Terça-feira, 24.11.15

El Niño maka kria bailoro naruk to’o fulan abril iha Timor-Leste - ministru

Iha tinan ida ne’e udan-been sei tuun tarde iha Timor-Leste, tanba fenómenu El Niño maka bailoro sei prolonga to’o fulan abril, dehan ministru Agrikultura no Peska, Estanislau da Silva, ba Lusa.


Foto hosi Miguel António Gomes fó ba SAPO Timor-Leste

 

Situasaun ne’e sei fó impaktu ba alimentár populasaun, liu-liu iha zona kosteira norte, tanba to’o oras ne’e udan ladauk tuun iha parte refere.

"Karik ami konsege hetan udan-been utioan, ne’e di’ak. Maibé difisil baa mi atu ida ne’e akontese”, tenik Estanislau da Silva ba Lusa.

 

"Ami ninia preokupasaun maka bainhira udan kuandu mai, ema hahú kuda rai, maibé depois udan-been maran. Maka ida ne’e sei fó impaktu ba produsaun", dehan ministru.

 

Tanba ne’e maka Governu hahú kria planu kontinjénsia liu hosi sosa no fahe semente nomós alimentu, inklui fó apoia ba agrikultór sira.

 

Fenómentu El Niño hanesan alterasaun entre fulan 12 to’o 18 ba iha distribuisaun temperature hosi superfísie tasi-been Pasífika nian ne’ebé sai nu’udar efeitu ba meteorolojia rejiaun refere.

 

Espesialista sira haktuir katak fenómenu ba tinan ne’e – ida hosi tolu ne’ebé iha – hahú ona iha fulan maiu, ho intensidade “ladun no maka’as maski nune’e sei bele prolonga to’o inísiu tinan 2016”.

 

Iha juñu, rejiaun sentrál no leste Pasífika akontese ho anomalia hosi temperatura ne’ebé atu hanesan ho El Niño maka’as ida no fulan ida ne’e, temperatura ba iha rejiaun sentrál aumenta maka’as liu tan, ba eventu bot 1997-98.

 

Tuir Organizasaun Meteorolójika Mundiál, ida ne’e hanesan eventu bot ida mos hosi tipu ne’ebé hala’o ona iha  1997-1998 no 1982-1983.

 

 

Foto hosi Miguel António Gomes fó ba SAPO Timor-Leste

 

"Haktuir katak populasaun ne’ebé hela iha zona kosteira, liu-liu kosta norte, sei hetan afeta maka’as. Iha parte rai-klaran, tanba klima altitude, sei ladun hetan afeta, maski udan-been ladun barak", dehan Estanislau da Silva.

 

Hatutan tan katak, situasaun hosi udan-been ne’ebé ladun barak, rai-rahun nomós poluisaun bele mos afeta populasaun hirak ne’ebé ho moras respisratória.

 

Governante ne’e haktuir hikas katak ho efeitu síkliku hosi El Niño, hahú sente mos impaktu hosi alterasaun klimátika.

 

"El Niño hanesan siklu foun ida ne’ebé kria alterasaun klimátika ho durasaun kleur. Mudansa ida ne’ebé ladauk hetan preparasaun di’ak hosi ami-ninia populasaun sira”, nia dehan.

 

Estanislau da Silva ko’alia lia hirak ne’e ba ajénsia Lusa durante semináriu ne’ebé hala’o iha Dili, ho tema “Dezafiu Globál, Resposta Rejionál no Nasionál ba Inseguransa Aliment’ar nomós Nutrisionál”, ne’ebé koinside ho reuniaun estraordinária dahuluk hosi Konsellu Seguransa Alimentár no Nutrisionál hosi espasu uzófonu (CONSAN-CPLP).

 

Objetivu hosi reuniaun ne’ebé sei hala’o to’o 26-novembru, maka sei atu debate kona-ba planu serbisu hamutuk hodi kombate hamlaha no desnutrisaun iha Komunidade Nasaun Lian Portugés (CPLP).

 

Estudu ida ne’ebé fó sai iha tinan ne’e hosi Seeds of Life (SoL), programa ida hosi Ministériu Agrikultura no Peska, no finansia hosi apoiu ne’eb’e Austrália fó, haktuir katak klima sei bele fó impaktu maka’as ba seguransa ai-haan iha Timor-Leste.

 

Estudu ne’e fó sai katak família 9,2% ne’ebé mukit, liu-liu hirak ne’ebé hela iha área rurál, tenke haan ai-farina, talas, fehuk, hafoin tama ba fulan agostu, bainhira “'stocks” ne’eb’e sira kuda, hotu ona.

 

Konsumu ne’e aumenta barak liu iha tinan défisi agríkola nian, bainhira alimentasaun selvajen ka Silvestre hahú utiliza molok fulan rua no metade hosi família ne’ebé ki’ak.

 

"Bazeia ba tinan normál, 'stock' hosi ai-haan nian termina iha fulan agostu no família9,2% de;it maka han ai-farina, fehuk, talas. Tanba ne’e maka iha tinan défisi alimentár hahú mosu problema nutrisaun ladi’ak,  'stocks' hosi batar (graun) hotu iha fulan rua nia laran, lahanesan baibain, tanba ne’e maka metade hosi família sira tenke haan ona ai-farina, fehuk, talas hosi kedas fulan maiu", tuir estudu fó sai.

 

SAPO TL ho Lusa

 

horadoplaneta às 06:25 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Seca em Timor-Leste devido ao El Niño pode prolongar-se até abril - ministro

A chegada da temporada das chuvas em Timor-Leste deverá atrasar-se este ano, com o fenómeno El Niño a fazer prolongar o período de seca até abril, disse à Lusa o ministro da Agricultura e Pescas, Estanislau da Silva.


Fotos gentilmente cedidas por Miguel António Gomes ao SAPO Timor-Leste

 

Uma situação que terá impacto na segurança alimentar das populações, especialmente das zonas costeiras do norte do país, onde as chuvas ainda não começaram.

 

"Se atingirmos metade da chuva já é bom. Mas dificilmente vamos conseguir", disse à Lusa Estanislau da Silva.

"A nossa maior preocupação é que as chuvas chegam, as pessoas plantam mas depois as chuvas param. A produção vai ficar seriamente afetada", afirmou o ministro.

 

Uma situação que levou o Governo a preparar planos de contingência que passam pela compra e distribuição de sementes e alimentos e por apoio aos agricultores.

 

Os fenómenos El Niño são alterações de entre 12 e 18 meses na distribuição da temperatura da superfície da água do oceano Pacífico que têm efeitos na meteorologia da região.

 

Especialistas referem que o fenómeno deste ano - um dos três maiores já registados - começou em maio, com uma intensidade entre "moderada e forte", e deverá prolongar-se até ao início de 2016.

 

Em junho, a região central e leste do Pacífico registou anomalias de temperatura equivalentes a um El Niño forte e este mês as temperaturas na região central foram superiores às do grande evento de 1997-98.

 

Segundo a Organização Meteorológica Mundial, este é um dos três maiores eventos do tipo jamais registado, a par dos de 1997-1998 e 1982-1983.

 

 

Fotos gentilmente cedidas por Miguel António Gomes ao SAPO Timor-Leste

 

"Diria que as populações que vivem nas zonas costeiras, especialmente na costa norte, vão ser seriamente afetadas. No interior, por causa do clima de altitude, vão ser menos afetadas, apesar das chuvas serem menores", disse Estanislau da Silva.

A par disso, referiu ainda, a pouca chuva, o pó e a poluição acabam por afetar também os setores da população com maiores problemas respiratórios.

 

O governante recordou que a par dos efeitos cíclicos do El Niño, já se começa a sentir também o impacto das alterações climáticas.

 

"O El Niño é um ciclo mas recentemente agravou-se mais pelas alterações climáticas que tornaram esse ciclo mais prolongado. Uma das mudanças para as quais as nossas populações não estão devidamente preparadas", disse.

 

Estanislau da Silva falava à agência Lusa à margem de um seminário em Díli com o tema "Desafios Globais, Respostas Regionais e Nacionais à Insegurança Alimentar e Nutricional", que coincide com a primeira reunião extraordinária do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional do espaço lusófono (CONSAN-CPLP).

 

O objetivo da reunião, que se prolonga até 26 de novembro, é debater um plano de trabalho conjunto para a erradicação da fome e da desnutrição na Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP).

 

Um estudo divulgado este ano pelo Seeds of Life (SoL), um programa do Ministério de Agricultura e Pescas timorense, financiado com apoio australiano, conclui que o clima pode ter um impacto significativo na segurança alimentar em Timor-Leste.

 

O estudo indica que cerca de 9,2% das famílias timorenses mais vulneráveis, especialmente nas zonas rurais, são obrigadas a recorrer a comida silvestre depois de agosto quando, normalmente, terminam os 'stocks' de cultivo.

 

Esse consumo é ainda mais elevado em anos de défice agrícola, quando a alimentação selvagem ou silvestre começa a ser utilizada dois meses antes e por metade dos lares mais pobres.

 

"Num ano normal, o 'stock' alimentar termina em agosto e só 9,2% das famílias consumia comida silvestre. No entanto, em anos de défice alimentar com problemas de má nutrição, os 'stocks' de grão terminam normalmente dois meses antes do normal e metade das famílias já têm de recorrer a comida silvestre a partir de maio", revela o estudo.

 

@Lusa

horadoplaneta às 06:21 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Sidadaun CPLP preokupa ho alterasaun, maibé hatete mós hanesan oportunidade

Efeitu hosi alterasaun klimátika hamosu preokupasaun ba sidadaun sira hosi nasaun lia-portugés sira, maibé haree hanesan oportunidade ida hodi aposta iha ekonomia "verde", maski Mosambike haree ida ne’e hanesan ameasa ida, tuir estudu ida mak halo iha estadu 90.


 

Tuir sira barak mak hatán ba inkéritu, atuasaun kontra mudansa hosi klima hanesan responsabilidade globál, polítiku, sosiedade no sidadaun ida-idak nian.

 

Portugál, Brazil, Mosambike no Kabuverde halo parte iha nasaun 90 mak abranje hosi konsulta públika kona-ba enerjia no klima ne’ebé realize iha fulan-juñu, ho partisipante 100 iha kada estadu.

 

Opinisaun sira ne’ebé mak rekolle sei tranzmite ba responsável polítiku sira ne’ebé sei marka prezensa iha konferénsia Nasoins Unidas nian kona-ba alterasaun klimátika, ne’ebé sei hala’o iha Paris, hahú hosi loron 30 novembru.

 

Nasaun sira ne’e "hatudu preokupasaun boot tebes ho alterasaun klimátika, ho 80% preokupa tebes, no Portugál ho enfaze ki’ik", tuir tendénsia mundiál, hatete horisehik investigadora Luísa Schmidt ba agénsia Lusa.

 

Preokupasaun ho impaktu hosi alterasaun klimátika maka’as liu iha Kabuverde (92% hosi sira ne’ebé hatán ba inkéritu sira), 83%  iha Mosambike no Brazil 75%.

 

Iha Portugál, liu uitoan hosi metade (57%), sidadaun sira preokupa tebes, maibé 42% preokupa de’it.

 

Sosióloga hosi Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, entidade responsável ba servisu iha Portugál, analiza dadus sira mak hetan no konklui katak " jeneraliza ideia, maski iha Mosambike la’e, entre ema mak alterasaun klimátika sai hanesan oportunidade ba mudansa hodi iha ekonomia verde liu tan, ho enerjia ne’ebé moos, ho efisiénsia, transporte públiku".

 

Mosambike konsidera katak dala barak alterasaun klimátika "bele sai hanesan ameasa ida no ida ne’e iha relasaun ho bee-sa’e no eventu estremu ne’ebé akontese beibeik" iha nasaun ne’e, nia hatutan.

 

Tuir 87% hosi brazileiru sira, dalan hodi kombate alterasaun klimátika hanesan oportunidade hodi hadi’a kualidade moris, maibé entre mosambikanu 37% hatete katak ne’e hanesan ameasa ida.

 

Iha Portugál, ema 81% hatete hanesan oportunidade, persentajen ne’ebé iha Kabuverde ho 72%.

 

Tuir Luísa Schmidt, "di’ak tebes verifika sidadaun hotu, hosi nasaun ne’ebé de’it, entre sira ne’ebé hosi CPLP [Comunidade de Países de Língua Portuguesa] ne’ebé tama iha konsulta públika, konsidera katak tenke iha responsabilidade globál, hosi desizór polítiku sira, hosi sosiedade sivíl no sidadaun sira" iha kestaun klima nian.

 

Brazil no Portugál, ba ema 71% no 72% hatete responsabilidade ne’e tenke globál, respetivamente, iha Mosambike 68% no Kabuverde 64%, no opiniaun mundiál hamutuk 70%.

 

Tuir sira ne’ebé hatán ba inkéritu sira presaun esterna iha papél desizivu. Tuir investigadora, dadus ne’e indika katak sidadaun sira konsidera importante atu "Nasoins Unidas fó presaun ba nasaun sira hodi buka dalan liuhosi akordu ne’ebé sira bele hetan".

 

Luísa Schmidt aponta mós destake ba investigasaun no dezenvolvimentu teknolójiku, hanesan ferramenta importante hodi kombate mudansa hosi klima, no kapasitasaun, no tranzmite katak "presiza investe liu" iha siénsia koñesimentu no iha nia transmisaun.

 

Hodi redús emisaun hosi gás ho efeitu hosi estufa, responsável principal sira ba alterasaun klimátika, sidadaun sira hili subsídiu ba fonte enerjia ho karbonu ki’ik no apoiu ba dezenvolvimentu teknolojia ho karbonu ki’ik.

 

Iha konkordánsia entre sidadaun sira hosi nasaun hirak ne’e kona-ba instrumentu sira ne’ebé adekua hodi redús emisaun, ho 74% to’o 80% defende edukasaun públiku, no protesaun ba florestál tropikál aprezenta 53% iha Brazil, 50% iha Kabuverde, 54% iha Mosambike no 33% iha Portugál.

 

SAPO TL ho Lusa

 

 

horadoplaneta às 01:03 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Cidadãos CPLP muito preocupados com alterações, mas dizem também ser oportunidade

Os efeitos das alterações climáticas preocupam os cidadãos de países de língua portuguesa, mas são encaradas como uma oportunidade para apostar na economia "verde", embora Moçambique os veja como uma ameaça, segundo um estudo feito em 90 estados.


 

Para a maior parte dos inquiridos, na atuação contra as mudanças do clima a responsabilização deve ser global, de políticos, da sociedade e de cada um dos cidadãos.

 

Portugal, Brasil, Moçambique e Cabo Verde fizeram parte dos 90 países abrangidos por uma consulta pública sobre energia e clima, realizada em junho, com 100 participantes em cada estado.

 

As opiniões recolhidas serão transmitidas aos responsáveis políticos que vão estar na conferência das Nações Unidas sobre alterações climáticas, marcada para Paris, a partir de 30 de novembro.

 

Aqueles países "demonstraram uma preocupação muito elevada com as alterações climáticas, com 80% muito preocupados, e Portugal com um enfase um pouco menor", seguindo uma tendência mundial, disse ontem à agência Lusa a investigadora Luísa Schmidt.

 

A preocupação com os impactos das alterações climáticas é mais acentuada em Cabo Verde (92% dos inquiridos), enquanto em Moçambique é de 83% e no Brasil 75%.

 

Em Portugal, são pouco mais de metade (57%) os cidadãos muito preocupados, mas 42% estão somente preocupados.

 

A socióloga do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, entidade responsável pelo trabalho em Portugal, analisou os dados obtidos e concluiu que "a ideia generalizada, embora menos em Moçambique, entre as pessoas é que as alterações climáticas são uma oportunidade de mudança para uma economia mais verde, com as energias limpas, com eficiência, com transportes públicos".

 

Moçambique considera com maior frequência que as alterações climáticas "podem ser uma ameaça e isto tem a ver com as cheias e eventos extremos que têm sido mais visíveis" neste país, acrescentou.

 

Para 87% dos brasileiros, as medidas para combater as alterações climáticas são uma oportunidade para melhorar a qualidade de vida, mas entre os moçambicanos 37% dizem que representam uma ameaça.

 

Em Portugal, para 81% são uma oportunidade, percentagem que em Cabo Verde é de 72%.

 

Para Luísa Schmidt, "é interessante verificar que todos os cidadãos, seja de que país for, entre estes da CPLP [Comunidade de Países de Língua Portuguesa] que entraram na consulta pública, consideram que deve haver uma responsabilização que é global, dos decisores políticos, da sociedade civil e dos cidadãos" nas questões do clima.

 

Brasil e Portugal a responsabilidade deve ser global para 71% e 72%, respetivamente, em Moçambique 68% e Cabo Verde 64%, enquanto a opinião mundial ronda os 70%.

 

A pressão externa tem um papel decisivo, referem os inquiridos. Para a investigadora, este dado indica que os cidadãos consideram importante "as Nações Unidas pressionarem os países para tomarem uma série de medidas através dos acordos que se conseguirem".

 

Luísa Schmidt apontou ainda o destaque dado à investigação e ao desenvolvimento tecnológico, como ferramentas importantes no combate às mudanças do clima, e à capacitação, transmitindo que "é preciso investir mais" na ciência e no conhecimento e na sua transmissão.

 

Para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa, principais responsáveis pelas alterações climáticas, os cidadãos preferem os subsídios às fontes de energia de baixo carbono e o apoio ao desenvolvimento de tecnologias de baixo carbono.

 

Há concordância entre os cidadãos destes países acerca dos instrumentos mais adequados para reduzir emissões, com 74% a 80% a defender a educação do público, enquanto a proteção das florestais tropicais apresenta 53% no Brasil, 50% em Cabo Verde, 54% em Moçambique e 33% em Portugal.

 

@Lusa

horadoplaneta às 00:58 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

pesquisar

 

Novembro 2015

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
14
15
16
17
18
19
21
22
23
26
28
29

posts recentes

arquivos

tags

subscrever feeds

blogs SAPO