Terça-feira, 26.05.15

Mosambike no Tanzánia asina akordu ba protesaun ambientál

Governu mosambikanu no tanzanianu asina ona iha Maputo akordu ida ba protesaun ambientál fauna nian iha Área Konservasaun Transfronteirisu Rezerva Niassa nian no iha Rezerva Selous nian.

 

 
"Nasaun rua ne'e hanesan fatin ba hahalok sira hosi kasadór klandestinu sira, nebe uza koredór hosi ami nia fronteira sira hodi tranzasionár marfin no rekursu sira seluk ho dalan ilegál", hatete hosi ministru Rai, Ambiente no Dezenvolvimentu Rurál hosi Mosambike, Celso Correa, nebe haktuir hosi diáriu O País iha loron-tersa ne'e.

Akordu, nebe asina iha loron-segunda entre governante mosambikanu ho ministru Rekursu Naturál no Turizmu hosi Tanzánia, Lazaro Nyalandu, hakarak harii plataforma ida koperasaun nian hodi garanti protesaun ba biodiversidade, kombate atake nebe mosu beibeik hodi kasadór klandestinu sira iha rejiaun.

Ministru Rekursu Naturál no Turizmu hosi Tanzánia konsidera katak ekosistema nebe iha área transfronteirisu entre rezerva sira Niassa ho Selous reprezenta "santuáriu ida ba rekursu ai-laran sira nian", destaka nia importánsia ba kontinente afrikanu.

"Ita ko'alia kona-bá rai ho kilómetru rihun 15, área ida nebe hanesan ho teritóriu belga, hanesan ezemplu. Ekosistema nebe iha área ne'e hamutuk konstitui símbolu ida moris nian iha ita nia nasaun sira", Lazaro Nyalandu hatete no hatutan katak populasaun hosi elefante sira iha Rezerva Selous nian tuun maka'as tanba hahalok sira hosi kasadór klandestinu sira.

Mosambike hanesan fatin ida ba kontrabandu marfin no xifre sira hosi rinoseronte sira ho destinu ba Ázia, iha negósiu ida nebe, tuir organizasaun ambientalista oioin nebe atua iha nasaun ne'e, maka halo ho komplasénsia hosi autoridade lokál sira.

Tuir informasaun hosi Wildlife Conservation Society, organizasaun norte-amerikanu ida ba protesaun ambientál nian, populasaun elefante nia tuun ba metade iha Mosambike iha tinan lima nia laran no 95% hosi populasaun mate iha norte nasaun nian, iha besik fronteira ho Tanzánia.

ho Lusa

horadoplaneta às 15:29 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Moçambique e Tanzânia assinam acordo para a proteção ambiental

Os governos moçambicano e tanzaniano assinaram em Maputo um acordo para a proteção ambiental da fauna da Área de Conservação Transfronteiriça da Reserva do Niassa e da Reserva do Selous.

 


"Os dois países têm sido alvo de ações de caçadores furtivos, que usam os corredores das nossas fronteiras para transacionar marfim e outros recursos ilegalmente", disse o ministro da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural de Moçambique, Celso Correa, citado hoje pelo diário O País.

O acordo, celebrado na segunda-feira entre o governante moçambicano e ministro dos Recursos Naturais e Turismo da Tanzânia, Lazaro Nyalandu, pretende construir uma plataforma de cooperação para garantir a proteção da biodiversidade, combatendo os frequentes ataques de caçadores furtivos na região.

Por sua vez, o ministro dos Recursos Naturais e Turismo da Tanzânia considera que o ecossistema existente na área transfronteiriça entre as reservas do Niassa e do Selous representa "um santuário de recursos florestais", destacando a sua importância para o continente africano.

"Estamos a falar de 15 mil quilómetros de terra, uma área que chega a ser igual ao território belga, por exemplo. O ecossistema existente nesta área conjunta constitui um grande símbolo de vida dos nossos dois países", disse Lazaro Nyalandu, acrescentando que a população de elefantes na Reserva de Selous diminuiu consideravelmente devido às ações dos caçadores furtivos.

Moçambique é apontado como um corredor para o contrabando de marfim e de chifres de rinocerontes com destino à Ásia, num negócio que, segundo várias organizações ambientalistas que atuam no país, é feito com a complacência das autoridades locais.

De acordo com dados da Wildlife Conservation Society, uma organização norte-americana de proteção ambiental, a população de elefantes caiu para metade em Moçambique em cinco anos e 95% da população foi abatida justamente no norte do país, junto á fronteira com a Tanzânia.

com Lusa

horadoplaneta às 14:58 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 22.05.15

Unidade hodi transforma foer ba enerjia hahú harii iha besik sidade Díli

Projetu hodi harii unidade ida ba tratamentu foer nian no ba nia transformasaun ba enerjia, ho sentrál ida 25MW lansa ona iha loron-sesta ne'e iha serimónia ida iha Tibar, zona nebe instala lixeiru Díli nian.


Foto: Epifânio Sarmento/ SAPO TL


 

Projetu hodi harii unidade ida ba tratamentu foer nian no ba nia transformasaun ba enerjia, ho sentrál ida 25MW lansa ona iha loron-sesta ne'e iha serimónia ida iha Tibar, zona nebe instala lixeiru Díli nian.

 

Bainhira ko'alia iha serimónia lansamentu ba projetu, nebe sei dezenvolve hosi empreza ida hosi Taiwan, xefe Governu, Rui Maria de Araújo, hatete katak unidade hatán ba preokupasaun hosi ezekutivu kona-bá ambiente no jestaun ba rezíduo urbanu sira nian.

 

"Timor-Leste halo daudaun diretivu sira hodi hetan solusaun ba kestaun sira ne'e, promove estratéjia ida jestaun foer sira nian nebe preokupa tebes, la'ós de'it ba nia rekolla maibé mós ba nia tratamentu to'o nia reutilizasaun", nia destaka.

 

"Tanba ne'e, ha'u bele senti de'it satisfeitu tanba konkretiza hakat importante ida ba ita nia nasaun, hanesan lansamentu ba projetu inovadór ida nebe hanoin kleur ona no ohin loron sai realidade", nia hatutan.

 

Iha fulan-Novembru tinan liubá Governu timoroan aprova ona rezolusaun ida ho "akordu prinsípiu nian" ho proposta investimentu nebe aprezenta hosi empreza taiwanés Shun Hsin Construction Development Ltd hodi harii "unidade industriál ida ba tratamentu foer iha Tibar".

 

Testu rekoñese katak "kresimentu populasaun nian, kresimentu sidade sira nian no konsumu, kontribui hodi estraga kondisaun ambientál sira, liuliu iha zona urbanu sira" nune'e maka "urjente medida ida ba tratamentu poluisaun nian".

 

Projetu, nebe sei fó empregu hamutuk 300, sei halo rekolla no armazenamentu ba foer sira, no mós tratamentu no reutilizasaun ba rezíduo orgániku sira.

 

Rui Araújo destaka importánsia hosi tratamentu ba foer nian ba saúde públiku hodi konsidera katak unidade iha Tibar hanesan "hakat importante ida iha dezenvolvimentu sustentável" Timor-Leste nian.

 

"Sustentabilidade ambientál implika ita foti desizaun sira no hodi halo asaun nebe proteje natureza, halo meiu ambiente favorável ida ba dezenvolvimentu ema nian iha harmonia ho kriatura moris sira seluk", nia afirma.

 

Estudu ida nebe publika iha 2014 hosi Banku Aziátiku ba Dezenvolvimentu (BAD) fó sai katak loron-loron iha Timor-Leste iha foer tonelada 120 foer nian maka to'o iha lixeiru, nune'e jestaun ba rezíduo urbanu hanesan dezafiu ida ba autoridade sira kapitál nian.

 

"Bainhira laiha kapasidade hodi transforma foer, ho aumentu populasaun nian, dezenvolvimentu hosi setór sira indústria nian, komérsiu, agrikultura ho infraestrutura no kresimentu ekonómiku asosiadu ba kbiit maka'as sosa nian nebe maka ita hamosu, volume ne'e bele to'o tonelada 500", destaka hosi artigu ne'e.

 

"Bainhira ita la hala'o asaun konkretu sira hodi hasoru ho situasaun ne'e, entaun ita sei iha dezafiu boot ida iha futuru", nia konsidera. Rui Araújo destaka ona faktu hosi projetu "transforma foer iha enerjia" no faktu hosi rekolla, prosesamentu no sunu foer sira, hamenus númeru parazita no moras sira nian. "Bainhira ita hili tratamentu ba foer sira hanesan ne'e, ita mós hamenus estraga sira, liuhosi rekuperasaun enerjétiku, transforma foer iha sasán di'ak ruma nebe maka hanesan enerjia", nia hatete.

 

"Estasaun tratamentu ba foer ne'e bele halo enerjia ba sentral elétriku ida ho kapasidade 25MW, hodi hatán ba nesesidade lokál sira enerjia nian ba benefísiu komunidade nian", destaka mós.

 

ho Lusa

horadoplaneta às 14:50 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Unidade para transformar lixo em energia começa a ser construída nos arredores de Díli

O projeto de construção de uma unidade de tratamento de lixo e da sua transformação em energia, com uma central de 25MW foi hoje lançado numa cerimónia em Tibar, a zona onde está instalada a lixeira de Díli.


Foto: Epifânio Sarmento/SAPO TL


 

Intervindo na cerimónia de lançamento do projeto, que vai ser desenvolvido por uma empresa de Taiwan, o chefe do Governo, Rui Maria de Araújo, salientou que a unidade corresponde à preocupação do executivo sobre o ambiente e gestão de resíduos urbanos. 

 

"Timor-Leste tem vindo a introduzir diretivas que visam solucionar estas questões, promovendo uma estratégia de gestão de lixos que se preocupa, não só com a sua recolha, como também com o seu tratamento e até a sua reutilização", destacou.

 

"Só posso, por isso, estar satisfeito por ver concretizada uma etapa tão importante para o nosso país, como é o lançamento deste projeto inovador que tem vindo a ser pensado ao longo dos anos e que hoje toma forma", disse ainda.

 

Recorde-se que, em novembro, do ano passado o Governo timorense aprovou a resolução com o "acordo de princípio" com a proposta de investimento apresentada pela empresa taiwanesa Shun Hsin Construction Development Ltd para a construção de uma "unidade industrial de tratamento de lixos em Tibar". O texto reconhecia que "o crescimento populacional, o crescimento das cidades e do consumo, têm vindo a contribuir para agravar as condições ambientais, sobretudo nas zonas urbanas" pelo que é "urgente uma medida de tratamento da poluição".

 

O projeto, que criará 300 empregos, prevê a recolha e armazenamento de lixos, e ainda o tratamento e reutilização de resíduos orgânicos.

 

Considerando a unidade de Tibar um "passo importante no desenvolvimento sustentável" de Timor-Leste, Rui Araújo destacou a importância do tratamento do lixo para a saúde pública.

 

"A sustentabilidade ambiental implica tomarmos decisões e conduzirmos ações que protejam a natureza, criando um meio ambiente favorável ao desenvolvimento do ser humano em harmonia com outros seres vivos", afirmou.

 

Um estudo de 2014 do Banco Asiático de Desenvolvimento (BAD) revela que diariamente chegam à lixeira de Tibar mais de 120 toneladas de lixo, sendo a gestão dos resíduos urbanos um desafio crescente para as autoridades da capital.

 

"Se não existir a capacidade de transformar o lixo, com o aumento da população, o desenvolvimento dos sectores da indústria, comércio, agricultura e infraestruturas e o crescimento económico associado a um maior poder de compra que estamos a impulsionar, este volume poderá atingir as 500 toneladas", destacou.

 

"Se não realizarmos já ações concretas para lidar com esta situação, então teremos um desafio ainda maior no futuro", considerou. Rui Araújo destacou o facto de o projeto "transformar o lixo em energia" e o facto da recolha, processamento e incineração de resíduos, reduzir a proliferação de doenças e parasitas. "Ao optarmos por este tipo de tratamento de resíduos, estamos também a reduzir o desperdício, através da recuperação energética, transformando o lixo num bem, que é a energia", disse.

 

"Esta estação de tratamento de lixo pode produzir energia para uma central elétrica com capacidade de 25MW, satisfazendo as necessidades locais de energia para benefício da comunidade", destacou ainda.

 

com Lusa


horadoplaneta às 12:50 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 21.05.15

Sri Lanka hanesan nasaun dahuluk nebe proteje mangál sira

Metade mangezal liu iha mundu hetan estraga iha sékulu ikus ne'e.



 

Maibé hirak ne'ebé moris no hetan iha teritóriu Sri Lanka agora dadaun proteje hosi projetu úniku iha mundu. No iha sentru operasaun ne'e hodi proteje ekosistema úniku hela de'it inan sira.

 

Mangezal sira mak ekosistema ne'ebé dezempeña papél importante iha kombate ba alterasaun klimátika tanba abosrve dióksidu karbonu duké floresta sira seluk. No moos, proteje zona kosteira inundasaun no proporsiona animál tasi nia hela fatin, hanesan kadiuk, boek no ikan kiik sira.

 

Agora, atu proteje floresta sira ne'e atu sai tun, Sri Lanka lansa ona projetu konservasaun úniku ida iha mundu, no iha tempu hanesan sei ajuda komunidade ki'ak sira. Estratéjia ne'e lao hodi fó empréstimu ki'ik ba feto sira iha Sri Lanka no hanorin sira kria sira nia negósiu rasik. Ho troka, feto besik 15.000 sei la taa ai mangejal no sei tau mangejal besik sira nia hela fatin.

 

"Ne'e responsabilidade no nesesidade ba governu hot-hotu, instituisaun privada, instituisaun NGO, investigador no sosiedade sivil halibur hamutuk hodi proteje ekosistema mangejal nian", indika prezidente Sri Lanka, Maithreepala Sirisena, sita BBC.

 

Organizasaun konservasionista responsável sira hosi projetu, ne'ebé apoiu hosi governu Sri Lanka, fiar katak fó poder ba feto hodi trata benefísiu boot ba padraun moris nian iha komunidade kosteira sira iha nasaun ne'eba. Nune'e moos, organizasaun sira konvense dadaun katak maneira efisiente liu hodi proteje mangejal sira mak konsiensializa komunidade sira atu moris hamutuk ho ekosistema ba ninia importánsia duké kastigu sira hodi tesi ai hodi halo ai sunu.

 

ho Green Savers

horadoplaneta às 13:05 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Sri Lanka é o primeiro país a proteger os manguezais

Mais de metade dos manguezais do mundo foram destruídos no último século.



 

Mas os que sobreviveram e se encontram no território do Sri Lanka estão agora protegidos ao abrigo de um projecto único no mundo. E no centro desta operação para proteger estes ecossistemas únicos estão as mulheres.

 

Os manguezais são ecossistemas que desempenham um papel crucial no combate às alterações climáticas pois absorvem mais dióxido de carbono que as outras florestas. Adicionalmente, protegem as zonas costeiras das inundações e proporcionam habitat para animais marinhos, como os caranguejos, camarões e peixes juvenis.

 

Agora, para proteger estas florestas de serem abatidas, o Sri Lanka lançou um projecto de conservação único no mundo, que ao mesmo tempo vai ajudar as comunidades pobres. A estratégia passa por oferecer pequenos empréstimos às mulheres do país e ensiná-las a criar o seu próprio negócio. Em troca, cerca de 15.000 mulheres vão deixar de abater as árvores dos manguezais para lenha e vão guardar os manguezais que ficarem próximos das suas habitações.

 

“É responsabilidade e necessidade de todos os governos, instituições privadas, instituições não-governamentais, investigadores e sociedade civil unirem-se para proteger o ecossistema dos manguezais”, indica o presidente do Sri Lanka, Maithreepala Sirisena, cita a BBC.

 

As organizações conservacionistas responsáveis pelo projecto, que é apoiado pelo governo do Sri Lanka, acreditam que dar poder à mulher trará grandes benefícios para os padrões de vida das comunidades costeiras daquele país.

 

Adicionalmente, as organizações estão convencidas de que a maneira mais eficiente para proteger os manguezais é consciencializar as comunidades que vivem junto destes ecossistemas para a sua importância do que penalizá-las por abater as árvores para lenha.

 

com Green Savers

horadoplaneta às 11:37 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 11.05.15

Japaun sai hosi asosiasaun tanba kasa tradisionál ba golfiñu sira

Asosiasaun Mundiál Zoolójiku no Akuáriu sira hasai Japaun tanba halo kasa tradisionál ba golfiñu sira, hahalok ida ne'ebé organizasaun konsidera "ladi'ak".

 

 

Organizasaun konsidera Japaun viola nia kódigu Étika no Protesaun Animál no hakarak halo esforsu tomak atu nasaun membru sira labele kaer golfiñu hosi Japaun kaer liuhosi kasa tradisionál.

 

Notísia ne'e fó sai iha loron-sefgunda hosi imprensa nipóniku, tuir notísia WAZA (sigla ingleza asosiasaun nian) foti desizaun iha fulan-Abril nia rohan, hafoin Asosiasaun japoneza Zoolójiku no Akuáriu (JAZA) afirma fila fali ninia apoiu ba kasa golfiñu ne'ebé hala'o tinan-tinan iha Taiji, perfeitura Wakyama.

 

WAZA konsidera katak Japaun viola ninia kódigu Étika no Protesaun Animál hodi repete pratika peska no husu ba Estadu-membru sira atu bandu "kaer animál fuik ho hahalok la di'ak no la seletivu".

 

Asosiasaun kompromete mós atu garante katak laiha nasaun ida atu maka hetan golfiñu liuhosi Japaun hosi métodu ida ne'e.

 

Sansaun bele afeta jardin zoolójiku 153 no akuáriu sira Japaun nian ne'ebé hetan ka simu ezemplár hosi sentru sira seluk, aleinde prejudika indústria peskeira iha Taiji, afirma jornál nipóniku "Asahi".

 

Halo kasa ba golfiñu no setáseu iha Taiji manán notoriedade internasionál hatudu iha filme norte-amerikanu "The Cove", nebe hetan Óscar iha 2009.

Animál barak hetan hana hosi rama oan no lori ba konsumu, sei iha parte balun maka kaer moris no fa'an iha jardin zoolójiku sira no akuáriu sira iha mundu tomak.

 

Autoridade lokál sira defende kaptura ba setáseu sira hosi ninia valor tradisionál no hanesan parte hosi ninia kultura gastronómika.

 

ho Renascença

horadoplaneta às 15:50 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Japão expulso de associação por caça tradicional aos golfinhos

A Associação Mundial de Zoológicos e Aquários expulsou o Japão por praticar caça tradicional de golfinhos, um método que a organização considera “cruel”.


 

Organização considera que o Japão violou o seu Código de Ética e Protecção Animal e pretende fazer todos os esforços para que nenhum dos países membros adquira golfinhos capturados pelo Japão através da caça tradicional.

 

A notícia é veiculada esta segunda-feira pela imprensa nipónica, segundo a qual a WAZA (a sigla inglesa da associação) tomou a decisão no final de Abril, após a Associação japonesa de Zoológicos e Aquários (JAZA) reafirmar o seu apoio à caça de golfinhos levada a cabo todos os anos na localidade de Taiji, prefeitura de Wakayama.

 

A WAZA considera que o Japão violou o seu Código de Ética e Protecção Animal ao praticar de forma reiterada aquele tipo de pesca e pede a todos os Estados-membros que proíbam “a captura de animais selvagens com métodos cruéis e não selectivos”.

 

A associação comprometeu-se também a garantir que nenhum dos seus países adquira golfinhos capturados pelo Japão através daquele método.

A sanção pode afectar os 153 jardins zoológicos e aquários do Japão que adquiram ou recebam exemplares de outros centros, além de prejudicar a indústria pesqueira de Taiji, afirma o jornal nipónico “Asahi”.

 

A caça ao golfinho e outros cetáceos em Taiji ganhou notoriedade internacional ao ser retratada no filme norte-americano “The Cove”, vencedor de um Óscar em 2009.

 

A maioria dos animais são atingidos por um arpão e têm como destino o consumo humano, ainda que uma pequena parte seja capturada viva e vendida a jardins zoológicos e aquários em todo o mundo.

 

As autoridades locais defendem a captura de cetáceos pelo seu valor tradicional e como parte da sua cultura gastronómica.

 

com Renascença


horadoplaneta às 15:46 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

pesquisar

 

Maio 2015

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
23
24
25
27
28
29
30
31

posts recentes

arquivos

tags

subscrever feeds

blogs SAPO