Segunda-feira, 29.12.14

Noruega hanesan nasaun ida nebe preparadu hodi rezisti hasoru alterasaun klimátiku

Tinan-tinan, Universidade Notre Dame publika atualizasaun ba Global Adaptation Index, lista ida nebe hatudu nasaun sira nebe iha preparasaun di'ak hodi hasoru alterasaun klimátiku no nasaun sira nebe ladún preparadu.



Iha fatin dahuluk ranking nian maka nasaun Noruega nebe preparadu hasoru alterasaun klimátiku sira. Tuir Nova Zelándia, Suésia, Finlándia ho Dinamarka nebe taka fatin lima dahuluk nian. Portugal mosu iha pozisaun 29, pozisaun nebe mantén nafatin hahú iha tinan 2012.

Índise ne'e avalia kapasidade nasionál hosi nasaun 175, bazeia iha kondisaun hasoru alterasaun klimátiku sira no ninia kapasidade adaptasaun lalais hasoru inundasaun, tempestade no dezastre naturál sira nebe mosu beibeik tanba alterasaun klimátiku sira, refere hosi Motherboard.

Klasifikasaun sira tinan 2014 mosu lahó supreza barak. Nasaun sira nebe iha preparasaun di'ak liu hodi hatán ba konsekuénsia alterasaun klimátiku sira nian maka nasaun dezenvolvidu sira, avansadu iha teknolojia no iha igualdade sosiál hanesan. Nasaun subdezenvolvidu sira maka tama iha pozisaun ikus sira lista nian, ladún iha asesu ba rekursu importante sira, ladún iha avansu teknolójiku no ladún iha polítika ekonómiku sira.

ho Green Savers

horadoplaneta às 15:12 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Noruega é o país mais bem preparado para resistir às alterações climáticas

Todos os anos, a Universidade de Notre Dame publica a actualização do Global Adaptation Index, uma lista onde indica as nações mais bem preparadas para enfrentar as alterações climáticas e as que menos preparadas.



No topo do ranking deste ano está a Noruega como o país mais bem preparado para enfrentar as alterações climáticas. Seguem-se a Nova Zelândia, Suécia, Finlândia e a Dinamarca fecha o pódio dos primeiros cinco lugares. Portugal surge no 29º lugar, posição que mantém desde 2012.

O índice avalia a resiliência nacional de 175 países, baseada na respectiva vulnerabilidade às alterações climáticas e na sua rapidez de adaptação a inundações, tempestades e desastres naturais consequentes das alterações do clima, refere o Motherboard.

As classificações de 2014 surgem com poucas surpresas. As nações mais bem preparadas para responder às consequências das alterações climáticas são maioritariamente países desenvolvidos, tecnologicamente avançados e com maior igualdade social. Os países subdesenvolvidos são os que se encontram no fundo da lista, apresentando pouco acesso a recursos essenciais, pouco avanço tecnológico e políticas económicas quase inexistentes.

com Green Savers

horadoplaneta às 13:16 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 16.12.14

Taj Mahal muda kór ba kór-kastañu tanba poluisaun

Kór mármore mutin nebe harii kúpula Taj Mahal nian, monumentu klasifikadu hanesan patrimóniu ida humanidade nian hosi Unesco, nebe situa iha Agra, Índia, lakon daudaun hodi fó fatin ba kór amarelu ho kastañu.



Imajen hasai iha tinan 2011. EPA@ Diego Azubel

 

Razaun ba mundansa ne'e karik tanba poluisaun, haktuir hosi estudu ida nebe publika iha edisaun online hosi revista Environmental Science & Technology hosi ekipa ida sientista sira EUA no Índia nian.

Antes sira hahú peskiza sira hodi hatene tansá maka iha mudansa ba kór, sientista sira iha hipóteze rua: karik mudansa ne'e mosu tanba prezensa hosi gotíkula sira iha kalohan nebe oksida superfísie estrutura nian ka karik tanba gás sulfúriku nebe mosu iha ár.

Maibé, kór-kastañu ne'e bele hasai hosi superfísie kúpula nian bainhira uza arjila, labele uza bee, loke ona dalan ba sientista sira kona-bá kauza mudansa kór nian.

Líder ekipa nian, sientista ambientál Mike Bergin, hosi Institutu Teknolojia Georgia nian, hatete ba kolega sira hodi sukat partíkula ki'ik sira nebe hetan iha ár no avalia ezemplu sira nebe hasai ho arjila hosi kúpula Taj Mahal nian. Investigadór sira hatete katak ezemplu sira nebe hasai hosi monumentu iha partíkula ki'ik sira karbonu nian nebe absorve naroman, flutua iha ár no la lakon iha bee.

Arjila uza hodi hamoos superfísie mármore nian, tanba partíkula sira ne'e labele lakon iha bee. Partíkula sira ne'e absorve naroman ultravioleta nian, nebe hamosu kór amarelu-kastañu iha superfísie kúpula Taj Mahal nian, konklui hosi estudu ne'e.

Mike Bergin fó sala ba emisaun sira gás nian nebe karreta hasai no ba biomasa nebe sunu hosi fenómenu ne'e. «Hamenus atividade sira n'e la'ós de'it fó fali glória antigu ba Taj Mahal maibé mós hadi'a saúde ba populasaun sira», nia hatete.

ho Diário Digital

horadoplaneta às 13:06 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Taj Mahal está a ficar castanho por causa da poluição

A cor branca do mármore que compõe a cúpula do Taj Mahal, monumento classificado como um dos patrimónios da humanidade pela Unesco, que fica em Agra, na Índia, está a desaparecer, dando lugar a um tom amarelo-acastanhado.


Imagem tirada em 2011. EPA@ Diego Azubel

 

A razão da mudança pode estar na poluição, segundo um estudo publicado na edição online da revista Environmental Science & Technology por uma equipa de cientistas dos EUA e da Índia.

Antes de iniciarem as pesquisas para saber o porquê da mudança da coloração, os cientistas tinham duas hipóteses: a mudança poderia estar a ser causada pela presença de gotículas na névoa que estariam a oxidar a superfície da estrutura ou pelo gás sulfúrico encontrado no ar.

Entretanto, o facto de o material castanho poder ser retirado da superfície da cúpula apenas com o uso de argila, em vez de água, deu pistas aos cientistas sobre a causa da mudança de cor.

O líder da equipa, o cientista ambiental Mike Bergin, do Instituto de Tecnologia da Georgia, instruiu os colegas a medir as pequenas partículas encontradas no ar e avaliar amostras retiradas com argila da cúpula do Taj Mahal. Os investigadores constataram que as amostras retiradas do monumento continham pequenas partículas de carbono que absorvem luz, flutuam no ar e são insolúveis em água.

A argila é usada para limpar a superfície do mármore, pois as partículas são insolúveis em água. Essas partículas absorvem luz ultravioleta, o que dá à superfície da cúpula do Taj Mahal essa coloração amarelo-acastanhada, concluiu o estudo.

Mike Bergin culpou as emissões de gás dos veículos e a queima de biomassa pelo fenómeno. «Reduzir essas actividades não só retornaria o Taj Mahal à sua antiga glória, mas também melhoraria a saúde dos moradores», diz.

com Diário Digital

horadoplaneta às 12:42 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 03.12.14

Naturalista nebe tolan husi anakonda fó sai katak tauk atu samea ne’e mate

Paul Rosolie, naturalista norte-amerikana nebe iha Veraun hatais fatu espesiál ida no anakonda tolan moris fó sai katak reseiu úniku nebe iha mak relasiona ho bem-estar samea nian – no laós ho nia.

 

 

Rosolie hanesan protagonista ba dokumentáriu Eatin Alive (han moris, iha tetun), nebe sei transmite iha domingu iha Discovery Channel. Tuir The Examiner, norte-amerikana tau fatu espasiál, rega na’an fahi nia ran ba nia isin no hetan tolan moris husi anakonda, espésie samea nebe bo’ot liu iha mundu, hakneak ba samea ne’e nia oin.

Nia admite katak esperiénsia bele hamate anakonda no nia hakarak bolu atensaun de’it ba samea nia hela fatin, nebe agora sai impaktu hela ba korida osan mean nian.

“Ha’u lakohi atu stress liu ba samea, maibé garante katak fatu ne’e kabeer no la halo aleija ba nia. Ha’u nunka tauk. Ami teste fatu ne’e no hatene katak laiha perigu ba vida”, esplika naturalista ba The New York Post.


Asaun ne’e hetan krítika maka’as husi ambientalista sira no animál nia belun sira, maibé Paul, nebe konsidera “naturalista ida”, afirma katak labele halo aat ba animál sira.

“Ha’u nia objetivu sempre xoke ema sira. Ami, ambientalista sira, hatene katak oinsá fó sarmões ao povo” . ha’u hakarak atu ema hotu-hotu hatene saida mak akontese iha Amazónia”, kontinua Rosolie, hatutan katak fundu hotu nebe simu husi esperiénsia kontribui ba prezervasaun anakonda nia fatin.

 

 

“Bainhira haree programa, (ha’u hatene) katak ema sira hamutuk hela ho hau. Hotu-hotu kontra ha’u, maibé sira sei hatene katak ha’u iha rai fuik hodi salva anakonda sira”, nia konklui.

Besik ema 12 luta ona, iha bee okos, hodi lori anakonda ho metru 7,6 ba leten. Hafoin, herpetolojista sira garante katak samea ho isin di’ak hela.
Tuir trailer ba programa ne’e, Rosolie no Discovery Channel halo viajen ba ai laran Amazónia hodi buka anakonda. Hafoin kolaboradór kanál nian prepara Rosolie hodi fó ba anakonda han, animál ida bele sukat to’o metru sira. “mai ita halo ha’u apelativu liu ba samea ne’e. No ita tenke ba uluk iha ulun”, dehan Rosolie molok samea tolan.

Tuir The Examiner, hafoin Rosolie sai husi samea laran, husi tali ida nebe metin iha ninia fatu.

 

ho Green Savers

horadoplaneta às 17:31 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Naturalista que se deixou engolir por anaconda revela que teve medo que a cobra morresse

Paul Rosolie, o naturalista norte-americano que no Verão vestiu um fato especial e foi comido vivo por uma anacondam revelou que o único receio que teve foi relacionado com o bem-estar da cobra – e não com o dele.

 

 

Rosolie é o protagonista do documentário Eaten Alive (“Comido Vivo”, em português), que será transmitido no domingo no Discovery Channel. Segundo o The Examiner, o norte-americano colocou um fato especial, regou-se com sangue de porco e foi engolido vivo pela anaconda, a maior espécie de cobra do mundo, ao colocar-se de joelhos em frente a esta.

Agora, ele admite que a experiência poderia ter morto a anaconda e que queria apenas chamar a atenção para a perda de habitat da cobra, que está a ser impactada pela corrida do ouro.

“Não queria stressar muito a cobra, mas sim garantir que o fato era suave e que não a aleijaria. Nunca tive medo. Testámos este fato  e sabia que não corria perigo de vida”, explicou o naturalista ao The New York Post.

A acção foi altamente criticada pelos ambientalistas e amigos dos animais, mas Paul, que se considera “um naturalista”, afirma ser incapaz de fazer mal aos animais.

“O meu objectivo sempre foi chocar as pessoas. Nós, ambientalistas, sabemos como dar sermões ao povo. Quero que mais pessoas saibam o que se está a passar na Amazónia”, continuou Rosolie, que acrescentou que todos os fundos recebidos pela experiência seriam doados para preservar o habitat da anaconda.

 

 

“Quando virem o programa, [sei] que as pessoas vão estar comigo. Todos estiveram contra mim, mas saberão que estive na selva para proteger as anacondas”, concluiu.

Cerca de 12 pessoas tiveram de lutar, debaixo de água, para trazer a anaconda de 7,6 metros para cima. Depois, herpetologistas garantiram que a cobra estava de boa saúde.

De acordo com o trailer do programa, Rosolie e o Discovery Channel viajaram até à floresta Amazónia para procurar a anaconda. Depois, colaboradores do canal prepararam Rosolie para ser comido pela anaconda, um animal pode medir até nove metros. “Vamos tornar-me o mais apelativo possível para a cobra. E temos de ir de cabeça”, diz Rosolie antes de ser comido.

De acordo com o The Examiner, Rosolie foi removido de dentro da cobra, mais tarde, por uma corda agarrada ao seu fato.

com Green Savers

horadoplaneta às 17:25 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

pesquisar

 

Dezembro 2014

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
30
31

posts recentes

arquivos

tags

subscrever feeds

blogs SAPO