanos.

 

Nesta aventura, existem regras auto-impostas pelo pequeno aventureiro: não se deita depois da meia-noite, não entra em casa antes das 4h45 e, depois de estar na cama, não pode voltar para dentro de casa. Se estiver calor na tenda, não pode ir a casa só para arrefecer. Da mesma forma que se estiver frio, não pode ir lá dentro para se aquecer.

 

Muitas vezes, o seu pai junta-se a ele. Aliás, é a própria mãe que o obriga quando as temperaturas descem aos -20ºC.

 

 

Este tipo de determinação – principalmente tendo em conta as baixas temperaturas sentidas no Inverno – faz questionar o que afinal mantém o rapaz tão convicto da sua missão. Segundo os especialistas, a resposta está na rede de apoio – os pais, os amigos e a rede online. Uma criança sozinha jamais conseguiria tomar uma atitude destas.

 

Esta história faz sublinhar a necessidade da interacção familiar, mostrando como os adultos podem ajudar a construir uma identidade ambiental nas crianças, incentivando-os a brincar, aprender e crescer na natureza. Ainda falta meio ano.

 

Sapo TL e Green Savers

horadoplaneta às 12:27 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 25.06.13

Tasi-ibun Gulpiyuri, tasi-ibun ki’ik liu iha mundu

 

Tasi-ibun Guplpiyuri konsidera hanesan tasi-ibun ki’ik liu iha mundu no parese imposivel iha kolina ida iha España.

 

Asesu úniku hodi to’o iha tasi-ibun ne’e maka la’o entre plantasaun sira hosi lokalidade rua nian.

 

Tasi ninia rohan ne’ebé haleu ho foho sira hanesan fenómenu  raru ida iha natureza no akontese tanba laloran sira baku halo fatuk sira iha kosta nakfera, husik kuak ida ho metro besik 50 ne’ebé tasi been bele to’o.

Nune’e, tasi-ibun Gulpiyuri iha laloran ki’ik sira no sujeitu ho laloran sira.

 

 

Bee ne’ebé moos no fatin ninia furak halo ema konsidera tasi-ibun ne’e hanesan fenómenu naturál.


Tasi-ibun ne’e iha besik metru 40 no simu turista atus barak maski durante invernu.

horadoplaneta às 12:24 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Praia de Gulpiyuri, a praia mais pequena do mundo

 

 

A praia de Gulpiyuri é considerada a menor praia do mundo e por incrível que pareça está no meio de uma colina em Espanha.

 

O único acesso para se chegar lá é feito a pé entre as plantações de duas localidades.

 

Este pedaço de mar cercado de montanhas é um fenómeno raro na natureza e acontece porque as ondas romperam as rochas calcárias da costa, deixando um buraco de aproximadamente 50 metros por onde chega a água do mar. Assim, a praia de Gulpiyuri tem pequenas ondas e está sujeita às marés.

 

 

As águas cristalinas e a beleza do lugar fizeram com que a praia fosse considerada fenómeno natural.

 

A praia tem aproximadamente 40 metro e recebe centenas de turistas mesmo durante o inverno.

horadoplaneta às 11:44 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 24.06.13

Kamboja: deskobre sidade medieval ho tinan 1.200 (ho Foto)

Presiza tinan barak investigasaun arkeolójiku nian hodi to’o, hodi hakotu, hetan Mahendraparvata – sidade medieval ida riku iha foho Phnom Kulen nian, tinan 350 ntes harii kompleksu famozu ba templu sira Angkor Wat nian iha noroeste Kamboja nian.

 

 

Arkeólogu Damian Evans buka tuir ai-laran maka’as Kamboja nian ho diresaun klaru ida ne’ebé kampunés sira foho nian iha tempu barak hakarak kuda hare no sama foho ida ne’ebé nakonu ho alga sira. Hanesan templu ida naksobu no halo parte hosi sivilizasaun movimentadu ida ne’ebé ezisti iha tinan 1.200 liubá.

 

Durante oras sira tuirmai, Evans no ekipa la’o liuhosi ai-laran ne’ebé nakonu ho mina sira, atravesa mota no tahu sira, to’o deskobre ruína sira hosi templu lima sira seluk ne’ebé la konta antes no evidénsia sira antigu kanál sira nian, barrajen no estrada sira. Deskoberta sira ne’e konfirma dadus sira ne’ebé avansa hosi teknolojia aérea laser Lidar nian.

 

Iha tempu barak maka sientista sira la konsege deskobre dimensaun loloos Mahendraparvata nian, tanba ai-laran ne’ebé taka nia. Momentu eureka nian hanesan de’it milagre ida ne’ebé hetan hosi dadus sira fó hosi teknolojia.

 

Uza koordenada sira GPS nian, arkeólogu sira la’o diretamente ba fatin sira templu antigu sira nian. Laiha abitante rejiaun sira nian maka bele imajina katak iha riku-soin ne’ebé hakoi ka subar hela iha ai-laran.

 

Karik ekipa sira hetan templu ne’ebé na’ok iha sékulu barak, sira seluk ema la book ida no iha mós gruta ida ho eskultura ne’ebé iha signifikadu tuir istória ne’ebé uza hosi eremita sira iha períudu Angkorianu nian.

 

 

Iha Phnom Kulen, dadus sira Lidar nian hatudu foho misteriozu atus barak ho aas metru oioin iha sidade tomak – barak liu, hakoi hela. Durante sékulu barak, foho ne’e hanesan fatin sagradu, ne’ebé peregrinu rihun barak maka vizita fatin ne’e hodi halo serimónia espirituál sira nian.

Deskoberta sira ne’e espantozu tebes. Servisu arkeolójiku nian agora halo hela ho forma limitadu, tanba mina sira ne’ebé tau iha fatin barak iha foho durante funu sivil.

 

Sapo TL no Green Savers

horadoplaneta às 12:08 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Camboja: descoberta cidade medieval com 1.200 anos (com Fotos)

Foram necessários anos de investigação arqueológica para se chegar, por fim, à descoberta de Mahendraparvata – uma cidade medieval próspera na montanha de Phnom Kulen, 350 anos antes da construção do famoso complexo de templos Angkor Wat, no noroeste do Camboja.

 

 

O arqueólogo Damian Evans seguiu pela densa selva cambojana em direcção a uma clareira onde os aldeões da montanha há muito tentavam cultivar arroz e pisou um monte coberto de algas. Tratava-se de um templo desmoronado que fazia parte da movimentada civilização que existiu há 1.200 anos.

 

Durante as horas seguintes, Evans e a equipa andaram através da selva repleta de minas, atravessando rios e pântanos, até descobrirem as ruínas de outros cinco templos anteriormente não contabilizados e evidências de antigos canais, diques e estradas. As descobertas confirmavam os dados avançados pela tecnologia aérea a laser Lidar.

 

Há muito que os cientistas não conseguiam desvendar a real dimensão de Mahendraparvata, devido à densa floresta que a encobre. O momento eureka só foi possível graças aos dados fornecidos pela tecnologia.

 

Usando coordenadas GPS, os arqueólogos movimentaram-se directamente para os locais dos antigos templos. Nenhum habitante da região alguma vez tinha imaginado que houvesse tesouros enterrados ou escondidos na floresta.

 

A equipa encontrou templos provavelmente saqueados há séculos, outros totalmente intactos e ainda uma caverna com esculturas historicamente significativas usada por eremitas do período Angkoriano.

 

Em Phnom Kulen, os dados Lidar revelaram centenas de montes misteriosos com vários metros de altura em toda a cidade – na maior parte, enterrada. Durante séculos, a montanha existiu como lugar sagrado, onde dezenas de milhares de peregrinos se dirigem anualmente para ritos espirituais.

 

 

As descobertas são surpreendentes. O trabalho arqueológico está agora a ser feito de forma restrita, devido às minas que foram colocadas indiscriminadamente pela montanha durante a guerra civil.

 

Sapo TL e Green Savers

horadoplaneta às 11:37 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 18.06.13

Xinelus sira so'e iha tasi-ibun sai hanesan brinkedu iha Kénia (ho Foto)

Julie Church hanesan espesialista iha konservasaun natureza nian no hanesan Ocean Sole ninia na'in, ONG ida ne'ebé hamoos foer sira iha tasi-ibun - liuliu xinelus boraxa nian. Hafoin ne'e, Church lori foer sira ne'e no transforma ba brinkedu sira, brinku sira no objetu sira dekorasaun nian.




 

Projetu ne'e dezenvolve hela iha Kénia no mós iha ligasaun ba envolvimentu sosiál no emprego nian. Tanba transformasaun foer ba objetu sira loron-loron nian ne'ebé halo hosi grupu ida mane no feto kenianu sira nune'e bele tulun ambiente no hetan osan ruma.

 

Aleinde brinkedu sira, iha mós artezaun ne'ebé halo eskultura boot hosi restu sira ne'e, fa'an ba turista sira iha mundu tomak ho marka Ocean Sole. Loloos ne'e, grupu sidadaun nian ne'e servisu besik boraxa ho tonelada 400 tinan-tinan hosi tasi-ibun, ninia inisiativa maka hodi harii fali moris hosi komunidade kosteira nasaun afrikanu nian.

 

Tuir Meu Planetinha, grupu ne'e iha ona ema na'in 100, barak liu antes hetan servisu ne'e iha hamlaha ninia laran. Hanesan kazu Maureen Atineo no Eric Mwandola nian. Eric hatete katak nia uluk laiha osan hodi hola sapatu, maibé ohin iha ai-hán, ropa no bele haruka ninia oan sira ba eskola.

 

Le artigo original no hatene liután kona-bá ONG Ocean Sole.

Hanoin ona iha ideia ne'e no bele halo buat ruma iha ita ninia komunidade?

 

 

 

Sapo TL no Green Savers

horadoplaneta às 14:07 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Chinelos descartados na praia tornam-se brinquedos no Quénia (com Fotos)

Julie Church é especialista em conservação da natureza e a cara por trás da Ocean Sole, uma ONG que retira todo o tipo de lixo das praias – sobretudo chinelos de borracha. Depois, Church pega neste lixo e transforma-os em brinquedos, bijuterias e objectos de decoração.




 

O projecto está a ser desenvolvido no Quénia e está também ligado à inclusão social e emprego. É que a transformação de lixo em objectos do dia-a-dia é assegurada por um grupo de mulheres e homens quenianos, que assim ajudam o ambiente e ganha algum dinheiro.

 

Para além de brinquedos, há artesãos que já fazem esculturas gigantes com estes resíduos, vendendo-as a turistas de todo o mundo com a marca da Ocean Sole. Na verdade, este grupo de cidadãos trabalha cerca de 400 toneladas de borracha por ano das praias, tendo a iniciativa reconstruíndo a vida da parte da comunidade costeira do país africano.

 

Segundo o Meu Planetinha, o grupo terá já 100 pessoas, sendo que muitas delas passavam fome antes deste emprego. É o caso de Maureen Atineo e Eric Mwandola. Este último confessou que não tinha dinheiro para comprar sapatos, mas hoje tem comida, roupa e consegue colocar os seus filhos na escola.

 

Leia o artigo original e saiba mais sobre a ONG Ocean Sole. E que tal pegar nesta ideia e fazer algo pela sua comunidade?

 

 

 

Sapo TL e Green Savers

horadoplaneta às 14:02 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 17.06.13

Imajen furak sira fotografia subakuátiku nian (ho Foto)

Tinan-tinan, site sira DivePhotoGuide.com no Wetpixel.com organiza hamutuk Best Underwater Photographer of the Year, konkursu fotografia ida ne’ebé koñesidu hanesan Super Bowl ba imajen subakuátiku sira nian.

 



Tinan-tinan mós, hanesan naturál, fotografia sira furak tebes – hosi sira ne’ebé mana’an, sira ne’ebé sai hanesan finalista sira maibé mós sira ne’ebé hela iha dalan.

Iha fotografia amador no profisionál barak, ne’ebé hahú hosi relatu sira biodiversidade nian to’o ba restu hosi ró sira ne’ebé ema husik. Ka, senáriu sira ne’ebé reflete ba imajinasaun mane no feto sira nian iha lente ninia kotuk.


Tinan ida ne’e tama iha konkursu fotografia barak hosi nasaun 15, nune’e prémiu boot fó ba Hamid Rad (bele haree foto iha kraik), ho fotografia ida ne’ebé hasai iha Papua Nova Guiné ne’ebé hatudu vizaun mundu nian hosi ikan ida ninia matan (hakarak deskobre?)

 

 

 

 Sapo TL no Green Savers

horadoplaneta às 17:42 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

pesquisar

 

Junho 2013

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
19
20
21
22
23
26
27
29
30

posts recentes

arquivos

tags

subscrever feeds

blogs SAPO