Terça-feira, 31.05.16

Oseanu sira atraza akesimentu bee sira iha Antártida

Korente oseániku sira ne'ebé malirin no klean hosi Atlántiku Norte neutraliza daudaun efeitu sira hosi akesimentu global iha iha Antártida no atraza aumentu nível bee sira nian, tuir estudu ida ne'ebé fó sai iha loron-segunda. 


EPA@ NASA Handout Editorial Use Only

 

Izolamentu jeladu hosi kontinente jelu ne'e - nakonu ho kamada jelu to'o nia mahar kilómetru haat - bele dura sékulu barak, hatete hosi dokumentu ne'ebé publika iha revista Nature Geoscience.

 

Hanesan notísia di'ak sira ba ema millaun atus resin ne'ebé hela iha rejiaun sira iha globu nia okos ne'ebé ameasadu tanba aumentu previstu ba metru ida hosi nível tasi been nian to'o iha sékulu ne'e nia rohan, haktuir hosi relatóriu ikus hosi Painel espesialista sira iha siénsia klima nian hosi ONU.

 

Estudu foun sira sujere katak liña oseániku bele aumenta liu, dudu hosi bee ba superfísie, ne'ebé aumenta bainhira sai manas, hamutuk ho eskoamentu hosi jelu ne'ebé nabeen hosi glasiar sira no lensol freátiku jeladu boot rua.

 

Ida maka taka metin Gronelándia no ida seluk situa iha Antártida osidental, pedasuk ida hosi kontinente ne'ebé aumenta manas duké sira seluk.

 

Bainhira Antártida oriental nabeen ho velosidade hanesan, impaktu iha povoamentu humanu iha liña sira kosta nian iha mundu tomak sei sai aat duni.

 

Sientista sira hatene kleur ona katak alterasaun klimátiku sira afeta daudaun oseanu Antártiku neineik tebes iha tinan 50 ikus ne'e duké oseanu sira seluk iha mundu.

 

No ema hotu hatene tanba sá: tanba extensaun hosi kamada jelu hosi kontinente no hosi jelu iha tasi ne'ebé haleu, hamutuk ho ani no korente oseániku sira ne'ebé haleu kontinente hanesan zona tampaun ida.

 

Maibé estudu foun atribui papel importante ba dalan ida hosi korente oseániku klean ne'ebé lori bee jeladu - besik Celcius grau ida - hosi rejiaun Ártiku nian.

 

"Fonte prinsipál hosi akesimentu ne'ebé to'o tarde hosi oseanu Antártiku maka sirkulasaun klean hosi oseanu", hakerek hosi autór prinsipal estudu nian, Kyle Armour, investigadór iha Universidade Washington iha Seattle, ho nia kolega sira iha Nature Geoscience.

 

Korente klean sira ne'e la book aan lalais - bee ne'ebé ohin loron haleu Antártida hahú nia viajen transatlántiku norte-súl antes hosi Era Industrial -, maibé nia impaktu dura kleur tebes, subliña iha testu ne'e.

 

Iha de'it "eskala temporal ida hosi sékulu oioin" maka gás sira ho efeitu estufa ne'ebé hamosu daudaun rai-maran, tempestade violentu sira no kondisaun meteorolójiku ne'ebé laloos iha planeta iha impaktu maka'as iha oseanu Antártiku, hakotu hosi investigadór sira.

 

Maibé, "notísia di'ak sira" hanesan sai menus tanba akesimentu oituan ne'ebé bele hamosu estraga sira - no la'ós de'it iha Antártida osidental.

 

Glasiar ida ho tamañu Fransa nian iha Antártida oriental nia leten nabeen lalais no bele aumenta oseanu sira ba metru rua iha sékulu badak, aponta hosi estudu ida seluk iha semana liubá.

 

Glaciar Totten - barak liu sei iha okos - sofre daudaun erozaun hosi okos, tanba tasi been ne'ebé iha interior kilómetru atus resin halo aumenta porsaun ba kontaktu ho tasi been no hamenus ida ne'ebé iha fatuk.

 

ho Lusa

horadoplaneta às 15:30 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Oceanos retardam aquecimento de águas da Antártida

As profundas e frias correntes oceânicas do Atlântico Norte estão a neutralizar os efeitos do aquecimento global na Antártida e a retardar a subida do nível das águas, de acordo com um estudo divulgado na segunda-feira. 

 

EPA@ NASA Handout Editorial Use Only

 

Este isolamento gelado do continente de neve – coberto por uma camada de gelo de até quatro quilómetros de espessura – poderá durar séculos, sustenta o documento publicado na revista Nature Geoscience.

 

São boas notícias para centenas de milhões de pessoas que habitam em regiões baixas do globo, ameaçadas pelo aumento previsto de um metro do nível médio das águas dos mares até ao fim deste século, segundo o último relatório do Painel de especialistas em ciências do clima da ONU.

 

Estudos mais recentes sugerem que a linha oceânica pode subir ainda mais, empurrada pela água à superfície, que se expande à medida que aquece, juntamente com o escoamento do gelo derretido de glaciares e dois enormes lençóis freáticos gelados.

 

Um deles cobre a Gronelândia e o outro situa-se na Antártida ocidental, um pedaço do continente que está a aquecer mais rapidamente que o resto.

 

Se a Antártida oriental estivesse a derreter à mesma velocidade, o impacto no povoamento humano ao longo das linhas de costa de todo o mundo seria verdadeiramente catastrófico.

 

Os cientistas sabem há muito que as alterações climáticas estão a afetar o oceano Antártico muito mais lentamente no último meio século que os oceanos do resto do mundo.

 

E também sabem porquê: por causa da extensão da camada de gelo do continente e do gelo do mar que a rodeia, juntamente com os ventos e as correntes oceânicas que circundam o continente como uma zona tampão.

 

Mas o novo estudo atribui o papel fundamental a um veio de correntes oceânicas profundas que transporta água gelada – a cerca de um grau Celsius – da região do Ártico.

 

“A fonte principal do aquecimento retardado do oceano Antártico é a circulação profunda do oceano”, escreveram na Nature Geoscience o principal autor do estudo, Kyle Armour, investigador na Universidade de Washington, em Seattle, e os seus colegas.

 

Essas correntes profundas não se movem depressa - a água que hoje se encontra à volta da Antártida começou a sua viagem transatlântica norte-sul antes do início da Era Industrial –, mas o seu impacto é duradouro, sublinha-se no texto.

 

Só numa “escala temporal de vários séculos” poderão os gases com efeito de estufa que estão a provocar secas, tempestades violentas e condições meteorológicas erráticas no resto do planeta ter um impacto profundo no oceano Antártico, concluem os investigadores.

 

Estas “boas notícias”, contudo, são atenuadas pelo facto de mesmo um ligeiro aquecimento poder provocar danos – e não apenas na Antártida ocidental.

 

Um glaciar do tamanho de França no topo da Antártida oriental está rapidamente a desfazer-se em água e poderá fazer subir os oceanos cerca de dois metros em poucos séculos, apontou outro estudo divulgado na semana passada.

 

O Glaciar Totten – a maior parte do qual se encontra submersa – está a sofrer erosão por baixo, devido à água do mar que corre centenas de quilómetros para o interior, fazendo aumentar a porção em contacto com a água do mar e diminuir a que está assente em rocha.

 

com Lusa

horadoplaneta às 14:45 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 30.05.16

Pelumenus 35% hosi koral sira Great Barrier Reef iha Austrália besik atu lakon

Pelumenus 35% hosi koral sira iha rejiaun norte no sentru hosi Great Barrier Reef iha Austrália mate daudaun ka besik atu lakon tanba fenómenu hosi brankeamentu ka lakon kór hosi koral sira, fó sai hosi sientista sira iha loron-segunda ne'e. 

 

 

Konkluzaun ne'e hanesan análize aéreu no subakuátiku sira ne'ebé halo iha fulan barak nia laran hafoin rejista tiha brankeamentu iha istória nia laran iha fulan-Marsu ho akesimentu hosi bee sira.

 

Terry Hughes, diretór hosi ARC Centre of Excellence for Coral Reef Studies iha Universidade James Cook, esplika ona katak akesimentu global estraga daudaun fatin sira ne'ebé klasifikadu hanesan Patrimóniu Humanidade nian.

 

"Ami deskobre katak, iha média, 35% hosi koral sira mate daudaun ka mate tiha ona iha resife 84 ne'ebé ami analiza tiha ona iha sesaun sira norte no sentru nian hosi Great Barrier Reef, entre Townsville ho Papua Nova Guiné", nia hatete iha komunikadu.

 

"Ne'e hanesan ba dala tolu iha tinan 18 nia laran maka Great Barrier Reef hatudu brankeamentu maka'as tanba akesimentu global, no situasaun ne'ebé agora ita hasoru hanesan aat liu duké ida ne'ebé ami sukat antes", nia esplika.

 

Presiza pelumenus dékada ida hodi rekupera kobertura sira hosi koral sira, "maibé sei demora tebes hodi rekupera koral boot sira no sira ne'ebé antigu ne'ebé mate tiha ona", indika hosi komunikadu ida hosi universidade tolu.

 

Investigadór sira hosi Universidade James Cook indika tiha ona, iha fulan-Abril, katak 93% hosi área hamutuk kilómetru 2.300 - ekosistema boot liu hosi koral sira iha mundu - afetadu ona hosi fenómenu brankeamentu nian.

 

Lakón kór ne'e akontese iha kondisaun ambiental sira ne'ebé la normal, hanesan aumenta ba bee tasi nian hodi halo koral sira hasai alga fotosintétiku ki'ik sira ne'ebé hasai nia kór.

 

ho Lusa

horadoplaneta às 11:16 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Pelo menos 35% dos corais da Grande Barreira na Austrália estão moribundos

Pelo menos 35% dos corais das regiões norte e centro da Grande Barreira na Austrália estão mortos ou prestes a morrer devido ao fenómeno do branqueamento ou descoloração dos recifes, anunciaram hoje cientistas. 

 

 

A conclusão é fruto de meses de análises aéreas e subaquáticas, após o maior branqueamento registado da história se ter tornado evidente em março, com o aquecimento das águas.

 

Terry Hughes, diretor do ARC Centro de Excelência de Estudos sobre Recife de Coral na Universidade James Cook, explicou que o aquecimento global está a destruir o local classificado como Património da Humanidade.

 

"Descobrimos que, em média, 35% dos corais estão mortos ou a morrer em 84 recifes que analisámos ao longo das secções norte e centro da Grande Barreira de Coral, entre Townsville e Papua Nova Guiné", disse, em comunicado.

 

"Esta é a terceira vez em 18 anos que a Grande Barreira de Coral experienciou branqueamento massivo devido ao aquecimento global, e o que se passa agora é muito mais extremo do que o que medimos anteriormente", explicou.

 

Foi necessário pelo menos uma década para a recuperação da cobertura dos corais, "mas vai demorar muito mais para recuperar os corais maiores e mais antigos que morreram", indica o comunicado conjunto de três universidades.

 

Os investigadores da Universidade James Cook já tinha indicado, em abril, que 93% da área de 2.300 quilómetros -- o maior ecossistema de corais do mundo -- foi afetada pelo fenómeno do branqueamento.

 

Esta descoloração ocorre em condições ambientais anormais, como aumento da temperatura da água do mar, fazendo os corais expelir pequenas algas fotossintéticas, retirando a sua cor.

 

com Lusa

horadoplaneta às 10:45 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 27.05.16

China envia sonda à Lua para recolher amostras

A China vai enviar uma sonda à Lua a fim de recolher e trazer de volta amostras, numa missão agendada para a segunda metade de 2017, anunciou hoje a agência espacial chinesa, citada pelos meios oficiais.


 

A missão, que estará a cargo da sonda Chang'e 5, beneficiará de experiências passadas com outros veículos que efetuaram missões na Lua.

 

A Chang'e 1 realizou um voo orbital em 2007 enquanto em 2013 a China conseguiu fazer aterrar Chang'e-3 na Lua, uma proeza só realizada até então pela Rússia e pelos Estados Unidos da América.

 

A Administração Estatal para a Ciência, Tecnologia e Industria da Defesa Nacional prepara ainda o envio da Chang'e 4, cujo lançamento está previsto para 2018 e será a primeira sonda a aterrar no lado mais afastado da Lua - o "lado oculto".

 

Para a segunda metade deste ano está ainda previsto o lançamento de uma nova missão tripulada ao espaço, a primeira desde 2013.

 

Em 2020, a China prevê enviar para Marte uma sonda com um veículo explorador.

 

@Lusa

horadoplaneta às 09:01 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Xina sei haruka sonda ba Fulan hodi foti amostra

Xina sei haruka sonda ida ba Fulan hodi rekolla no lori amostra, hosi misaun ne’ebé marka ona ba metade daruak tinan 2017 nian, tuir informasaun ne’ebé fó sai hosi ajénsia espasiál xineza ohin, no sita hosi meiu ofisiál.


 

Misaun ne’ebé halo hosi sonda Chang'e 5, sei fó benefísiu ba esperiénsia uluk nian hamutuk ho veíkulu seluk ne’ebé halo mos misaun refere iha Fulan.

 

Chang'e 1 halo ona voo orbitrál iha 2007 no bainhira iha 2003 Xina konsege halo Chang'e-3 tuun iha Fulan, Rúsia ho Estadus Unidus Amérika halo de’it proeza ida.

 

Administrasaun Estatál ba Siénsia, Teknolojia no Industria Defeza Nasionál prepara mos atu haruka Chang'e 4, ne’ebé sei lansa iha 2018 no sei sai hanesan sonda dahuluk maka tuun dok hosi Fulan – “parte ne’ebé ema lahree”.

 

Ba metade daruak tinan ne’e sei lansa mos misaun tripulada ba espasu refere, no dahuluk desde 2013.

 

Iha 2020, Xina sei haruka Marte, sonda ho veíkulu esploradór ida.

 

SAPO TL ho Lusa

horadoplaneta às 08:55 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 25.05.16

Indonézia sunu animál embalsamadu sanulu hodi kombate tráfiku ilegal

Autoridade indonéziu sira sunu ona tigre hosi Sumatra sira, sasán halo ho marfin no sasán sira seluk ne'ebé iha ligasaun ho tráfiku moris selvajen nian, ne'ebé hanesan tentativa ida hodi halakon korajen ba tráfiku animál sira no ba indústria sira ne'ebé halo parte iha tráfiku. 

 

Foto: Hotli Simanjuntak / EPA


Animál ho sasán sira sunu iha Banda Aceh loron ida hafoin konfiska tiha ona hosi responsável sira hosi Ministériu Floresta sira indonéziu nian no hosi Ajénsia Konservasaun Natureza lokal.

 

Imajen sira haleu daudaun mundu no, tuir autoridade indonéziu sira, bele ajuda hodi kombate tráfiku ilegal animal sira nian ne'ebé tinan-tinan iha folin millaun €17.000 iha mundu tomak.

 

Tinan-tinan, tuir haktuir hosi Mail Online, animál millaun 40 mate hodi bele tama iha konta sira hosi indústria kulit nian. Hosi animal 10 ne'ebé sunu iha loron-tersa ne'e iha tigre Sumatra neen - iha de'it tigre Sumatra hamutuk 400 maka moris iha mundu. Maski nune'e, kastigu másimu ba tráfiku ilegal moris selvajen nian, iha Indonézia, to'o de'it tinan lima iha kadeia no multa ida ho folin €9.000.

 

Foin lalais ne'e, Kénia sunu ona marfin hamutuk tonelada 105 hodi halakon insentivu ba trafikante sira animal selvajen nian.

 

Fonte: Green Savers

horadoplaneta às 16:50 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Indonésia queima 10 animais embalsamados para combater tráfico ilegal

As autoridades indonésias queimaram vários tigres-de-Sumatra, objectos em marfim e outros troféus ligados ao tráfico de vida selvagem, naquela que é mais uma tentativa de desencorajar o tráfico de animais e toda a indústria que se move à sua volta.

 

Foto: Hotli Simanjuntak / EPA

 

Os animais e objectos foram queimados em Banda Aceh um dia depois de terem sido confiscados pelos responsáveis pelo Ministério das Florestas indonésio e Agência de Conservação da Natureza local.

 

As imagens estão a correr mundo e, segundo as autoridades indonésias, poderão ajudar no combate ao tráfico ilegal de animais, que vale €17.000 milhões por ano globalmente.

 

Todos os anos, avança o Mail Online, 40 milhões de animais são mortos para entrarem nas contas da indústria da pele. Dos 10 animais queimados na terça-feira, seis eram tigres-de-Sumatra – apenas 400 tigres desta espécie permanecem no mundo. Ainda assim, a pena máxima para o tráfico ilegal de vida selvagem, na Indonésia, são até cinco anos de prisão e uma multa de €9.000.

 

Recorde-se que, recentemente, o Quénia queimou 105 toneladas de marfim para desincentivar os traficantes de animais selvagens.

 

Fonte: Green Savers

horadoplaneta às 16:34 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 22.05.16

Estudante biolojia ida hosi Amarante sai voluntária ba natureza iha Indonézia

Estudante biolojia nian ida, tinan 19, hosi Amarante, sei partisipa iha misaun voluntária hodi prezerva natureza iha Indonézia, organiza hela kampañ ida hodi halibur euro 3.000 hodi finansia inisiativa ne’e.

Foto: Ondasuaves

 

"Ha’u fiar iha solidariedade ema nian hodi konsege hetan totál ne’ebé presiza to’o iha veraun 2017", tenik joven ne’e, iha deklarasaun ba Lusa.

 

Marisa Naia sei promove venda rifa no atividade sira seluk ne’ebé envolve komunidade. Estudante ne’e estima katak sei presiza euro 3.000, orsamentu ne’ebé prevee bele sufisiente hodi finansia espedisaun ne’e (euro 1.880), vou no ekipamentu.

 

"Ha’u hili Indonézia hanesan destinu. Iha ne’ebá ha’u hakarak intervein iha parte florestál no mariña bo ha’u sei halo parte iha grupu investigasaun ida", hatete Marisa Naia, tinan 19, iha deklarasaun ba Lusa.

 

Nia esplika katak tipu espedisaun no projetu investigasaun ne’e finansia hosi estudante sira ne’ebé aseita partisipa hanesan voluntáriu.

Joven ne’e hatete katak Operation Wallacea deskobre ona espésie foun iha mundu tomak no balun konsidera mohu ona, maibé hetan fila fali.

 

Estudante ne’e esplika katak nia misaun durante semana rua, iha veraun 2017, sei ajuda investigadór sira, ne’ebé sei permite atu aprende téknika ne’ebé utiliza no manán koñesimentu kona-ba fauna no flora nasaun ne’e nian.

 

Joven hosi Amarante ne’e frekuenta segundu anu biolojia iha Fakuldade Siénsia, Universidade do Porto no hakarak tuir karreira konservasaun espésie.

 

Tuir futura investigadora ne’e importante liu hosi asaun voluntária ne’e sei halibur koñesimentu kona-ba " buat ne’ebé halo hodi garante planeta ne’ebé di’ak liu ba future jerasaun sira".

 

Marisa deside integra iha programa voluntariadu ne’e, hafoin koñese Operation Wallacea, organizasaun internasionál ne’ebé atua iha fatin oioin iha mundu, iha ne’ebé sira observa fenómenu ne’ebé iha ligasaun ho espésie ne’ebé mohu ona, dezflorestasaun no akesimentu globál.

 

Operation Wallacea halibur investigadór konsagradu no alunu inexperiente sira iha expedisaun relasiona ho konservasaun moris fuik. Servisu ne’e inklui identifikasaun area sira ne’ebé presiza protesaun no implementasaun programa konservasaun.

 

Iha área florestál, Marisa Naia revela katak objetivu prinsipál mak impaktu dezflorestasaun, ne’ebé konsidera hanesan "kazu preokupante iha Indonézia", no monitorizasaun animál.

 

Tuir fali, iha parte mariña, joven ne’e sei frekuenta kursu mergullu ne’ebé sei prepara hodi hahú servisu daruak ho objetivu atu proteje resife korál.

 

"Lokál hirak ne’e hanesan fatin infinidade ba ser úniku sira, liu-liu iha zona ne’e, tanba iha ne’e mak iha maiór biodiversidade korál iha mundu", nia esplika.

 

Marisa Naia promete, iha finál projetu ne’e, sei anunsia rezultadu ne’ebé hetan iha espedisaun ne’e.

 

SAPO TL ho Lusa

horadoplaneta às 04:56 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Estudante de biologia de Amarante faz voluntariado de natureza na Indonésia

Uma estudante de biologia, de 19 anos, de Amarante, vai participar numa missão de voluntariado de preservação da natureza na Indonésia, estando a organizar uma campanha para reunir 3.000 euros para custear a iniciativa.

Foto: Ondasuaves

 

"Acredito na solidariedade das pessoas para conseguir angariar o total necessário até ao verão de 2017", disse a jovem, em declarações à Lusa.

Marisa Naia vai promover a venda de rifas e outras atividades envolvendo a comunidade. A estudante estima precisar de 3.000 euros, verba que prevê ser suficiente para custear a expedição (1.880 euros), o voo e o equipamento.

 

"Escolhi a Indonésia como destino. Lá pretendo intervir na parte florestal e marinha e serei integrada num grupo de investigação", assinalou Marisa Naia, de 19 anos, em declarações à Lusa.

 

Este tipo de expedições e os projetos de investigação são, explicou, financiados pelos estudantes que aceitam participar como voluntários.

A Operation Wallacea, assinalou a jovem, já descobriu espécies novas por todo o mundo e algumas que tinham sido dadas como extintas, mas foram redescobertas.

 

Segundo explicou a estudante, a sua missão, durante duas semanas, no verão de 2017, será auxiliar os investigadores, o que permitirá aprender as técnicas utilizadas e adquirir conhecimentos sobre a fauna e a flora do país.

 

A jovem de Amarante frequenta o segundo ano de biologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto e pretende seguir carreira em conservação de espécies.

 

Para a futura investigadora, o mais importante desta ação de voluntariado será reunir conhecimentos sobre "o que fazer para garantir um melhor planeta para as futuras gerações".

 

Marisa decidiu integrar o programa de voluntariado, depois de conhecer a Operation Wallacea, organização internacional que atua em vários sítios do mundo, onde se observam fenómenos ligados à extinção de espécies, desflorestação e aquecimento global.

 

A Operation Wallacea reúne investigadores consagrados e alunos inexperientes em expedições relacionadas com a conservação da vida selvagem. O trabalho inclui a identificação das áreas que necessitam de proteção e a implementação de programas de conservação.

 

Na área florestal, revelou Marisa Naia, o objetivo principal será o impacto da desflorestação, que considera ser "um caso alarmante na Indonésia", e a monitorização dos animais.

 

Posteriormente, na parte marinha, a jovem frequentará um curso de mergulho que a vai preparar para iniciar um segundo trabalho que tem como objetivo a proteção dos recifes de coral.

 

"Estes locais albergam uma infinidade de seres únicos, principalmente nesta zona, pois é onde se encontra a maior biodiversidade de corais do mundo", explicou.

 

Marisa Naia promete, no final do projeto, anunciar os resultados alcançados na expedição.

 

@Lusa

horadoplaneta às 04:45 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

pesquisar

 

Maio 2016

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
19
20
21
23
24
26
28
29

posts recentes

arquivos

tags

subscrever feeds

blogs SAPO