Sexta-feira, 13.02.15

Baleia atus rua resin enkalladu iha Nova Zelándia

Espesialista ho voluntáriu sira tenta salva mamíferu sira nebe prezu iha zona ho rai-henek.


Espesialista ho voluntáriu sira tenta salva mamíferu sira nebe prezu iha zona ho rai-henek iha Nova Zelándia. EPA@ Ursula Walsh


Baleia-pilotu hamutuk atus rua resin maka mosu iha tasi-ibun iha Goden Bay, iha Illa Súl Nova Zelándia nian, baleia 20 mate ona, avansa hosi imprensa lokál.

Espesialista sira hosi Ministériu Konservasaun nian no voluntáriu sira hosi Prjecto Jonah luta hodi tenta salva baleia sira nebe metin hela iha zona rai-henek nian nebe koñesidu ho naran Farewell Spit, tuir kanál televizaun TV3.

Responsável ba serbisu sira konservasaun nian iha Golden Bay, Andrew Lamason, konfirma ona katak baleia hamutuk 24 hosi baleia 198 ne'e mate ona, maibé nia fiar katak sei bele halo fali sira fila ba tasi ho moris bainhira tasi nakonu iha loraik.

Tinan-tinan baleia sanulu resin metin iha zona Nova Zelándia nian, nebe nia bee halo parte iha rota ikan ida ne'e nian nebe ba ka mai hosi Antártida.

ho Renascença

horadoplaneta às 14:10 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Duas centenas de baleias encalhadas na Nova Zelândia

Especialistas e voluntários tentam salvar os mamíferos presos numa zona arenosa.



Especialistas e voluntários tentam salvar os mamíferos presos numa zona arenosa na Nova Zelândia. EPA@ Ursula Walsh

 

Cerca de 200 baleias-piloto estão encalhadas na Golden Bay, na Ilha Sul da Nova Zelândia, 20 das quais já mortas, avança a imprensa local.

Especialistas do Ministério da Conservação e voluntários do Projecto Jonah lutam para tentar salvar as baleias presas nesta zona arenosa conhecida como Farewell Spit, de acordo com o canal de televisão TV3.

O responsável pelos trabalhos de conservação da Golden Bay, Andrew Lamason, confirmou que 24 das 198 baleias morreram, mas acredita-se que muitas podem ser devolvidas ao mar com vida quando a maré subir no final da tarde.

Dezenas de baleias ficam anualmente encalhadas nesta zona da Nova Zelândia, cujas águas fazem parte da rota destes cetáceos, que se dirigem ou vêm da Antártida.

com Renascença

horadoplaneta às 12:49 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 12.02.15

Xina, Indonézia, Filipina, Vietnam ho Sri Lanka sai responsável ba lixo tonelada resin

Xina, Indonézia, Filipina, Vietnam ho Sri Lanka hanesan nasaun lima nebe sai hanesan responsável prinsipál ba plástiku tonelada millaun ualu nebe eziste iha oseanu, haktuir hosi estudu sientífiku ida nebe fó sai ohin iha revista Science.

 

Ema sira nebe hamoos hela foer sira iha illa Mabuhay, iha sidade Paranaque, iha Filipina. EPA@ Ritchie B. Tongo


Tuir estudu, iha tinan 2010, jestaun la di'ak ba rezíduo ho foer sira nebe so'e iha mundu tomak hamosu akumulasaun ba plástiku hamutuk tonelada millaun ualu iha oseanu sira, nebe bele prejudika moris iha tasi laran.

Estudu refere katak Xina, Indonézia, Filipina, Vietnam ho Sri Lanka sai hanesan nasaun sira nebe kontribui ba ezisténsia tonelada sira ne'e nian, nebe kalkula ho baze iha modelu matemátiku ida nebe determina kuantidade foer nebe ema sira halo iha nasaun sira nebe situa iha litorál.

"Númeru bele sai aat liu. Ho populasaun nebe aumenta, konsumu plástiku no rezíduo nebe aumenta iha tinan 2025, númeru sei dobra", haktuir hosi investigadór ida hosi Universidade Gerogia nian, Jenna Jambeck.

Investigadór ne'e hatete mós katak nasaun sira nebe iha dezenvolvimentu lalais iha tendénsia atu kontribui liu ba ezisténsia foer plástiku nian iha oseanu tanba sira ladún iha kapasidade hodi dezenvolve sistema ida jestaun nian nebe adekuadu ba rezíduo sira.

ho Lusa

horadoplaneta às 21:37 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

China, Indonésia, Filipinas, Vietname e Sri Lanka responsáveis por toneladas de lixo

A China, Indonésia, Filipinas, Vietname e Sri Lanka são cinco dos principais responsáveis pelas 8 milhões de toneladas de plástico que existem nos oceanos, refere um estudo científico divulgado hoje na revista Science.

 

As pessoas que estão a limpar o lixo na ilha de Mabuhay, na cidade de Paranaque, Filipinas. EPA@ Ritchie B. Tongo


Segundo o estudo, em 2010, a má gestão de resíduos e o lixo deitado fora em todo o mundo provocaram a acumulação de cerca de 8 milhões de toneladas de plástico nos oceanos, o que poderá prejudicar a vida marinha.

O estudo refere que a China, Indonésia, Filipinas, Vietname e Sri Lanka são os países que mais contribuíram para a existência daquelas toneladas, calculado com base num modelo matemático que determina a quantidade de lixo feito por pessoas em países situados no litoral.

"O número pode piorar. Com o crescimento da população, o aumento do consumo de plástico e da produção de resíduos em 2025, o número dobra", disse uma investigadora da Universidade de Geórgia, Jenna Jambeck.

A investigadora disse também que os países em rápido desenvolvimento tendem a ser os que mais contribuem para a existência de lixo plástico nos oceanos por serem os que têm menos capacidade para desenvolver um sistema de gestão de resíduos adequados.

com Lusa

horadoplaneta às 21:24 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 10.02.15

Organizações ambientalistas e cidadãos lançam campanha para salvar árvores históricas em Díli

Organizações ambientalistas timorenses e residentes em Díli iniciaram uma campanha para salvar árvores no centro da capital timorense que poderão ser abatidas.

A polémica sobre as árvores do centro de Díli começou no final de janeiro quando começaram a surgir nas árvores de várias ruas da cidade cruzes brancas, que anteriormente significaram o abate das árvores marcadas.

 

Questionado pela Lusa sobre as marcações, Domingos Soriano, responsável dos serviços de limpeza do distrito de Díli, confirmou que as árvores estavam de facto a ser marcadas, explicando que os funcionários seguiam instruções do primeiro-ministro.

 

"As instruções para resolver a questão das árvores vieram do primeiro-ministro", disse Soriano.

 

"As árvores estão a ser marcadas mas não vão ser todas cortadas. Só as que estão a ocupar a estrada", garantiu à Lusa.

 

Dúvidas sobre o que ia acontecer às árvores suscitou uma ampla campanha em vários grupos do facebook e de outras redes sociais, o que, acabou por motivar primeiro uma petição e, posteriormente, campanhas de sensibilização nas ruas.

 

Elementos de várias organizações ambientais e residentes em Dili colaram cartazes nas árvores marcadas e realizaram ações de sensibilização da população.

 

"Mantém-me e eu mantenho-te a ti. Espaço verde, vida verde", são algumas das frases em tétum e inglês inscritas nos cartazes colados nas árvores.

 

Com mais de 500 partilhas e 300 assinaturas está também a circular uma carta aberta da Fundação Haburas, a organização ambiental mais antiga de Timor-Leste, formada em 1998 por um grupo de jovens timorenses.

 

"Estamos preocupados que as árvores vão ser abatidas como o foram muitas outras árvores de grandes dimensões anteriormente. Estas árvores foram plantadas ainda durante a época colonial portuguesa. Sobreviveram a ocupação indonésia e têm servido as pessoas em Díli de muitas formas desde então ", refere a carta, que é assinada por Virgílio Guterres, responsável da Haburas.

 

Guterres disse à Lusa que já no ano passado se organizaram manifestações que conseguiram evitar o corte programado de várias árvores no centro de Díli, explicando que se for necessário voltarão a tomar medidas idênticas.

 

@Lusa

horadoplaneta às 05:53 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Organizasaun ambientalistas ho sidadaun sira lansa kampaña hodi salva ai istóriku iha Dili

Organizasaun ambientalista timoroan no ne’ebé harii iha Dili, hahú hala’o kampaña hodi salva ai hirak ne’ebé kuda iha kapitál no sei atu ta’a.


 

Polémika kona-ba ai ne’ebé ezisti iha kapitál Dili, hahú iha fin janeiru bainhira komesa mosu sinál kruz kór mutin iha ai hirak ne’e ninia lolon, ne’ebé siknifika katak sei atu tesi.

 

Bainhira Lusa husu kona-ba markasaun hirak ne’e, Domingo Soriano, responsável ba limpeza distritu Dili, dehan katak tau duni marka ba ai hirak ne’e, no esplika liu tan katak funsionáriu hirak ne’e halo tuir instrusaun primeiru ministru, Xanana Gusmão nian.

 

“Instrusaun atu hodi rezolve problema kona-ba ai sira ne’e, hatuun hosi primeiru ministru”, dehan Soriano.

 

“Sei tau marka ba ai hirak ne’e, maibé la’os atu tesi. Ba de’it ai hirak ne’ebé okupa estrada”, hatutan Soriano ba Lusa.

 

Husu kona-ba saida maka sei bele akontese ba ai hirak ne’e hodi hamosu kampaña bot ida iha grupu facebook nomós rede sosiál seluk, hodi hato’o uluk pedidu no tuir maka halo kampaña sensibilizasaun iha dalan-dalan.

 

Elementu hosi organizasaun ambientál oioin no ne’ebé ezisti iha Dili maka taka kartaz ba iha ai hirak ne’ebé tau ona sinál mutin no sira mós halo asaun sensibilizasaun ba populasaun sira.

 

"Husik ha’u no ha’u sei fó mahon ba ó. Fatin matak malirin, no moris saudavel", hanesan fraze balun ne’ebé hakerek ho tétum no inglés ne’ebé hakerek iha kartaz hodi taka ba ai hirak ne’e ninia lolon.

 

 Ho asaun 500 resin no asinatura 300, sirkula mós karta aberta ida hosi Fundasaun Haburas, nu’udar organizasaun ambientál ida ne’ebé antigu liu iha Timor-Leste, harii hosi grupu jovens ida iha tinan 1998.

 

"Ami preokupa ho ai hirak ne’ebé sei atu tesi hanesan ai hun bobot ne’ebé tesi liu ona. Ai hirak ne’e kuda durante tempu koloniál portugés. To’o okupasaun indonézia no fai hirak ne’e fó ona mahon ba ema iha Dili", tuir karta ne’ebé asina hosi Virgílio Guterres, responsável Haburas.

 

Guterres dehan ba Lusa katak desde tinan kotuk, organiza ona manifestasaun to’o konsege evita tesi ai iha Dili-laran, no esplika liu tan katak karik presija bele foti medida hanesan.

 

SAPO TL ho Lusa

horadoplaneta às 05:38 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

pesquisar

 

Fevereiro 2015

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

posts recentes

arquivos

tags

subscrever feeds

blogs SAPO