Terça-feira, 31.05.16

Oseanu sira atraza akesimentu bee sira iha Antártida

Korente oseániku sira ne'ebé malirin no klean hosi Atlántiku Norte neutraliza daudaun efeitu sira hosi akesimentu global iha iha Antártida no atraza aumentu nível bee sira nian, tuir estudu ida ne'ebé fó sai iha loron-segunda. 


EPA@ NASA Handout Editorial Use Only

 

Izolamentu jeladu hosi kontinente jelu ne'e - nakonu ho kamada jelu to'o nia mahar kilómetru haat - bele dura sékulu barak, hatete hosi dokumentu ne'ebé publika iha revista Nature Geoscience.

 

Hanesan notísia di'ak sira ba ema millaun atus resin ne'ebé hela iha rejiaun sira iha globu nia okos ne'ebé ameasadu tanba aumentu previstu ba metru ida hosi nível tasi been nian to'o iha sékulu ne'e nia rohan, haktuir hosi relatóriu ikus hosi Painel espesialista sira iha siénsia klima nian hosi ONU.

 

Estudu foun sira sujere katak liña oseániku bele aumenta liu, dudu hosi bee ba superfísie, ne'ebé aumenta bainhira sai manas, hamutuk ho eskoamentu hosi jelu ne'ebé nabeen hosi glasiar sira no lensol freátiku jeladu boot rua.

 

Ida maka taka metin Gronelándia no ida seluk situa iha Antártida osidental, pedasuk ida hosi kontinente ne'ebé aumenta manas duké sira seluk.

 

Bainhira Antártida oriental nabeen ho velosidade hanesan, impaktu iha povoamentu humanu iha liña sira kosta nian iha mundu tomak sei sai aat duni.

 

Sientista sira hatene kleur ona katak alterasaun klimátiku sira afeta daudaun oseanu Antártiku neineik tebes iha tinan 50 ikus ne'e duké oseanu sira seluk iha mundu.

 

No ema hotu hatene tanba sá: tanba extensaun hosi kamada jelu hosi kontinente no hosi jelu iha tasi ne'ebé haleu, hamutuk ho ani no korente oseániku sira ne'ebé haleu kontinente hanesan zona tampaun ida.

 

Maibé estudu foun atribui papel importante ba dalan ida hosi korente oseániku klean ne'ebé lori bee jeladu - besik Celcius grau ida - hosi rejiaun Ártiku nian.

 

"Fonte prinsipál hosi akesimentu ne'ebé to'o tarde hosi oseanu Antártiku maka sirkulasaun klean hosi oseanu", hakerek hosi autór prinsipal estudu nian, Kyle Armour, investigadór iha Universidade Washington iha Seattle, ho nia kolega sira iha Nature Geoscience.

 

Korente klean sira ne'e la book aan lalais - bee ne'ebé ohin loron haleu Antártida hahú nia viajen transatlántiku norte-súl antes hosi Era Industrial -, maibé nia impaktu dura kleur tebes, subliña iha testu ne'e.

 

Iha de'it "eskala temporal ida hosi sékulu oioin" maka gás sira ho efeitu estufa ne'ebé hamosu daudaun rai-maran, tempestade violentu sira no kondisaun meteorolójiku ne'ebé laloos iha planeta iha impaktu maka'as iha oseanu Antártiku, hakotu hosi investigadór sira.

 

Maibé, "notísia di'ak sira" hanesan sai menus tanba akesimentu oituan ne'ebé bele hamosu estraga sira - no la'ós de'it iha Antártida osidental.

 

Glasiar ida ho tamañu Fransa nian iha Antártida oriental nia leten nabeen lalais no bele aumenta oseanu sira ba metru rua iha sékulu badak, aponta hosi estudu ida seluk iha semana liubá.

 

Glaciar Totten - barak liu sei iha okos - sofre daudaun erozaun hosi okos, tanba tasi been ne'ebé iha interior kilómetru atus resin halo aumenta porsaun ba kontaktu ho tasi been no hamenus ida ne'ebé iha fatuk.

 

ho Lusa

horadoplaneta às 15:30 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Oceanos retardam aquecimento de águas da Antártida

As profundas e frias correntes oceânicas do Atlântico Norte estão a neutralizar os efeitos do aquecimento global na Antártida e a retardar a subida do nível das águas, de acordo com um estudo divulgado na segunda-feira. 

 

EPA@ NASA Handout Editorial Use Only

 

Este isolamento gelado do continente de neve – coberto por uma camada de gelo de até quatro quilómetros de espessura – poderá durar séculos, sustenta o documento publicado na revista Nature Geoscience.

 

São boas notícias para centenas de milhões de pessoas que habitam em regiões baixas do globo, ameaçadas pelo aumento previsto de um metro do nível médio das águas dos mares até ao fim deste século, segundo o último relatório do Painel de especialistas em ciências do clima da ONU.

 

Estudos mais recentes sugerem que a linha oceânica pode subir ainda mais, empurrada pela água à superfície, que se expande à medida que aquece, juntamente com o escoamento do gelo derretido de glaciares e dois enormes lençóis freáticos gelados.

 

Um deles cobre a Gronelândia e o outro situa-se na Antártida ocidental, um pedaço do continente que está a aquecer mais rapidamente que o resto.

 

Se a Antártida oriental estivesse a derreter à mesma velocidade, o impacto no povoamento humano ao longo das linhas de costa de todo o mundo seria verdadeiramente catastrófico.

 

Os cientistas sabem há muito que as alterações climáticas estão a afetar o oceano Antártico muito mais lentamente no último meio século que os oceanos do resto do mundo.

 

E também sabem porquê: por causa da extensão da camada de gelo do continente e do gelo do mar que a rodeia, juntamente com os ventos e as correntes oceânicas que circundam o continente como uma zona tampão.

 

Mas o novo estudo atribui o papel fundamental a um veio de correntes oceânicas profundas que transporta água gelada – a cerca de um grau Celsius – da região do Ártico.

 

“A fonte principal do aquecimento retardado do oceano Antártico é a circulação profunda do oceano”, escreveram na Nature Geoscience o principal autor do estudo, Kyle Armour, investigador na Universidade de Washington, em Seattle, e os seus colegas.

 

Essas correntes profundas não se movem depressa - a água que hoje se encontra à volta da Antártida começou a sua viagem transatlântica norte-sul antes do início da Era Industrial –, mas o seu impacto é duradouro, sublinha-se no texto.

 

Só numa “escala temporal de vários séculos” poderão os gases com efeito de estufa que estão a provocar secas, tempestades violentas e condições meteorológicas erráticas no resto do planeta ter um impacto profundo no oceano Antártico, concluem os investigadores.

 

Estas “boas notícias”, contudo, são atenuadas pelo facto de mesmo um ligeiro aquecimento poder provocar danos – e não apenas na Antártida ocidental.

 

Um glaciar do tamanho de França no topo da Antártida oriental está rapidamente a desfazer-se em água e poderá fazer subir os oceanos cerca de dois metros em poucos séculos, apontou outro estudo divulgado na semana passada.

 

O Glaciar Totten – a maior parte do qual se encontra submersa – está a sofrer erosão por baixo, devido à água do mar que corre centenas de quilómetros para o interior, fazendo aumentar a porção em contacto com a água do mar e diminuir a que está assente em rocha.

 

com Lusa

horadoplaneta às 14:45 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

pesquisar

 

Maio 2016

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
19
20
21
23
24
26
28
29

posts recentes

arquivos

tags

subscrever feeds

blogs SAPO