Terça-feira, 29.11.16

Natureza Afeganistaun nian ne’ebé maka ema sedauk hatene

Afeganistaun hanesan nasaun perigozu liu iha mundu no ladun iha turista – no ladun osidentál liu – fó impaktu ba vizita ida. Maibé, tinan-tinan ema barak maka iha korajen hodi la’o bá to’o Bamyan, Afeganistaun Sentrál, hanesan fatin ne’ebé ema ki’ak balun hela ba iha mundu ne’e.

Saida maka halo sira bá to’o iha ne’ebá? Kompetisaun ski de’it, ne’ebé organiza hosi Aga Khan Foundation hodi dezenvolve rejiaun refere no fó dalan ba dezenvolvimentu ekonómiku. Kompetisaun ne’e, lansa iha tinan 2008 no ninia patrisinadór maka marka suíça Volkl, responsável ba ekipamentu no treinu lokál hothotu.

 

Desde tinan 2011 empreza británika Untamed Bordrs organiza viajen bá to’o Bamyan – espesialmente ba partisipante kompetisaun nian – no hahú hosi ne’ebá, ema barak maka bá to’o iha fatin 10 no 20, no sira mos respeita seguransa ho natureza fatin refere nian, tuir Kausar Hussain, ko-fundadór kompetisaun haktuir.

 

Imajina Afeganistaun hanesan fatin ne’ebé manas no maran, tanba tuir imajen hirak ne’ebé ami haree tinan hirak ikus ne’e, iha televizaun, hatudu katak senáriu hosi époka Invernu nian bele lori ita liu fali ba fatin furak hosi Kanadá, Himalaias ka Andes.

 

Bamyan, ne’ebé lokaliza iha eis-Rota Seda, hanesan senáriu pitoresko ne’ebé hafalun ho zelu. Foho sira Hindu Kush nian ne’ebé hadulas nia, hanesan kordilleira ne’ebé ladun esplora iha mundu ne’e – no sei kontinua hanesan ne’e nafatin iha tinan hirak tuir mai.

 

Ho nune’e maka imajen hirak ne’e, sei lafó sai tinan-tinan.  

 

SAPO TL ho Green Savers

tags:
horadoplaneta às 03:05 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

A natureza intocada do Afeganistão

O Afeganistão é um dos mais perigosos países do mundo e poucos turistas – e muito menos ocidentais – arriscam uma visita. Mas, todos os anos, uma mão cheia de esquiadores aventurosos ganham coragem para fazer a longa caminhada até Bamyan, no Afeganistão Central, onde vivem algumas das mais pobres pessoas do mundo.


O que os leva até lá? A única competição de ski do país, organizada pela Aga Kahn Foundation para desenvolver a região e permitir o desenvolvimento económico. A competição foi lançada em 2008 e tem como patrocinador a marca suíça Volkl, responsável pelos equipamentos e treinos dos locais.

 

Desde 2011 que a empresa britânica Untamed Borders organiza viagens até Bamyan – especificamente para participantes na competição – e, desde então, entre 10 a 20 locais chegam à montanha todos os anos, respeitando sempre a segurança e natureza do local, de acordo com Kausar Hussain, co-fundador da competição.

 

E se imagina o Afeganistão como um local quente e árido, devido a todas imagens que viu nos últimos anos na televisão, fique a saber que há cenários de Inverno que nos remetem para outros locais bem afastados, do Canadá, Himalaias ou Andes.

 

Bamyan, que fica na antiga Rota da Seda, é um cenário pitoresco coberto de neve. As montanhas Hindu Kush, que a rodeiam, é uma das cordilheiras menos exploradas do mundo – e continuará a sê-lo nos próximos anos.

 

Assim, imagens destas não serão publicadas todos os anos.

 

@Green Savers

tags:
horadoplaneta às 03:01 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 28.11.16

67% hosi ahu-ruin sira iha parte norte Great Barrier Reef mate ona

67% hosi ahu-ruin sira iha Great Barrier Reef parte norte Austrália nian, ne'ebé situa iha nordeste nasaun nian, mate ona iha fulan ualu ka fulan sia ikus ne'e, tuir hosi estudu sientífiku ida ne'ebé fó sai iha loron-segunda ne'e. 

 

Foto@ XL Catlin Seaview Survey Austrália & New Zealand Out/EPA

 

"Rejiaun ne'e eskapa ona ho estraga ki'ik sira tanba lakon kór entre tinan 1998 no 2002, maibé agora hanesan afetadu duni", hatete hosi Terry Huhes, diretór hosi Konsellu Investigasaun Australianu nian, ne'ebé halo estudu hosi área ne'e.

 

"Notísia di'ak maka 2/3 hosi ahu-ruin sira iha Great Barrier Reef iha parte súl konsege eskapa ho estraga mínimu sira", hatete hosi Andrew Baird, hosi Konsellu hanesan, ne'ebé diriji ona mergullu sira ne'ebé hala'o iha fulan-Outubru ho fulan-Novembru.

 

Espesialista sira kalkula katak rejiaun norte hosi Great Barrier Reef nian sei presiza tempu entre tinan 10 no 15 hodi rekupera sira nia ahu-ruin, menus duké alterasaun klimátiku sira muda siklu sira no halo nune'e atu sira bele reprodús lalais.

 

Estudu sientífiku oioin ne'ebé publika iha tinan ne'e alerta ona kona-ba estadu hosi ahu-ruin sira ne'ebé ladi'ak iha Great Barrier Reef ne'ebé, ho nia estensaun hamutuk 2.300 km, hanesan sistema boot ida hosi ahu-ruin sira iha mundu no konsidera hanesan Patrimóniu Mundial hosi Organizasaun ONU nian ba Edukasaun, Siénsia ho Kultura (UNESCO).

 

Great Barrier Reef, ne'ebé halibur ahu-ruin hamutuk 400 ne'ebé la hanesan, ikan ho espésie hamutuk 1.500 no balada-tasi sira ho variedade hamutuk rihun haat, hahú hetan estraga iha dékada 1990 tanba oseanu ne'ebé hahú manas no ba aumentu hosi asidez iha bee tanba prezensa maka'as hosi dióksidu karbonu iha atmosfera.

 

ho Lusa

horadoplaneta às 16:31 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

67% dos corais da parte norte da Grande Barreira está morto

Sessenta e sete por cento dos corais no norte da Grande Barreira da Austrália, que fica no nordeste do país, morreu nos últimos oito ou nove meses, de acordo com um estudo científico hoje divulgado. 

 

Foto@ XL Catlin Seaview Survey Austrália & New Zealand Out/EPA

 

"Esta região tinha escapado com pequenos danos devido à descoloração entre 1998 e 2002, mas desta vez foi realmente afetada", disse Terry Huhes, diretor do Conselho de Investigação Australiana, que conduziu o levantamento aéreo da área.

 

"A boa notícia é que dois terços dos corais no sul da Grande Barreira escaparam com danos mínimos", disse Andrew Baird, do mesmo Conselho, que dirigiu os mergulhos realizados em outubro e novembro.

 

Especialistas estimam que a região norte da Grande Barreira de Coral precisará entre 10 e 15 anos de tempo para recuperar os seus corais, a menos que as alterações climáticas modifiquem os ciclos e façam com que se reproduzam mais rapidamente.

 

Vários estudos científicos publicados este ano alertaram sobre o mau estado dos corais da Grande Barreira que, com os seus 2.300 quilómetros de extensão, é o maior sistema de corais do mundo e considerado Património Mundial pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

 

A Grande Barreira de Coral, que abriga 400 tipos de corais, 1.500 espécies de peixes e 4.000 variedades de moluscos, começou a deteriorar-se na década de 1990 devido ao aquecimento do oceano e ao aumento da acidez da água pelo aumento da presença de dióxido de carbono na atmosfera.

 

com Lusa

horadoplaneta às 16:19 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 22.11.16

Rekord sira ba temperatura aas sei akontese beibeik duké temperatura malirin

Estudu ida ne'ebé divulga, iha loron-segunda ne'e, kalkula katak rekord diáriu hosi temperatura aas sira iha EUA sei mosu beibeik duké temperatura sira malirin nian. 

 

AFP Photo@ Jim Watson

 

Baibain, nasaun ne'e hetan númeru máxima hanesan hosi temperatura manas no malirin nian iha tinan ida nia laran. Maibé hahú tinan 2010 maka ne'e la akontese ona, ho rekord hosi loron manas sira aumenta maka'as duké temperatura malirin sira.

 

Estudu, ne'ebé publikadu iha Anais hosi Akademia norte-amerikanu sira Siénsia nian, kalkula katak bainhira alterasaun klimátiku sira aumenta, númeru ne'e sa'e ba rekord 15 manas nian tuir ida hosi malirin nian.

 

Autór prinsipal hosi estudu, Gerald Meehlm, hosi Sentru norte-amerikanu hosi Investigasaun Atmosfériku, kalkula katak númeru ne'ebé laiha ekilíbriu maka'as bele akontese iha tinan 50 nia laran hahú agora, bainhira emisaun hosi gás ho efeitu estufa ne'ebé mosu bainhira sunu karvaun, petróleu no gás, kontinua ho ritmu ida hanesan ho agora.

 

ho Lusa

horadoplaneta às 13:54 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Recordes das temperaturas altas vão ser mais frequentes do que das frias

Um estudo divulgado, nesta segunda-feira, prevê que os recordes diários de temperaturas elevadas nos EUA vão ser batidos com mais frequência do que no caso das frias. 

 

AFP Photo@ Jim Watson

 

Normalmente, o país tem registado o mesmo número de máximos de temperaturas quentes e frias ao longo dos anos. Mas desde 2010 que isso deixou de acontecer, com os recordes dos dias quentes a mais do que duplicarem os dos dias frios.

 

O estudo, publicado nos Anais da Academia norte-americana de Ciências, prevê que à medida que as alterações climáticas se intensificarem este rácio suba para cerca de 15 recordes de calor por cada um de frio.

 

O autor principal do estudo, Gerald Meehlm, do Centro norte-americano de Investigação Atmosférica, estimou que este rácio tão desequilibrado pode ocorrer dentro de 50 anos a partir de agora, se as emissões de gases com efeito de estufa, resultantes da queima de carvão, petróleo e gás, continuarem com o ritmo atual.

 

com Lusa

horadoplaneta às 12:57 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 21.11.16

Fertilidade ahu-ruin sira iha Great Barrier Reef afetadu tanba brankeamentu - WWF

Fertilidade hosi ahu-ruin sira hosi Great Barrier Reef tuun iha tinan ne'e tanba fenómenu hosi brankeamentu, aat liu ne'ebé rejistadu iha zona hosi nordeste australianu nian, alerta hosi World Wide Fund for Nature (WWF). 

 

 

Tinan-tinan, ahu-ruin sira sinkroniza expulzaun hosi óvulu no espermatozoid biliaun resin, fenómenu ida ne'ebé hanaran hanesan "tempestade ida jelu submarinu nian" ne'ebé halo pólipu sira hosi ahu-ruin bebé sira mosu iha bee leten durante asaun hasai tolun no tuun ba tasi-okos hosi fiksa iha ahu-ruin sira hodi bele ajuda sai boot ka rekonstrui fali.

 

Maibé, tinan ne'e, eventu reprodutivu ne'e la mosu maka'as, haktuir hosi fotografias ira WWF nian iha illa Lizard, iha norte Great Barrier Reef nian.

 

"Brankeamentu dahuluk oho ona ahu-ruin barak iha illa Lizard no agora ahu-ruin sira ne'ebé iha hetan problema sira hodi reproduz iha tinan ne'e", hatete hosi porta-vós hosi organizasaun ambientalista ne'e iha Austrália, Richard Leck, iha komunikadu.

 

"Brankeamentu iha impaktu iha fertilidade hosi ahu-ruin sira ne'ebé konsege moris", nia hatutan.

 

Great Barrier Reef, deklara nu'udar Patrimóniu Humanidade nian iha tinan 1981, ho ahu-ruin individual hamutuk 2.500 ne'ebé halibur ahu-ruin úniku sira, ikan ho espésie hamutuk 1.500 no balada-tasi sira hamutuk millaun resin, hahú lakon iha dékada 1990 tanba impaktu duplu hosi akesimentu tasi-been nian no aumentu hosi grau siin nian ne'ebé mosu tanba prezensa boot ida hosi dióxidu karbonu iha atmosfera.

 

Agora daudaun, hasoru krizi ne'ebé aat liu tanba brankeamentu ahu-ruin sira nian.

 

Fenómenu ne'e akontese bainhira, tanba temperatura hosi tasi-been oseanu nian, ahu-ruin sira hasai alga simbiótiku sira ne'ebé moris iha sira nia kulit, ne'ebé halo kolorasaun no fornese ba sira nutriente sira.

 

Auzénsia naruk hosi alga ida ne'e halo pólipu sira ahu-ruin nian mate.

 

Tinan ne'e, brankeamentu oho ona 22% hosi ahu-ruin iha ekosistema ne'e, maski iha área norte hosi Great Barrier Reef taxa mortalidade nian aas liu, haktuir hosi WWF.

 

ho Lusa

horadoplaneta às 15:09 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Fertilidade dos corais da Grande Barreira afetada por branqueamento - WWF

A fertilidade dos corais da Grande Barreira ficou reduzida este ano pelo fenómeno de branqueamento, o pior registado naquela zona do nordeste australiano, alertou hoje o Fundo Mundial para a Natureza (WWF)

 

 

Anualmente, os corais sincronizam a expulsão de biliões de óvulos e espermatozoides, fenómeno descrito como uma “tempestade de neve submarina”, que faz com que os pólipos dos corais bebés surjam à deriva durante a desova e desçam para se fixar no recife, ajudando-o a crescer ou a reconstruir-se.

 

Contudo, este ano, este evento reprodutivo não sucedeu com toda a sua intensidade, segundo mostram fotografias do WWF na ilha Lizard, no norte da Grande Barreira de Coral.

 

“Primeiro o branqueamento matou muitos dos corais da ilha Lizard e agora os que ficaram têm tido problemas para desovar este ano”, disse o porta-voz daquela organização ambientalista na Austrália, Richard Leck, em comunicado. “O branqueamento teve impacto na fertilidade dos corais que sobreviveram”, acrescentou.

 

A Grande Barreira de Coral, declarada Património da Humanidade em 1981, com 2.500 recifes individuais que albergam corais únicos, 1.500 espécies de peixe e milhares de tipos de moluscos, começou a deteriorar-se na década de 1990 devido ao duplo impacto do aquecimento da água do mar e do aumento do grau de acidez por causa de uma presença maior de dióxido de carbono na atmosfera.

 

Atualmente, enfrenta a pior crise causada pelo branqueamento dos corais.

 

Este fenómeno acontece quando, devido à subida da temperatura da água do oceano, os corais expelem as algas simbióticas que vivem nos seus tecidos, que lhes imprimem coloração e lhes fornecem nutrientes.

 

A ausência prolongada desse tipo de alga leva à morte dos pólipos de coral.

 

O branqueamento matou este ano 22% dos corais deste ecossistema, apesar de na seção norte da Grande Barreira a taxa de mortalidade ser maior, segundo a WWF.

 

com Lusa

horadoplaneta às 14:20 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 18.11.16

Timor-Leste hakarak to’o 2030 metade hosi produsaun elétrika maihosi renovável

Timor-Leste hakarak, to’o 2030, 50% hosi ninia produsaun eléktrika bele maihosi  fonte renovável, liliu solar, haktuir  horisehik ba Lusa diretór jerál Eletrisidade Ministeiru Obras Públikas, Transporte no komunikasaun timoroan.


Foto:joalarcao

 

 “ Meta ba 2030 atu to’o ba  50% hosi renovável. Ne’e hanesan planu ambisiozu ida no ami hakarak halo konversaun termoelétrika hosi diesel ba gás. Ami hein katak, iha 2017, ami bele deskuti ona ho Governu foun Timor-Leste nian”, afirma Virgílio Fátima Guterrres, ne’ebé partisipa iha Simeira ba Klima  (COP 22), iha Marraquexe.

 

Timor-Leste iha matriz elétrika hosi sentrál termoelétrika ba diesel. Iha  sentrál rua ho  megawatts 250.

 

 “Hanesan enerjia fossil ida no kustu ne’ebé aas tebes iha termu manutensaun no operasaun nian. Termoelétrika ba diesel reprezenta 99% hosi jerasaun eletrisidade nian”, hatete nia.

 

Agora, Estadu maka responsabiliza  tranzisaun enerjétika no implementasaun renovável sira. Maibé iha futuru, tuir Virgílio Guterres katak iha ona ideia atu loke ba merkadu privadu.

 

 “Ohin loron ba jerasaun elétrika iha Estadu nia liman, maibé partisipasaun hosi setór privadu sei importante tebes”, nia haktuir.

Tuir direktór jerál Eletrisidade, potensia ba renovável iha Timor-Leste maka megawatts 452 inklui fonte hídrika, solar, eólika no biomassa.

 

Timor-Leste tenki aposta dahuluk iha solar hanesan renovável prinsipál. Nasaun iha deit  sentrál hidroeléktrika kiik ida ho kilowatts 322 no seidauk dezemvolve eólika.

 

Virgílio Guterres afirma katak kooperasaun téknika sei importante  ba Timor-Leste atu bele konsege avansa iha ninia planu estratéjiku dezemvolvimentu nasionál to’o 2030.

 

 “Kooperasaun téknika ne’e importante tebes iha momentu agora. Ami presiza tékniku kualifikadu iha futuru, Portugál bele koopera ho Timor-Leste iha termu tékniku”, tenik responsável ne’e.

 

Kobertura eléktrika nasaun nian kobre ona 84% hosi populasaun timoroan ne’ebé maka asessu ona ba forma moderna iha eletrisidade. Entre sira ne’e, 11% hosi populasaun uza  ahi  liuhosi fonte renovável.

 

Horisehik, Ministru Komérsiu, Indústria no Ambiente timoroan, Constânscio da Conceição Pinto, reuni iha marjen COP22 ho ministru Ambiente Portugál, João Pedro Matos Fernandes.

 

Timor-Leste hakarak hetan rekursu hosi Fundu Verde Klima nian hodi tenta finansia projetu tanzisaun eléktrika. Tanba hola parte iha grupu nasaun  menus dezenvolvidu. Timor-Leste bele ho fasilidade hetan finansiamentu.

 

Konferénsia Kuadru Parte 22.ª kona-ba Mudansa Klimátika (COP 22) kontinua iha Marraquexe to’o  sesta-feira ne’e.

 

SAPO TL ho Lusa

horadoplaneta às 03:08 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Timor-Leste pretende ter até 2030 metade da produção elétrica oriunda de renováveis

Timor Leste pretende, até 2030, que 50% de sua produção elétrica seja oriunda de fontes renováveis, especialmente a solar, disse ontem à Lusa o diretor geral da Eletricidade do Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicação timorense.


Foto:joalarcao

 

"A meta para 2030 é chegar a 50% de renováveis. Este é um plano ambicioso e queremos fazer a conversão das termoelétricas de diesel para gás. Esperemos que, em 2017, possamos discutir internamente com o novo Governo em Timor-Leste", afirmou Virgílio Fátima Guterres, que está na Cimeira do Clima (COP 22), em Marraquexe.

 

Timor-Leste tem uma matriz elétrica movida a centrais termoelétricas a diesel. São duas centrais de 250 megawatts.

 

"É uma energia fóssil e o custo é muito alto em termos de manutenção e operação. As termoelétricas a diesel representam 99% da geração de eletricidade", disse.

 

Atualmente, é o Estado que está a arcar com a transição energética e a implantação das renováveis. Mas no futuro, Virgílio Guterres disse que a ideia é abrir para o mercado privado.

 

"Hoje a geração elétrica está nas mãos do Estado, mas a participação do setor privado será muito importante", disse.

 

Segundo o diretor geral da Eletricidade, a potencialidade para as renováveis em Timor-Leste é de 452 megawatts incluindo as fontes hídricas, solar, eólica e biomassa.

 

Timor-Leste deve apostar primeiro na solar como a principal das renováveis. O país tem apenas uma pequena central hidroelétrica de 322 kilowatts e ainda não desenvolveu a eólica.

 

Virgílio Guterres destacou que a cooperação técnica será imprescindível para Timor-Leste conseguir avançar no seu plano estratégico de desenvolvimento nacional até 2030.

 

"Cooperação técnica é muito importante neste momento. Precisamos de técnicos qualificados. No futuro, Portugal poderá cooperar com Timor-Leste em termos técnicos", estimou o responsável.

 

A cobertura elétrica do país chega a 84% dos lares timorenses que já têm acesso às formas modernas de eletricidade. Entre esses, 11% dos lares são iluminados por fontes oriundas de renováveis.

 

Ontem, o Ministro do Comércio, Indústria e Ambiente timorense, Constâncio da Conceição Pinto, reuniu-se à margem da COP22 com o ministro do Ambiente de Portugal, João Pedro Matos Fernandes.

 

Timor-Leste pretende obter recursos do Fundo Verde do Clima para tentar financiar os seus projetos de transição elétrica. Por fazer parte do grupo de países menos desenvolvidos, Timor-Leste pode ter mais facilidades em obter financiamento.

 

A 22.ª Conferência Quadro das Partes sobre Mudanças Climáticas (COP 22) continuará em Marraquexe até sexta-feira.

 

@Lusa

horadoplaneta às 02:50 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

pesquisar

 

Novembro 2016

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
19
20
23
24
25
26
27
30

posts recentes

arquivos

tags

subscrever feeds

blogs SAPO