Sexta-feira, 18.11.16

Timor-Leste hakarak to’o 2030 metade hosi produsaun elétrika maihosi renovável

Timor-Leste hakarak, to’o 2030, 50% hosi ninia produsaun eléktrika bele maihosi  fonte renovável, liliu solar, haktuir  horisehik ba Lusa diretór jerál Eletrisidade Ministeiru Obras Públikas, Transporte no komunikasaun timoroan.


Foto:joalarcao

 

 “ Meta ba 2030 atu to’o ba  50% hosi renovável. Ne’e hanesan planu ambisiozu ida no ami hakarak halo konversaun termoelétrika hosi diesel ba gás. Ami hein katak, iha 2017, ami bele deskuti ona ho Governu foun Timor-Leste nian”, afirma Virgílio Fátima Guterrres, ne’ebé partisipa iha Simeira ba Klima  (COP 22), iha Marraquexe.

 

Timor-Leste iha matriz elétrika hosi sentrál termoelétrika ba diesel. Iha  sentrál rua ho  megawatts 250.

 

 “Hanesan enerjia fossil ida no kustu ne’ebé aas tebes iha termu manutensaun no operasaun nian. Termoelétrika ba diesel reprezenta 99% hosi jerasaun eletrisidade nian”, hatete nia.

 

Agora, Estadu maka responsabiliza  tranzisaun enerjétika no implementasaun renovável sira. Maibé iha futuru, tuir Virgílio Guterres katak iha ona ideia atu loke ba merkadu privadu.

 

 “Ohin loron ba jerasaun elétrika iha Estadu nia liman, maibé partisipasaun hosi setór privadu sei importante tebes”, nia haktuir.

Tuir direktór jerál Eletrisidade, potensia ba renovável iha Timor-Leste maka megawatts 452 inklui fonte hídrika, solar, eólika no biomassa.

 

Timor-Leste tenki aposta dahuluk iha solar hanesan renovável prinsipál. Nasaun iha deit  sentrál hidroeléktrika kiik ida ho kilowatts 322 no seidauk dezemvolve eólika.

 

Virgílio Guterres afirma katak kooperasaun téknika sei importante  ba Timor-Leste atu bele konsege avansa iha ninia planu estratéjiku dezemvolvimentu nasionál to’o 2030.

 

 “Kooperasaun téknika ne’e importante tebes iha momentu agora. Ami presiza tékniku kualifikadu iha futuru, Portugál bele koopera ho Timor-Leste iha termu tékniku”, tenik responsável ne’e.

 

Kobertura eléktrika nasaun nian kobre ona 84% hosi populasaun timoroan ne’ebé maka asessu ona ba forma moderna iha eletrisidade. Entre sira ne’e, 11% hosi populasaun uza  ahi  liuhosi fonte renovável.

 

Horisehik, Ministru Komérsiu, Indústria no Ambiente timoroan, Constânscio da Conceição Pinto, reuni iha marjen COP22 ho ministru Ambiente Portugál, João Pedro Matos Fernandes.

 

Timor-Leste hakarak hetan rekursu hosi Fundu Verde Klima nian hodi tenta finansia projetu tanzisaun eléktrika. Tanba hola parte iha grupu nasaun  menus dezenvolvidu. Timor-Leste bele ho fasilidade hetan finansiamentu.

 

Konferénsia Kuadru Parte 22.ª kona-ba Mudansa Klimátika (COP 22) kontinua iha Marraquexe to’o  sesta-feira ne’e.

 

SAPO TL ho Lusa

horadoplaneta às 03:08 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Timor-Leste pretende ter até 2030 metade da produção elétrica oriunda de renováveis

Timor Leste pretende, até 2030, que 50% de sua produção elétrica seja oriunda de fontes renováveis, especialmente a solar, disse ontem à Lusa o diretor geral da Eletricidade do Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicação timorense.


Foto:joalarcao

 

"A meta para 2030 é chegar a 50% de renováveis. Este é um plano ambicioso e queremos fazer a conversão das termoelétricas de diesel para gás. Esperemos que, em 2017, possamos discutir internamente com o novo Governo em Timor-Leste", afirmou Virgílio Fátima Guterres, que está na Cimeira do Clima (COP 22), em Marraquexe.

 

Timor-Leste tem uma matriz elétrica movida a centrais termoelétricas a diesel. São duas centrais de 250 megawatts.

 

"É uma energia fóssil e o custo é muito alto em termos de manutenção e operação. As termoelétricas a diesel representam 99% da geração de eletricidade", disse.

 

Atualmente, é o Estado que está a arcar com a transição energética e a implantação das renováveis. Mas no futuro, Virgílio Guterres disse que a ideia é abrir para o mercado privado.

 

"Hoje a geração elétrica está nas mãos do Estado, mas a participação do setor privado será muito importante", disse.

 

Segundo o diretor geral da Eletricidade, a potencialidade para as renováveis em Timor-Leste é de 452 megawatts incluindo as fontes hídricas, solar, eólica e biomassa.

 

Timor-Leste deve apostar primeiro na solar como a principal das renováveis. O país tem apenas uma pequena central hidroelétrica de 322 kilowatts e ainda não desenvolveu a eólica.

 

Virgílio Guterres destacou que a cooperação técnica será imprescindível para Timor-Leste conseguir avançar no seu plano estratégico de desenvolvimento nacional até 2030.

 

"Cooperação técnica é muito importante neste momento. Precisamos de técnicos qualificados. No futuro, Portugal poderá cooperar com Timor-Leste em termos técnicos", estimou o responsável.

 

A cobertura elétrica do país chega a 84% dos lares timorenses que já têm acesso às formas modernas de eletricidade. Entre esses, 11% dos lares são iluminados por fontes oriundas de renováveis.

 

Ontem, o Ministro do Comércio, Indústria e Ambiente timorense, Constâncio da Conceição Pinto, reuniu-se à margem da COP22 com o ministro do Ambiente de Portugal, João Pedro Matos Fernandes.

 

Timor-Leste pretende obter recursos do Fundo Verde do Clima para tentar financiar os seus projetos de transição elétrica. Por fazer parte do grupo de países menos desenvolvidos, Timor-Leste pode ter mais facilidades em obter financiamento.

 

A 22.ª Conferência Quadro das Partes sobre Mudanças Climáticas (COP 22) continuará em Marraquexe até sexta-feira.

 

@Lusa

horadoplaneta às 02:50 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

pesquisar

 

Novembro 2017

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

posts recentes

arquivos

tags

subscrever feeds

blogs SAPO