Sábado, 26.07.14

Rezerva animál antigu liu iha Áfrika (ho Foto)

Parke Hluhluwe-Imfolozi, iha provínsia KwaZulu-Natal, iha Áfrika-Súl, hanesan oásis naturál ne'ebé nakonu ho rinoseronte, elefante, leopardu, leaun no manu sira ho espésie 300 resin. Maibé, espésie sira iha área selvajen sira parke nian iha perigu ninia laran, tanba planu sira atu harii mina ida karvaun nian iha ár livre.



Rezerva súl-afrikanu ne'e hanesan santuáriu animál antigu liu iha mundu, harii iha tinan 1895. Uluk fatin ne'e hanesan rai eskluzivu ida ba kasa ba famozu xefe tribu Shaka Zulu. Rezerva funsiona hanesan parke alimentasaun ida, tanba tulun mós moris iha área protejidu sira seluk. Nune'e, ninia ekosistema hanesan importante tebes.

Santuáriu hanesan uma hosi "boot lima" Áfrika nian - elefante, rinoseronte, karau, leaun no leopardu sira. Agora daudaun iha elefante besik 600 iha Hluhluwe-Imfolozi, ne'ebé habelar ba hektar 96.000, savana, ai-laran no pastajen ho foho sira, haktuir hosi Guardian. Tanba esforsu konservasaun nian, agora daudaun parke ne'e iha populasaun boot liu rinoseronte mutin iha mundu.

Maibé, planu sira atu hahú hasai karvaun iha rejiaun bele ameasa habitat espésie sira iha parke ne'e. Mota Umfolozi, ne'ebé marka fronteira parke nian, maka haketak de'it fatin rezerva ho fatin mina nian.

 

 

ho Green Savers

horadoplaneta às 22:22 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

A reserva animal mais antiga de África (com Fotos)

O parque Hluhluwe-Imfolozi, na província de KwaZulu-Natal, na África do Sul, é um oásis natural abundante em rinocerontes, elefantes, leopardos, leões e mais de 300 espécies de aves. Contudo, as espécies nas áreas selvagens do parque estão em perigo, devido aos planos para construir uma mina de carvão a céu aberto.


 

Esta reserva sul-africana é o santuário animal mais antigo do mundo, criado em 1895. Outrora este local foi terreno exclusivo de caça do famoso chefe tribal Shaka Zulu. A reserva funciona como um parque de alimentação, já que ajuda a povoar outras áreas protegidas. Como tal, o seu ecossistema é particularmente importante.

O santuário é casa dos “grandes cinco” de África – elefantes, rinocerontes, búfalos, leões e leopardos. Actualmente existem cerca de 600 elefantes em Hluhluwe-Imfolozi, que se estende por 96.000 hectares, de savana, floresta e pastagens montanhosas, refere o Guardian. Devido a esforços de conservação, o parque tem agora a maior população de rinocerontes brancos do mundo.

Porém, os planos para começar a extrair carvão na região podem ameaçar o habitat das espécies do parque. A separar a reserva e o local da mina existe apenas o rio Umfolozi, que marca a fronteira do parque.

 


com Green Savers

horadoplaneta às 22:01 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 25.07.14

Um terço das florestas do Bornéu desapareceu em apenas 40 anos

O facto de as florestas tropicais mundiais estarem a desaparecer a um ritmo acelerado é motivo para grandes preocupações, mas a taxa de destruição das florestas do Bornéu é particularmente chocante.



As florestas desta ilha estão a desaparecer duas vezes mais rápido que as manchas verdes de outras áreas. Nas últimas quatro décadas, quase um terço das florestas do Bornéu foi completamente destruído. Desde 1970, que as florestas nativas da ilha têm sido dizimadas pelo fogo, abate para a indústria madeireira e pela limpeza florestal, refere o Inhabitat.

Contudo, a falta de documentação torna difícil aos investigadores perceberem a real extensão da área abatida. Como tal, os cálculos actuais foram feitos com base em imagens satélite e a extensão de floresta abatida pode ser bem maior do que se pensa.

As imagens do satélite LANDSAT revelam que cerca de 30% das florestas foram dizimadas desde 1973 e mais de 274.000 quilómetros de estradas para o transporte de madeira foram construídas ao longo do mesmo período. Muitas destas estradas encontram-se em regiões elevadas e remotas, que eram intocáveis anteriormente.

com Green Savers

horadoplaneta às 17:57 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 10.07.14

Ótel xinés ne'ebé halo hosi kadeli simentu resikladu sira

Konseitu férias nian barak liu hosi habitante sira mundu osidentál sira nian signifika ótel luxu, tasi-ibun, atividade kulturál sira, spa, parke bee nian no atividade sira ne'ebé hanesan. Maibé ba turista balun iha Xina rurál, férias sira bele halo husik ksolok simples ida.



Hanesan kazu hosi ótel iha Henan, provínsia ida iha sentru-leste, ne'ebé halo fatin oinseluk ida ba ninia bainaka sira - kuartu ho kadeli industriál simenta ne'ebé sira aproveita hodi transforma.

Kadeli simentu sira ne'e bele simu bainaka na'in rua no ekipadu ho kama kaben-na'in ida no ár-kondisionadu. Hamutuk kadeli simentu 15 ne'ebé maka sira transforma ba kuartu. Hosi liur, simentu ne'e sira enfeita ho pintura sira, refere hosi Daily Mail.

Maski akomodasaun ladún konfortável, vantajen ida hela iha kadeli simentu ida ninia laran maka la rona barullu hosi bainaka sira seluk iha kuartu seluk.

Henan hanesan provínsia xineza ida ho populasaun barak tebes no kapitál rejiaun Zhengzhou hanesan sidade ida Xina nian ne'ebé iha kresimentu lalais tebes. Konseitu foun ba ótel ninia na'in hein katak turista sira sei gosta ho fatin ninia hakmatek hodi deskansa hosi barullu no stress iha sidade sira.

ho Green Savers

horadoplaneta às 22:48 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

O hotel chinês feito a partir de manilhas de cimento recicladas

O conceito de férias para a maior parte dos habitantes do mundo ocidental é sinónimo de hotéis luxuosos, praias, actividades culturais, spas, aquaparques e actividades semelhantes. Mas para alguns turistas da China rural, as férias podem ser feitas de prazeres mais simples.

 

 

É o caso de um hotel em Henan, uma província no centro-leste, que criou um retiro pouco comum para os seus hóspedes – quartos em manilhas industriais de cimento que foram reaproveitadas e convertidas.

Cada uma das manilhas consegue acolher dois hóspedes e está equipada com uma cama de casal e ar condicionado. No total, existem 15 manilhas que foram convertidas em quartos. Por fora, o cimento foi decorado com pinturas, refere o Daily Mail.

Embora a acomodação possa parecer desconfortável, uma das vantagens de ficar acomodado numa destas manilhas é que não vai ter de ouvir os barulhos dos hóspedes dos quartos ao lado.

Henan é uma província chinesa bastante populosa e a capital da região, Zhengzhou, é uma das cidades da China que mais rápido cresce. O dono deste novo conceito hoteleiro espera que os turistas sejam atraídos pela quietude do local para descansarem do barulho e stress das cidades.

com Green Savers

horadoplaneta às 15:54 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 09.07.14

Bareira korál sira iha Karaíba bele lakon iha tinan 20 ninia laran

Maioria hosi bareira korál sira iha Karaíba sei lakon iha tinan 20 ninia laran liuliu tanba ladún iha populasaun ikan sira nian, hanesan ourisu tasi nian ka ikan-papagaiu ne'ebé kontribui ba prosperidade korál sira nian.




Alerta ne'e fó hosi estudu foun ida, ne'ebé halo hosi matenek-na'in hamutuk na'in 90 ne'ebé analiza ona inkéritu hamutuk 35.000 ne'ebé halo iha fatin 100 resin oinseluk hosi Karaíba dezde tinan 1970, ne'ebé indika katak korál sira iha rejiaun Atlántiku nian lakon ba 50%.

Maibé, bele rekupera populasaun ikan importante sira ba prosperidade korál sira nian no aumenta medida protesaun sira hasoru peska maka'as no hasoru poluisaun, bele rekupera korál sira no halo sira bele hasoru impaktu sira hosi alterasaun klimátiku sira, haktuir hosi estudu Globel Coral Reef Monitoring Network nian, International Union for Conservation of Nature no United Nations Environment Programe.

Maski alterasaun klimáriku sira no konsekuente asidifikasaun oseanu nian no korál sira ninia mate, sei hanesan ameasa boot ba rejiaun, estudu konklui katak presaun turizmu lokál, peska esesivu no poluisaun hanesan problema boot sira. Ne'e hanesan fatór sira ne'ebé hamenus populasaun ikan nian.

Ikan pastajen sira hanesan importnate ba ekosistema tasi nian tanba sira han alga sira ne'ebé oho korál. Relatóriu hatudu katak bareira korál balun ne'ebé iha saúde iha Karaíba iha tanba ezisti populasaun boot ikan-papagaiu nian.

Karaíba iha besik 9% bareira korál iha nivel mundiál, maibé iha de'it oituan maka moris iha tempu agora. Bareira sira, ne'ebé bele hetan iha nasaun 38, importante tebes ba ekonomia rejiaun nian no suporta ema liu millaun 43, halo osan millaun rihun €2,2 iha reseita turístiku no peska nian no euro millaun ida resin iha serbisu seluk, refere hosi Guardian.

Relatóriu subliña mós katak korál sira hetan protesaun hosi peska esesivu, nune'e mós hosi ameasa seluk - poluisaun kosteira, turizmu no dezenvolvimentu kosteiru - hanesan fleksivel liu ba presaun sira ne'ebé provoka hosi alterasaun klimátiku sira.

ho Green Savers

horadoplaneta às 18:18 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Barreiras de coral das Caraíbas podem desaparecer dentro de 20 anos

A maioria das barreiras de coral das Caraíbas vai desaparecer dentro de 20 anos principalmente devido ao declínio das populações de peixes de pastagem, como os ouriços-do-mar ou os peixes-papagaio, que contribuem para a prosperidade dos corais.



O alerta é dado num novo estudo, elaborado por 90 peritos que analisaram mais de 35.000 inquéritos conduzidos em quase 100 localidades diferentes das Caraíbas desde 1970, que indica que os corais desta região do Atlântico regrediram mais de 50%.

Contudo, se as populações de peixes vitais à prosperidade dos corais forem restauradas e as medidas de protecção contra a pesca excessiva e poluição forem reforçadas, os corais podem recuperar e tornar-se mais resilientes aos impactos das alterações climáticas, sublinha o estudo da Global Coral Reef Monitoring Network, International Union for Conservation of Nature e United Nations Environment Programe.

Embora as alterações climáticas, e a consequente acidificação do oceano e a morte dos corais, seja uma grande ameaça para a região, o estudo conclui que as pressões do turismo local, da pesca excessiva e poluição são os maiores problemas. São estes factores que estão a dizimar as populações de peixes de pastagem.

Este tipo de peixes são importantes para os ecossistemas marinhos uma vez que comem as algas que sufocam os corais. O relatório indica que algumas das barreiras de coral mais saudáveis das Caraíbas localizam-se onde as populações de peixe-papagaio são maiores.

As Caraíbas albergam cerca de 9% das barreiras de coral a nível mundial, mas apenas um sexto dos antigos corais sobrevive actualmente. As barreiras, que podem ser encontradas em 38 países, são vitais para a economia da região e suportam mais de 43 milhões de pessoas, gerando mais de €2,2 mil milhões em receitas turísticas e de pesca e muitos mais milhões de euros em outros bens e serviços, refere o Guardian.

O relatório sublinha ainda que os corais que estão protegidos da pesca excessiva, bem como de outras ameaças – poluição costeira, turismo e desenvolvimento costeiro – são mais resilientes a pressões provocadas pelas alterações climáticas.

com Green Savers

horadoplaneta às 17:37 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 08.07.14

Acha que pode desmentir as alterações climáticas? Um cientista oferece recompensa de €7.300 a quem conseguir

É daqueles que pensa que as alterações climáticas são uma espécie de fraude elaborada? Prove-o. É este o desafio de Christopher Keating – e se estiver à altura do desafio, este cientista está disposto a recompensa-lo com dinheiro do próprio bolso.


Uma seca severa atinge algumas zonas da Indonésia.EPA@ Hotli Simanjuntak


Keating está oferecer cerca de €7.300 a quem – maior de 18 anos – conseguir desmentir as alterações climáticas através de métodos científicos. O cientista chamou à competição The $10.000 Global Warming Skeptic Challenge e o prémio está à espera de quem consiga contrariar o consenso da comunidade científica mundial.

O cientista afirma que qualquer pessoa que consiga demonstrar cientificamente que não existem alterações climáticas é elegível para o prémio e a prova nem precisa de ser um argumento original – se os cépticos conseguirem encontrar provas em estudos já publicados apenas precisam de as submeter para ganhar o prémio.

O debate no blog de Keating está aceso, refere o Inhabitat, mas até agora ainda ninguém conseguiu responder ao desafio – e uma vez que o aquecimento global possui provas de vários milénios, provavelmente ninguém conseguirá desmentir as alterações climáticas. Contudo, o intuito do cientista não é encontrar quem consiga desmentir as mudanças climáticas mas sim provar que ninguém as consegue desmentir.

com Green Savers

horadoplaneta às 13:41 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 07.07.14

Ikan sira mós iha sentimentu

Ikan sira hanesan animál estimasaun komun liu no, agora daudaun, ema buka han liu ikan duke na'an. Durante tinan barak hatete katak - liuliu komunidade sientífiku - katak ikan sira la senti moras hanesan mamíferu sira, tanba laiha estrutura fíziku hodi senti.




Maibé, estudu foun ida nega ona teoria ne'e. Investigasaun, ne'ebé halo hosi Culum Brown hosi Universidade Macquarie iha Sidnéi, konklui katak ikan sira la'ós de'it senti moras hanesan mamíferu sira maibé mós bele halo interasaun sosiál kompleksu sira.

"Revizaun ida ba evidénsia sira ba persepsaun moras nian hatudu maka'as katak ikan sira iha esperiénsia ba moras hanesan ho vertebradu sira seluk", refere estudu ne'ebé sita hosi Dodo. "Bainhira ita ezamina ikan ninia reseptór moras nian bele hetan markante hanesan ho reseptór sira iha ema sira. Reseptór sira moras nian iha vertebradu tomak mai hosi antesesór komun ida ba ikan sira", hatutan iha estudu ne'e.

Revizaun sientífiku mós sita estudu sira ne'ebé hatudu kapasidade kognitivu kompleksu sira ne'ebé iha ikan: hahú memória iha prazu naruk, tradisaun enraizadu sira, koperasaun ho animál sira seluk no uzu feramenta sira. Ikan sira bele rekoñese animál sira seluk espésie hanesan no investigadór balun defende katak ikan sira bele rekoñese sira ninia aan rasik.

ho Green Savers


horadoplaneta às 15:32 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Os peixes também têm sentimentos

Os peixes são o animal de estimação mais comum e, actualmente, são mais procurados como alimento do que a carne. Durante anos argumentou-se – nomeadamente a comunidade científica – que os peixes não sentiam a dor da mesma maneira que os mamíferos, pois não possuíam estruturas físicas para tal.




Contudo, um novo estudo vem desmentir esta teoria. A investigação, conduzida por Culum Brown da Universidade de Macquarie em Sidney, concluiu que os peixes não só sentem dor da mesma maneira que os mamíferos como também são capazes de interacções sociais relativamente complexas.

“Uma revisão das evidências para a percepção da dor indica fortemente que os peixes experienciam a dor de uma forma semelhante ao resto dos vertebrados”, refere o estudo, citado pelo Dodo. “Se examinarmos os receptores de dor dos peixes encontra-se semelhanças marcantes com os mesmos receptores nos humanos Os receptores de dor em todos os vertebrados derivam de um antecessor comum aos peixes”, acrescenta o estudo.

A revisão científica também cita estudos que revelam capacidade cognitivas complexas nos peixes: desde memórias de longo-prazo, tradições enraizadas, cooperação com outros animais e o uso de ferramentas. Os peixes conseguem reconhecer outros animais da mesma espécie e alguns investigadores defendem que os peixes se conseguem reconhecer a si próprios.

com Green Savers


horadoplaneta às 14:59 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

pesquisar

 

Julho 2014

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
27
28
29
30
31

posts recentes

arquivos

tags

subscrever feeds

blogs SAPO