Segunda-feira, 30.11.15

Golfinhos de Hong Kong em risco de desaparecerem - ecologistas

Organizações ecologistas de Hong Kong alertam para o perigo de desaparecimento dos chamados golfinhos cor-de-rosa, com o avanço das obras de uma nova ponte e os planos para expansão do aeroporto.


 

Especialistas em conservação garantem que os seus contínuos alertas têm sido ignorados, o que resultou num "rápido" declínio do número de animais nas últimas décadas.

 

O golfinho branco chinês, conhecido como golfinho cor-de-rosa devido ao seu tom rosa, atrai diariamente turistas às águas a norte da ilha de Lantau, em Hong Kong.

 

O golfinho foi também a mascote oficial da cerimónia de transferência de administração em 1997, quando a cidade regressou à China.

No entanto, apesar do afeto popular para com estes mamíferos, os especialistas temem que, em breve, estes venham a desaparecer.

 

Os planos para uma terceira pista no aeroporto Chek Lap Kok podem ser o último prego no caixão, dizem.

 

"Se o projeto avançar, vai provavelmente afastar os golfinhos das águas de Hong Kong", defendeu Samuel Hung, presidente da Hong Kong Dolphin Conservation Society, que há 20 anos sai para o mar pelo menos duas vezes por semana para monitorizar a atividade dos golfinhos.

 

"De certa forma parece que os estamos a empurrar cada vez mais na direção do precipício, e se dermos esse empurrão final, eles vão desaparecer para sempre. Julgo que agora é o tempo para agirmos em conjunto", apelou.

 

Segundo Hung, há cerca de 60 golfinhos nas águas de Hong Kong, uma significativa descida em relação aos 158 que havia em 2003.

 

"O declínio dos golfinhos é causado por vários fatores, incluindo excesso de pesca e poluição (...) mas acho que o maior contributo vem do aumento do tráfego de ferries de alta velocidade", disse.

 

@Lusa

horadoplaneta às 07:47 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Golfiñu Hong Kong iha risku atu lakón – ekolojista

Organizasaun ekologista Hong Kong alerta ba perigu ne’ebé ameasa hodi halakon golfiñu sira ho naran “golfinhos cor-de-rosa”, liu hosi obra ba ponte foun no planu atu haluan aeroportu.


 

Espesialista iha konservasaun ne’e garante katak alerta ne’ebé sira halo beibeik kontinua larona, hodi rezulta redusaun " lalais " númeru animál sira iha dékada ikus ne’e.

 

Golfiñu mutin chinés ne’e, koñesidu hanesan “ golfinho cor-de-rosa” liu hosi nia lian rosa, ne’ebé lorloron atrai tebes turista sira ba visita bee ne’e iha norte illa Lantau, Hong Kong.

 

Golfiñu ne’e hanesan maskote ofisiál iha serimónia transferénsia administrasaun iha 1997, bainhira sidade muda fali ba Xina.

 

Tamba ne’e, maski iha ema barak gosta animál mamíferu ne’e, espesialista sira sente tauk katak , lakleur tan sira bele lakon hotu.

 

Planu atu halo pista datoluk iha aeroportu Chek Lap Kok bele sai hanesan pregu ikus ba kaisaun, nia hatete.

 

"Karik projetu ne’e avansa, provavelmente sei hadook golfiñu sira hosi bee Hong Kong ", defende hosi Samuel Hung, prezidente Hong Kong Dolphin Conservation Society, ne’ebé tinan 20 ona halo kontrolu iha tasi pelumenus semana ida monitoriza dala rua atividade golfiñus nian.

 

"Ho forma ne’ebé iha parese ita dada dadauk sira ba iha rai naruk, karik ita dada to’o hotu, sira sei lakon mohu hotu.Hanoin katak agora tempu ona atu hamotuk hodi foti desizaun", nia apela.

 

Tuir Hung, iha deit golfiñus 60 iha bee Hong Kong nian ,iha signifikativa maka menus liu relasiona ba 158 iha tinan 2003.

 

"Golfiñu sira ne’ebé menus hetan kausa hosi fatór oioin, inklui iha esesu hosi peska no poluisaun (...) maibé hau hanoin katak kontributu boot liu hosi aumentu ba tráfegu ferie ho velosidade ás ", nia dehan.

 

SAPO TL ho Lusa

horadoplaneta às 07:45 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Malásia compromete-se a reduzir em 40% a emissão de carbono até 2020

O ministro dos Recursos Naturais e Meio Ambiente da Malásia, Wan Junaidi, afirmou que o seu país se compromete a reduzir em 40% as emissões de carbono até 2020, escreve hoje a imprensa local.


 

O plano será detalhado na próxima semana na Conferência Internacional sobre as Alterações Climáticas, que começa em Paris na segunda-feira e dura até 11 de dezembro, em que vão participar mais de 160 países.

 

"Queremos conservar milhões de hectares de bosques na ilha de Bornéu", assinalou o ministro, em entrevista ao Channel News Asia.

 

Segundo Wan Junaidi, a Malásia vai endurecer as leis de modo a travar a exploração madeireira ilegal e proteger a biodiversidade do seu território. O governante deixou também a promessa de utilização de combustíveis menos poluentes.

 

Os críticos da governação acusam o Governo malaio de não ter planos para a utilização de energias renováveis e asseguram que quase metade da energia consumida pelo país este ano veio do carvão, que emite grandes quantidades de CO2 para a atmosfera.

 

O acordo de Paris deverá substituir o protocolo de Quioto e pretende estabelecer um caminho para que o aumento da temperatura do planeta não supere os dois graus centigrados.

 

@Lusa

horadoplaneta às 01:53 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Malázia kompromete atu redús emisaun karbonu ba 40% to’o 2020

Ministru Rekursu Naturál no Meiu Ambiente Malázia nian, Wan Junaidi, afirma katak nia nasaun kompromete atu redús emisaun karbonu ba 40% to’o tinan 2020, hakerek imprensa lokál horisehik.



Planu ne’e sei detalla liu iha semana oin iha Konferénsia Internasionál kona-ba Alterasaun Klimátika, ne’ebé hahú iha Paris iha loron-segunda to’o loron 11 dezembru, ne’ebé sei partisipa hosi nasaun 160 resin.


"Ami hakarak konserva floresta ektare millaun iha ill Bornéu", tenik ministru ne’e, iha entrevista ba Channel News Asia.


Tuir Wan Junaidi, Malázia sei kria lei ne’ebé rigorozu hodi hapara esplorasaun ai ilegál no proteje biodiversidade iha nia territóriu. Governante ne’e halo mós promesa atu utiliza kombustível ne’ebé ladun poluente.


Krítiku sira governasaun nian akuza Governu malaiu la iha planu hodi utiliza enerjia renovável no asegura katak kuaze metade hosi enerjia mak nasaun konsumu iha tinan ne’e mai hosi karvaun, ne’ebé emite CO2 ho kuantidade boot ba atmosfera.


Akordu mak hala’o iha Paris sei substitui protokolu Quioto no pretende estabelese meiu ida atu temperatura planeta nian la sa’e liu grau sentigradu rua.


SAPO TL ho Lusa

horadoplaneta às 01:50 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 27.11.15

Eis-Prezidente lidera delegasaun Timor-Leste nian iha simeira Paris

Eis-Prezidente Timor-Leste nian, José Ramos-Horta, sei lidera delegasaun timoroan nian iha konferénsia ONU nian kona-bá alterasaun klimátiku (COP21) ne'ebé hahú iha loron-segunda iha Paris, konfirma ona hosi membru ida ezekutivu nian ba Lusa.


Fonte: José Ramos-Horta 1996 Nobel Peace Prize Laureate


Constâncio Pinto, ministru hosi Komérsiu, Indústria no Ambiente, hatete ba Lusa katak Ramos-Horta nomeadu hosi Prezidente timoroan, Taur Matan Ruak, no hosi primeiru-ministru Rui Maria de Araújo, hodi aprezenta pozisaun sira hosi Timor-Leste nian iha simeira kona-bá klima.

 

Timor-Leste hakarak fó nia ezemplu rasik kona-bá impaktu hosi alterasaun klimátiku tanba, hanesan nasaun sira seluk hosi Pasífiku, hahú senti ona efeitu sira, liuliu ho mudansa sira iha padraun ba udan ne'ebé akontese durante loron badak maibé maka'as liu.

 

Ne'e hetan ona detalle iha konferénsia foun hamutuk ida hosi Governu timoroan no hosi UE iha Díli, halo hamutuk ho semana Alterasaun Klimátiku nian no antesipa konferénsia kona-bá klima iha Paris.

 

Constâncio Pinto destaka katak kombate hasoru alterasaun klimátiku sira "hanesan preokupasaun ida" iha nasaun no reuniaun iha Paris hanesan oportunidade ida hodi hametin ajenda internasionál ne'e. "Iha Timor-Leste, hanesan fatin sira seluk iha planete, senti ona impaktu ne'e. Ami haree estraga sira ne'ebé udan halo no nia folin ne'ebé reprezenta", nia hatete.

 

Bainhira hatán kona-bá medida sira ne'ebé Governu foti daudaun hodi proteje ambiente, inklui hamoos foer sira, hamoos mota sira no kampaña informasaun nian, Constâncio Pinto fó hanoin "dezafiu boot sira" ne'ebé maka nasaun hasoru.

 

"Hanesan kestaun transversál sira ne'ebé eziji envolvimentu hosi parte oioin. Iha esforsu sira hosi ami nia parte, inklui konferénsia sira hodi sensibiliza kona-bá kestaun ambientál sira no sei hahú harii sentru ida hodi sunu foer sira, ho investimentu ida hamutuk dolár millaun 150", nia hatete.

 

"Hanesan dezafiu ida ba governu timoroan no ami sei esforsa hodi rezolve no hatán ba dezafiu ne'e. Maibé ami ladún iha rekursu ema nian no mós finansiamentu, ne'ebé halo susar ami nia intervensaun iha área sira ne'e. Ami labele hatán ba buat hotu iha tempu hanesan", nia hatutan. Timor-Leste ratifika ona iha 2006 Konvensaun hosi ONU kona-bá Alterasaun Klimátiku sira (UNFCCC) no adere mós ba faze daruak hosi Protokolu Quioto nian.

 

Iha tinan hirak ikus ne'e, Timor-Leste hala'o ona inisiativu oioin iha área ne'e, inklui projetu ki'ik sira hosi infraestrutura agríkola nian, reabilitasaun ba ai-hun mangál, projetu sira hodi hamoos bee no kampaña oioin informasaun nian no edukasaun kona-bá tema ambiente sira nian.

 

COP21, ne'ebé sei hala'o entre loron 30 Novembru no 11 Dezembru, sei halibur iha Paris pelumenus xefe Estadu no Governu hamutuk na'in 147, entre sira reprezentante hosi nasaun 195, ne'ebé hakarak hetan akordu vinkulativu ida kona-bá diminuisaun hosi emisaun gás sira ho efeitu estufa ne'ebé permiti limita akesimentu ba temperatura média globál hosi atmosfera ba sentígradu rua aas liu hosi valór ne'ebé rejista antes akontese revolusaun industriál.

 

ho Lusa

horadoplaneta às 14:22 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Ex-Presidente lidera delegação de Timor-Leste a cimeira de Paris

O ex-presidente de Timor-Leste, José Ramos-Horta, vai liderar a delegação timorense à conferência da ONU sobre alterações climáticas (COP21) que começa na segunda-feira em Paris, confirmou à Lusa um membro do executivo.


Fonte: José Ramos-Horta 1996 Nobel Peace Prize Laureate


Constâncio Pinto, ministro do Comércio, Indústria e Ambiente, disse à Lusa que Ramos-Horta foi nomeado pelo Presidente timorense, Taur Matan Ruak, e pelo primeiro-ministro, Rui Maria de Araújo, para apresentar as posições de Timor-Leste na cimeira do clima.

 

Timor-Leste quer dar o seu próprio exemplo sobre o impacto das alterações climáticas uma vez que, como outras nações do Pacífico, começou já a sentir efeitos, nomeadamente com mudanças no padrão das chuvas, que ocorrem durante menos dias mas com mais intensidade.

 

Isso mesmo foi detalhado numa recente conferência conjunta do Governo timorense e da UE em Díli, coincidindo com a semana da Alteração Climática e em jeito de antecipação da conferência de clima de Paris.

 

Constâncio Pinto destacou que o combate às alterações climáticas "é uma preocupação" no país e que a reunião de Paris é uma oportunidade para consolidar esta agenda internacional. "Em Timor-Leste, como noutros pontos do planeta, já se começa a sentir esse impacto. Notamos os danos que as chuvas causam e o custo que representam", disse.

 

Questionado sobre as medidas que o Governo tem vindo a tomar para proteger o ambiente, incluindo a limpeza de lixo, a limpeza das ribeiras e campanhas de informação, Constâncio Pinto recordou "os enormes desafios" que o país enfrenta.

 

"São questões transversais, que exigem o envolvimento de várias partes. Há esforços da nossa parte, incluindo conferências para sensibilizar sobre as questões ambientais e vai começar a ser construído um centro de incineração de lixos, num investimento de 150 milhões de dólares", disse.

 

"É um desafio para o governo timorense e vamos esforçar-nos para resolver e responder a este desafio. Mas temos falta de recursos humanos e também de financiamento, o que dificulta a nossa intervenção nestas áreas. Não podemos responder a tudo ao mesmo tempo", afirmou. Timor-Leste ratificou em 2006 a Convenção das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (UNFCCC) tendo aderido também à segunda fase do Protocolo de Quioto.

 

Nos últimos anos, Timor-Leste tem realizado várias iniciativas neste quadro, incluindo pequenos projetos de infraestruturas agrícolas, a reabilitação de mangais, projetos de limpeza de água e várias campanhas de informação e educação sobre temas ambientais.

 

A COP21, que decorrerá entre 30 de novembro e 11 de dezembro, vai reunir em Paris pelo menos 147 chefes de Estado e de Governo, entre os representantes de 195 países, que tentarão alcançar um acordo vinculativo sobre redução de emissões de gases com efeito de estufa que permita limitar o aquecimento da temperatura média global da atmosfera a dois graus centígrados acima dos valores registados antes da revolução industrial.

 

com Lusa

horadoplaneta às 13:55 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 25.11.15

Allianz ko’a euros milloens 4.000 ba investimentu hosi empreza ne’ebé uza karvaun


Allianz SE, jestór ativu ida ne’ebé mos bot iha mundu, horisehik fó sai katak sei hamenus investimentu ba empreza hirak ne’ebé uza karvaun, ka atu aumenta ba sira ne’ebé fó liu atensaun ba hirak ne’ebé uza eólika, iha fulan neen oin mai.


Tuir esplikasaun hosi CEO empreza, Oliver Baete, Allianz sei lainveste ba iha empreza ne’ebé faan karvaun liu 30% – ka bainhira karvaun maka rezulta 30% hosi eletrisidade konsumida.

 

Iha 2014, Allianz jere ona billoens €1,8 hosi fundu Reinu Unidu, Alemaña, Fransa, Itália,  Inglaterra nomós rejiaun  Ázia-Pasífika. Notísia ne’e fó sai molok hala’o 21ª Simeira Klima, ne’ebé hala’o ona semana kotuk iha Paris, Fransa.

 

Iha loron ne’ebá, Allianz sei fó klean ninia planu atu lainveste ba iha empreza hirak ne’ebé ho ligasaun ba karvaun – direta ka indireta – maibé espesialista sira konklui ona katak desizaun ne’e sei afeta investimentu ba orden milloens €4.000.

 

Andreas Gruber, xefe investimentu Alliaz, dehan ba TV ZDF katak desizaun ne’e hanesan preokupasaun bot ba laterasaun klimátika, maibé mos ba iha kestaun finanseira.

 

“Ami hakarak haruka sinál ida baa mi-ninia indústria no merkadu kapitál”, esplika Gruber, sita hosi Guardian.

Foto: Alan L / Creative Commons

horadoplaneta às 03:04 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Allianz corta €4.000 milhões em investimentos em empresas que usam carvão

 

A Allianz SE, uma das maiores gestoras de activos do mundo, anunciou hoje que vai reduzir os investimentos em empresas que utilizam carvão e, em sentido contrário, aumentar o financiamento nas que estão focadas nas energias eólicas, nos próximos seis meses.

 

Segundo explicou o CEO da empresa, Oliver Baete, a Allianz deixará de investir em empresa que tenham mais de 30% das vendas associadas ao carvão – ou se o carvão gerar mais de 30% da electricidade consumida.

 

Em 2014, a Allianz geriu €1,8 biliões de fundos do Reino Unido, Alemanha, França, Itália, Inglaterra e região Ásio-Pacífica. A notícia surge antes da 21ª Cimeira do Clima, que se realiza a partir da semana passada em Paris, França.

 

Nessa data, a Allianz irá detalhar o seu plano para desinvestir das empresas ligadas ao carvão – directa ou indirectamente – mas os especialistas já calcularam que esta decisão vai afectar investimentos na ordem dos €4.000 milhões.

 

Andreas Gruber, chefe do investimento da Alliaz, disse à cadeia televisiva ZDF que a decisão tinha como pano de fundo a preocupação com as alterações climáticas mas também fazia sentido em termos financeiro.

 

“Queremos mandar um sinal para a nossa indústria e o mercado de capitais”, explicou Gruber, citado pelo Guardian.

 

Foto: Alan L / Creative Commons

horadoplaneta às 03:00 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 24.11.15

El Niño maka kria bailoro naruk to’o fulan abril iha Timor-Leste - ministru

Iha tinan ida ne’e udan-been sei tuun tarde iha Timor-Leste, tanba fenómenu El Niño maka bailoro sei prolonga to’o fulan abril, dehan ministru Agrikultura no Peska, Estanislau da Silva, ba Lusa.


Foto hosi Miguel António Gomes fó ba SAPO Timor-Leste

 

Situasaun ne’e sei fó impaktu ba alimentár populasaun, liu-liu iha zona kosteira norte, tanba to’o oras ne’e udan ladauk tuun iha parte refere.

"Karik ami konsege hetan udan-been utioan, ne’e di’ak. Maibé difisil baa mi atu ida ne’e akontese”, tenik Estanislau da Silva ba Lusa.

 

"Ami ninia preokupasaun maka bainhira udan kuandu mai, ema hahú kuda rai, maibé depois udan-been maran. Maka ida ne’e sei fó impaktu ba produsaun", dehan ministru.

 

Tanba ne’e maka Governu hahú kria planu kontinjénsia liu hosi sosa no fahe semente nomós alimentu, inklui fó apoia ba agrikultór sira.

 

Fenómentu El Niño hanesan alterasaun entre fulan 12 to’o 18 ba iha distribuisaun temperature hosi superfísie tasi-been Pasífika nian ne’ebé sai nu’udar efeitu ba meteorolojia rejiaun refere.

 

Espesialista sira haktuir katak fenómenu ba tinan ne’e – ida hosi tolu ne’ebé iha – hahú ona iha fulan maiu, ho intensidade “ladun no maka’as maski nune’e sei bele prolonga to’o inísiu tinan 2016”.

 

Iha juñu, rejiaun sentrál no leste Pasífika akontese ho anomalia hosi temperatura ne’ebé atu hanesan ho El Niño maka’as ida no fulan ida ne’e, temperatura ba iha rejiaun sentrál aumenta maka’as liu tan, ba eventu bot 1997-98.

 

Tuir Organizasaun Meteorolójika Mundiál, ida ne’e hanesan eventu bot ida mos hosi tipu ne’ebé hala’o ona iha  1997-1998 no 1982-1983.

 

 

Foto hosi Miguel António Gomes fó ba SAPO Timor-Leste

 

"Haktuir katak populasaun ne’ebé hela iha zona kosteira, liu-liu kosta norte, sei hetan afeta maka’as. Iha parte rai-klaran, tanba klima altitude, sei ladun hetan afeta, maski udan-been ladun barak", dehan Estanislau da Silva.

 

Hatutan tan katak, situasaun hosi udan-been ne’ebé ladun barak, rai-rahun nomós poluisaun bele mos afeta populasaun hirak ne’ebé ho moras respisratória.

 

Governante ne’e haktuir hikas katak ho efeitu síkliku hosi El Niño, hahú sente mos impaktu hosi alterasaun klimátika.

 

"El Niño hanesan siklu foun ida ne’ebé kria alterasaun klimátika ho durasaun kleur. Mudansa ida ne’ebé ladauk hetan preparasaun di’ak hosi ami-ninia populasaun sira”, nia dehan.

 

Estanislau da Silva ko’alia lia hirak ne’e ba ajénsia Lusa durante semináriu ne’ebé hala’o iha Dili, ho tema “Dezafiu Globál, Resposta Rejionál no Nasionál ba Inseguransa Aliment’ar nomós Nutrisionál”, ne’ebé koinside ho reuniaun estraordinária dahuluk hosi Konsellu Seguransa Alimentár no Nutrisionál hosi espasu uzófonu (CONSAN-CPLP).

 

Objetivu hosi reuniaun ne’ebé sei hala’o to’o 26-novembru, maka sei atu debate kona-ba planu serbisu hamutuk hodi kombate hamlaha no desnutrisaun iha Komunidade Nasaun Lian Portugés (CPLP).

 

Estudu ida ne’ebé fó sai iha tinan ne’e hosi Seeds of Life (SoL), programa ida hosi Ministériu Agrikultura no Peska, no finansia hosi apoiu ne’eb’e Austrália fó, haktuir katak klima sei bele fó impaktu maka’as ba seguransa ai-haan iha Timor-Leste.

 

Estudu ne’e fó sai katak família 9,2% ne’ebé mukit, liu-liu hirak ne’ebé hela iha área rurál, tenke haan ai-farina, talas, fehuk, hafoin tama ba fulan agostu, bainhira “'stocks” ne’eb’e sira kuda, hotu ona.

 

Konsumu ne’e aumenta barak liu iha tinan défisi agríkola nian, bainhira alimentasaun selvajen ka Silvestre hahú utiliza molok fulan rua no metade hosi família ne’ebé ki’ak.

 

"Bazeia ba tinan normál, 'stock' hosi ai-haan nian termina iha fulan agostu no família9,2% de;it maka han ai-farina, fehuk, talas. Tanba ne’e maka iha tinan défisi alimentár hahú mosu problema nutrisaun ladi’ak,  'stocks' hosi batar (graun) hotu iha fulan rua nia laran, lahanesan baibain, tanba ne’e maka metade hosi família sira tenke haan ona ai-farina, fehuk, talas hosi kedas fulan maiu", tuir estudu fó sai.

 

SAPO TL ho Lusa

 

horadoplaneta às 06:25 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Seca em Timor-Leste devido ao El Niño pode prolongar-se até abril - ministro

A chegada da temporada das chuvas em Timor-Leste deverá atrasar-se este ano, com o fenómeno El Niño a fazer prolongar o período de seca até abril, disse à Lusa o ministro da Agricultura e Pescas, Estanislau da Silva.


Fotos gentilmente cedidas por Miguel António Gomes ao SAPO Timor-Leste

 

Uma situação que terá impacto na segurança alimentar das populações, especialmente das zonas costeiras do norte do país, onde as chuvas ainda não começaram.

 

"Se atingirmos metade da chuva já é bom. Mas dificilmente vamos conseguir", disse à Lusa Estanislau da Silva.

"A nossa maior preocupação é que as chuvas chegam, as pessoas plantam mas depois as chuvas param. A produção vai ficar seriamente afetada", afirmou o ministro.

 

Uma situação que levou o Governo a preparar planos de contingência que passam pela compra e distribuição de sementes e alimentos e por apoio aos agricultores.

 

Os fenómenos El Niño são alterações de entre 12 e 18 meses na distribuição da temperatura da superfície da água do oceano Pacífico que têm efeitos na meteorologia da região.

 

Especialistas referem que o fenómeno deste ano - um dos três maiores já registados - começou em maio, com uma intensidade entre "moderada e forte", e deverá prolongar-se até ao início de 2016.

 

Em junho, a região central e leste do Pacífico registou anomalias de temperatura equivalentes a um El Niño forte e este mês as temperaturas na região central foram superiores às do grande evento de 1997-98.

 

Segundo a Organização Meteorológica Mundial, este é um dos três maiores eventos do tipo jamais registado, a par dos de 1997-1998 e 1982-1983.

 

 

Fotos gentilmente cedidas por Miguel António Gomes ao SAPO Timor-Leste

 

"Diria que as populações que vivem nas zonas costeiras, especialmente na costa norte, vão ser seriamente afetadas. No interior, por causa do clima de altitude, vão ser menos afetadas, apesar das chuvas serem menores", disse Estanislau da Silva.

A par disso, referiu ainda, a pouca chuva, o pó e a poluição acabam por afetar também os setores da população com maiores problemas respiratórios.

 

O governante recordou que a par dos efeitos cíclicos do El Niño, já se começa a sentir também o impacto das alterações climáticas.

 

"O El Niño é um ciclo mas recentemente agravou-se mais pelas alterações climáticas que tornaram esse ciclo mais prolongado. Uma das mudanças para as quais as nossas populações não estão devidamente preparadas", disse.

 

Estanislau da Silva falava à agência Lusa à margem de um seminário em Díli com o tema "Desafios Globais, Respostas Regionais e Nacionais à Insegurança Alimentar e Nutricional", que coincide com a primeira reunião extraordinária do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional do espaço lusófono (CONSAN-CPLP).

 

O objetivo da reunião, que se prolonga até 26 de novembro, é debater um plano de trabalho conjunto para a erradicação da fome e da desnutrição na Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP).

 

Um estudo divulgado este ano pelo Seeds of Life (SoL), um programa do Ministério de Agricultura e Pescas timorense, financiado com apoio australiano, conclui que o clima pode ter um impacto significativo na segurança alimentar em Timor-Leste.

 

O estudo indica que cerca de 9,2% das famílias timorenses mais vulneráveis, especialmente nas zonas rurais, são obrigadas a recorrer a comida silvestre depois de agosto quando, normalmente, terminam os 'stocks' de cultivo.

 

Esse consumo é ainda mais elevado em anos de défice agrícola, quando a alimentação selvagem ou silvestre começa a ser utilizada dois meses antes e por metade dos lares mais pobres.

 

"Num ano normal, o 'stock' alimentar termina em agosto e só 9,2% das famílias consumia comida silvestre. No entanto, em anos de défice alimentar com problemas de má nutrição, os 'stocks' de grão terminam normalmente dois meses antes do normal e metade das famílias já têm de recorrer a comida silvestre a partir de maio", revela o estudo.

 

@Lusa

horadoplaneta às 06:21 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

pesquisar

 

Novembro 2015

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
14
15
16
17
18
19
21
22
23
26
28
29

posts recentes

arquivos

tags

subscrever feeds

blogs SAPO