Sexta-feira, 04.11.16

Akordu universal dahuluk hasoru alterasaun klimátiku hahú hala'o ona

Akordu Paris nian, paktu universal dahuluk hasoru akesimentu global, hahú, ho dalan simbóliku, hala'o ohin, liutiha tinan ida asina, maibé iha dalan naruk ida hodi hala'o to'o nia aplikasaun. 

 

 Foto@ Ian Langsdon / EPA

 

Akordu Paris, hahú hala'o hafoin asina tina iha loron 12 Dezembru tinan liubá hosi nasaun 195 iha kapital franseza, hafoin ratifika hosi númeru sufisiente hosi nasaun sira ne'ebé reprezenta 55% hosi emisaun mundial sira gás nian ho efeitu estufa.

 

Limiti ne'e hetan iha loron 05 Outubru, bainhira Uniaun Europeia (UE), ne'ebé reprezenta 12% hosi emisaun sira, entrega ona dokumentasaun ratifikasaun akordu nian iha sede ONU nian. To'o agora, nasaun hamutuk 61 maka ratifika tiha ona akordu ne'ebé konta de'it ho 47,7% hosi emisaun global sira.

 

Antes Konferénsia Klima ONU nian ba dala 22 (COP22), ne'ebé hahú iha loron-segunda iha Marraquexe, hosi signatáriu hamutuk 192 iha ona nasaun hamutuk 94 maka ratifika ona Akordu Paris nian, ritmu ida ne'ebé ultrapasa espetativu sira hosi espesialista sira.

 

"Ami halo iha fulan sia nia laran buat ne'ebé maka demora tinan ualu iha protokolu Kyoto nian", afirma ona hosi prezidente COP21, ministra franseza Ségolène Royal, ne'ebé haktuir hosi AFP.

 

Estadu sira nia resposta ne'ebé lalais hatudu katak iha konsiénsia, ho nível ne'ebé aas tebes, ba nesesidade hodi fó limiti ba akesimentu global ba +2°C aas liu duké nível pré-industrial sira.

 

Emisór maka'as sira ne'ebé seidauk ratifika akordu ne'e hanesan oituan: Rúsia la fó indikasaun kona-ba eventual loron ratifikasaun nian bainhira Austrália ho Japaun kompromete ona hodi avansa ho prosesu.

 

Maski nune'e, espesialista Alden Meyer, hosi organizasaun norte-amerikanu Uniaun hosi Sientista Preokupadu sira, alerta ona katak "hanesan importante mantén dinámiku Paris nian no la'ós de'it haksolok de'it ho akordu ne'ebé foin hala'o".

 

Negosiador sira sei iha matéria barak kona-ba saida maka tenki halo hodi to'o iha akordu, hodi sai hanesan paktu operasional, liuliu ba definisaun hosi regra sira transparénsia nian, aprezentasaun hosi estratéjia nasional sira to'o tinan 2050, ajuda finanseiru ba nasaun sira iha dezenvolvimentu.

 

"COP22 tenki sai hanesan reuniaun ida asaun no implementasaun nian", afirma hosi Tosi Mpanu-Mpanu, porta-vós hosi grupu hosi nasaun sira ne'ebé ladún avansadu ne'ebé maka haktuir hosi AFP.

 

Akordu Paris destina hodi substitui Protokolu Kyoto iha tinan 2020 iha objetivu hodi fó limiti ba akesimentu global ba +2°C aas liu duké nível pré-industrial sira.

 

Maibé, testu ne'e hatutan katak nasaun sira ne'ebé hakarak hala'o "esforsu nesesáriu sira" hodi labele ultrapasa 1,5 grau Celsius, bele evita nune'e "impaktu aat liu hosi alterasaun klimátiku sira".

 

Objetivu ikus ne'e halo parte tanba hetan ezijénsia hosi nasaun kiak sira no hosi Estadu insular sira, ne'ebé maka fraku liu hasoru alterasaun klimátiku sira hanesan nível tasi nian ne'ebé aumenta no rai-maran.

 

Maibé, espesialista sira aviza katak maski limiti ba +2°C sei susar hodi hetan, implika diminuisaun maka'as iha emisaun global sira hodi sunu karvaun, petróleu no gás.

 

Sientista sira aviza katak, ho ritmu atual, mundu sei iha grau haat ka grau tolu manas liu bainhira nasaun sira la kumpri limiti sira ne'ebé hato'o hodi hamenus emisaun nasional sira.

 

Iha loron-kinta ne'e, relatóriu ida hosi ONU fó hanoin katak Akordu Paris nian to'o tarde no hanesan urjente halo asaun hodi hamenus emisaun gás sira ho efeitu estufa bainhira hakarak evita "trajédia ida". Novidade hosi Akordu Paris nian maka, ba dala uluk, halibur tan nasaun sira ne'ebé kontamina no sira ne'ebé fraku liu.

 

Protokolu Kyoto, tinan 1997 nian, estabelese objetivu sira emisaun sira nian ba de'it nasaun dezenvolvidu sira, razaun ida ne'ebé EUA lakohi fó sai.

 

Akordu Paris nian hala'o hamutuk tuir dalan legal, maibé iha parte hosi nia dezenvolvimentu ka iha objetivu nasional sira hodi hamenus emisaun sira. Nia forsa bazeia iha mekanizmu ne'ebé sei haree tuir períudu kompromisu sira hosi nasaun ida-idak ne'ebé hanesan vinkulativu.

 

Estadu ida-idak tenki aprezenta konta sira hosi nia kumprimentu no renova sira nia kontributu ba tinan lima dala ida no nasaun sira ne'ebé hakarak bele uza mekanizmu sira merkadu nian (sosa no fa'an emisaun sira) hodi kumpri objetivu sira.

 

Akordu la estabelese kastigu sira bainhira la kumpri, maibé kalkula kriasaun hosi komité ida ne'ebé hanoin mekanizmu transparente ida hodi garanti katak bele kumpri kompromisu no hodi alerta, antes hotu nia prazu, katak hetan ka la'e objetivu sira.

 

ho Lusa

horadoplaneta às 12:36 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 07.12.15

"Ita iha kontajen dekresente ba katástrofe klimátiku ida"

Katástrofe naturál sira, ne'ebé mosu beibeik, halo ona ema rihun 600 resin mate iha tinan 20 nia laran, alerta ona hosi ONU no fó hanoin importánsia hodi hetan akordu ida iha konferénsia kona-bá alterasaun klimátiku nian iha Paris.

 


Ban Ki-moon bainhira halo diskursu iha Simeira Klima nian (COP-21) iha Paris, Fransa, iha loron 07 Dezembru 2015. EPA@ Yoan Valat


Sekretáriu-jerál ONU nian apela ona ba líder mundiál sira no governu sira hodi hetan akordu di'ak ida hodi limita akesimentu globál no promove ekonomia ida ne'ebé hanesan belun hosi ambiente nian. "Ita iha kontajen dekresente ba katástrofe klimátiku ida", alerta ona hosi Ban Ki-moon.

"Desizaun sira ne'ebé imi foti iha ne'e iha Paris sei senti durante sékulu barak", nia hatete ba delegadu sira bainhira hahú maratona negósiu ida iha Simeira Klima nian ne'ebé hotu iha loron-sesta hodi apela ba nasaun sira hodi hatán ba tinan lima nia laran ba avaliasaun ida iha nia envolvimentu antes hala'o akordu foun, iha 2010.

Tuir sekretáriu-jerál ONU nian, "objetivu agora nia hanesan mínimu" no tenki iha "ambisaun maka'as".

"Nune'e maka akordu haree siklu sira iha tinan lima nia laran, antes 2020, atu nune'e Estadu sira analiza fali sira nia kompromisu no hametin funsaun sira hosi informasaun sientífiku sira ne'ebé disponível", nia defende.

Akordu tenki "husik klaru ba setór privadu katak labele evita transformasaun ne'ebé konsede mai ita ekonomia mundiál ida ho emisaun ki'ik (hosi gás sira ne'ebé iha efeitu estufa), benéfiku no hala'o daudaun", nia hatutan.

COP21 hala'o iha Bourget, iha besik nordeste Paris nian, hahú loron 30 Novembru to'o 11 Dezembru, hodi nune'e nasaun 195, ho protesaun hosi ONU, adopta ona akordu mundiál ida hodi hapara akesimentu klimátiku iha planeta. Nia objetivu maka hetan kompromisu hosi nasaun sira hodi hapara temperatura ne'ebé aumenta ba sentígradu rua relasionadu ho era pré-industriál.

Ban Ki-moon apela ona ba delegadu sira atu labele evita desizaun susar sira. Simeira ne'e nia objeitvu maka hetan akordu metin ida, ne'ebé nasaun riku sira no kiak sira halibur hamutuk hodi hamenus emisaun poluente sira. "Mundu hein maka'as hosi ema no la'ós de'it medida no tentativa balun aproximasaun nian", nia fó hanoin ba delegadu sira hodi apela ba "akordu ida mudansa nian".

"Nasaun dezenvolvidu sira tenki hatán hodi kaer knaar ezemplár ida no nasaun sira iha dezenvolvimentu nia laran tenki kaer parte kresente ida responsabilidade nian, tuir ho sira nia kapasidade", nia hatutan.
Objetivu maka aranka série diretivu sira ne'ebé bele promete atu temperatura média globál planeta nia labele aumenta liu hosi sentígradu rua relasionadu ho era pré-industriál.

Semana dahuluk hotu ho akordu provizóriu ne'ebé iha pájina hamutuk 43. Raskuñu mantén pontu balun ne'ebé seidauk taka, liuliu kona-bá nível finansiamentu no mekanizmu lakon no mana'an nian, ne'ebé nasaun kiak no fraku sira husu kompensasaun tanba estraga sira ne'ebé akontese hosi alterasaun klimátiku.

Katástrofe naturál sira, ne'ebé mosu beibeik, halo ona ema rihun 600 resin mate iha tinan 20 nia laran, alerta ona hosi ONU no fó hanoin importánsia hodi hetan akordu ida iha konferénsia kona-bá alterasaun klimátiku nian iha Paris. Iha negosiasaun sira nia rohan, organizasaun la'ós governu nian hosi Reinu Unidu, Oxfam, hatudu katak 10% hosi populasaun sira ne'ebé riku liu iha mundu sai hanesan responsável hosi 1/2 hosi emisaun sira dióksidu karbonu nain (CO2).

Iha sentidu ne'ebé la hanesan, relatóriu ne'e adianta katak 1/2 hosi populasaun sira ne'ebé kiak liu iha planeta sai hanesan responsável hosi de'it 10% poluente sira.

ho Renascença

horadoplaneta às 15:08 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

“Estamos em contagem decrescente para uma catástrofe climática”

As catástrofes naturais, cada vez mais frequentes, mataram cerca de 600 mil pessoas em 20 anos, alertou a ONU, que lembra a importância de encontrar um acordo na conferência sobre alterações climáticas em Paris.

 

Ban Ki-moon a discursar na Cimeira do Clima (COP-21) em Paris, França, no dia 07 de Dezembro 2015. EPA@ Yoan Valat


O secretário-geral da ONU apelou aos líderes mundiais e governos para que alcancem um acordo sólido para limitar o aquecimento global e promover uma economia mais amiga do ambiente. "Estamos em contagem decrescente para uma catástrofe climática", alertou Ban Ki-moon.

"As decisões que tomarem aqui em Paris far-se-ão sentir durante séculos", disse aos delegados no arranque de mais uma maratona negocial da Cimeira do Clima, que termina sexta-feira, apelando aos países para aceitarem a cada cinco anos uma avaliação do seu envolvimento ainda antes da entrada em vigor do futuro acordo, em 2010.

Segundo o secretário-geral das Nações Unidas, "o objectivo actual é o mínimo" e deve-se ter "a ambição de ir além".

"É preciso assim que o acordo preveja ciclos de cinco anos, ainda antes de 2020, para que os Estados reanalisem os seus compromissos e os reforcem em função dos dados científicos disponíveis", defendeu.

O acordo deve "deixar claro ao sector privado que a transformação que nos dotará de uma economia mundial com baixas emissões (de gases com efeito de estufa) é inevitável, benéfica e já está em curso", adiantou.

A COP21 decorre em Bourget, na periferia nordeste de Paris, desde 30 de Novembro a 11 de Dezembro, para que 195 países, sob a égide das Nações Unidas, adoptem um acordo mundial para travar o aquecimento climático do planeta. O objectivo é conseguir o compromisso dos países para conter a subida das temperaturas a dois centígrados relativamente à era pré-industrial.

Ban Ki-moon apelou aos delegados para que não evitem as decisões difíceis. Esta cimeira tem como objectivo alcançar o mais sólido acordo de sempre, em que países ricos e pobres se unam para reduzir as emissões poluentes. "O mundo espera mais de vocês do que apenas meias medidas e tentativas de aproximação", lembrou aos delegados, apelando a um "acordo de mudança".

"Os países desenvolvidos devem aceitar desempenhar um papel motor e os países em desenvolvimento devem assumir uma parte crescente de responsabilidade, de acordo com as suas capacidades", sublinhou.  O objectivo é arrancar uma série de directivas que permitam prometer que a temperatura média global do planeta não aumente acima de dois graus centígrados face à era pré-industrial.

A primeira semana acabou com acordo provisório de 43 páginas. O rascunho mantém dezenas de pontos em aberto, nomeadamente ao nível do financiamento e do mecanismo de perdas e ganhos, em que os países mais pobres e vulneráveis pedem compensações pelos prejuízos das alterações climáticas.

As catástrofes naturais, cada vez mais frequentes, mataram cerca de 600 mil pessoas em 20 anos, alertou a ONU, que sublinhou a importância de encontrar um acordo na conferência sobre alterações climáticas em Paris.

 

À margem destas negociações, a organização não-governamental britânica Oxfam revelou que 10% dos habitantes mais ricos do mundo são responsáveis por mais de metade das emissões de dióxido de carbono (CO2).

O relatório adianta que, no sentido inverso, metade dos mais pobres no planeta é responsável por apenas 10% dos poluentes.

com Renascença

horadoplaneta às 14:25 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 27.11.15

Eis-Prezidente lidera delegasaun Timor-Leste nian iha simeira Paris

Eis-Prezidente Timor-Leste nian, José Ramos-Horta, sei lidera delegasaun timoroan nian iha konferénsia ONU nian kona-bá alterasaun klimátiku (COP21) ne'ebé hahú iha loron-segunda iha Paris, konfirma ona hosi membru ida ezekutivu nian ba Lusa.


Fonte: José Ramos-Horta 1996 Nobel Peace Prize Laureate


Constâncio Pinto, ministru hosi Komérsiu, Indústria no Ambiente, hatete ba Lusa katak Ramos-Horta nomeadu hosi Prezidente timoroan, Taur Matan Ruak, no hosi primeiru-ministru Rui Maria de Araújo, hodi aprezenta pozisaun sira hosi Timor-Leste nian iha simeira kona-bá klima.

 

Timor-Leste hakarak fó nia ezemplu rasik kona-bá impaktu hosi alterasaun klimátiku tanba, hanesan nasaun sira seluk hosi Pasífiku, hahú senti ona efeitu sira, liuliu ho mudansa sira iha padraun ba udan ne'ebé akontese durante loron badak maibé maka'as liu.

 

Ne'e hetan ona detalle iha konferénsia foun hamutuk ida hosi Governu timoroan no hosi UE iha Díli, halo hamutuk ho semana Alterasaun Klimátiku nian no antesipa konferénsia kona-bá klima iha Paris.

 

Constâncio Pinto destaka katak kombate hasoru alterasaun klimátiku sira "hanesan preokupasaun ida" iha nasaun no reuniaun iha Paris hanesan oportunidade ida hodi hametin ajenda internasionál ne'e. "Iha Timor-Leste, hanesan fatin sira seluk iha planete, senti ona impaktu ne'e. Ami haree estraga sira ne'ebé udan halo no nia folin ne'ebé reprezenta", nia hatete.

 

Bainhira hatán kona-bá medida sira ne'ebé Governu foti daudaun hodi proteje ambiente, inklui hamoos foer sira, hamoos mota sira no kampaña informasaun nian, Constâncio Pinto fó hanoin "dezafiu boot sira" ne'ebé maka nasaun hasoru.

 

"Hanesan kestaun transversál sira ne'ebé eziji envolvimentu hosi parte oioin. Iha esforsu sira hosi ami nia parte, inklui konferénsia sira hodi sensibiliza kona-bá kestaun ambientál sira no sei hahú harii sentru ida hodi sunu foer sira, ho investimentu ida hamutuk dolár millaun 150", nia hatete.

 

"Hanesan dezafiu ida ba governu timoroan no ami sei esforsa hodi rezolve no hatán ba dezafiu ne'e. Maibé ami ladún iha rekursu ema nian no mós finansiamentu, ne'ebé halo susar ami nia intervensaun iha área sira ne'e. Ami labele hatán ba buat hotu iha tempu hanesan", nia hatutan. Timor-Leste ratifika ona iha 2006 Konvensaun hosi ONU kona-bá Alterasaun Klimátiku sira (UNFCCC) no adere mós ba faze daruak hosi Protokolu Quioto nian.

 

Iha tinan hirak ikus ne'e, Timor-Leste hala'o ona inisiativu oioin iha área ne'e, inklui projetu ki'ik sira hosi infraestrutura agríkola nian, reabilitasaun ba ai-hun mangál, projetu sira hodi hamoos bee no kampaña oioin informasaun nian no edukasaun kona-bá tema ambiente sira nian.

 

COP21, ne'ebé sei hala'o entre loron 30 Novembru no 11 Dezembru, sei halibur iha Paris pelumenus xefe Estadu no Governu hamutuk na'in 147, entre sira reprezentante hosi nasaun 195, ne'ebé hakarak hetan akordu vinkulativu ida kona-bá diminuisaun hosi emisaun gás sira ho efeitu estufa ne'ebé permiti limita akesimentu ba temperatura média globál hosi atmosfera ba sentígradu rua aas liu hosi valór ne'ebé rejista antes akontese revolusaun industriál.

 

ho Lusa

horadoplaneta às 14:22 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Ex-Presidente lidera delegação de Timor-Leste a cimeira de Paris

O ex-presidente de Timor-Leste, José Ramos-Horta, vai liderar a delegação timorense à conferência da ONU sobre alterações climáticas (COP21) que começa na segunda-feira em Paris, confirmou à Lusa um membro do executivo.


Fonte: José Ramos-Horta 1996 Nobel Peace Prize Laureate


Constâncio Pinto, ministro do Comércio, Indústria e Ambiente, disse à Lusa que Ramos-Horta foi nomeado pelo Presidente timorense, Taur Matan Ruak, e pelo primeiro-ministro, Rui Maria de Araújo, para apresentar as posições de Timor-Leste na cimeira do clima.

 

Timor-Leste quer dar o seu próprio exemplo sobre o impacto das alterações climáticas uma vez que, como outras nações do Pacífico, começou já a sentir efeitos, nomeadamente com mudanças no padrão das chuvas, que ocorrem durante menos dias mas com mais intensidade.

 

Isso mesmo foi detalhado numa recente conferência conjunta do Governo timorense e da UE em Díli, coincidindo com a semana da Alteração Climática e em jeito de antecipação da conferência de clima de Paris.

 

Constâncio Pinto destacou que o combate às alterações climáticas "é uma preocupação" no país e que a reunião de Paris é uma oportunidade para consolidar esta agenda internacional. "Em Timor-Leste, como noutros pontos do planeta, já se começa a sentir esse impacto. Notamos os danos que as chuvas causam e o custo que representam", disse.

 

Questionado sobre as medidas que o Governo tem vindo a tomar para proteger o ambiente, incluindo a limpeza de lixo, a limpeza das ribeiras e campanhas de informação, Constâncio Pinto recordou "os enormes desafios" que o país enfrenta.

 

"São questões transversais, que exigem o envolvimento de várias partes. Há esforços da nossa parte, incluindo conferências para sensibilizar sobre as questões ambientais e vai começar a ser construído um centro de incineração de lixos, num investimento de 150 milhões de dólares", disse.

 

"É um desafio para o governo timorense e vamos esforçar-nos para resolver e responder a este desafio. Mas temos falta de recursos humanos e também de financiamento, o que dificulta a nossa intervenção nestas áreas. Não podemos responder a tudo ao mesmo tempo", afirmou. Timor-Leste ratificou em 2006 a Convenção das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (UNFCCC) tendo aderido também à segunda fase do Protocolo de Quioto.

 

Nos últimos anos, Timor-Leste tem realizado várias iniciativas neste quadro, incluindo pequenos projetos de infraestruturas agrícolas, a reabilitação de mangais, projetos de limpeza de água e várias campanhas de informação e educação sobre temas ambientais.

 

A COP21, que decorrerá entre 30 de novembro e 11 de dezembro, vai reunir em Paris pelo menos 147 chefes de Estado e de Governo, entre os representantes de 195 países, que tentarão alcançar um acordo vinculativo sobre redução de emissões de gases com efeito de estufa que permita limitar o aquecimento da temperatura média global da atmosfera a dois graus centígrados acima dos valores registados antes da revolução industrial.

 

com Lusa

horadoplaneta às 13:55 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 02.11.15

Prezidente fransés hatete katak apoiu hosi Xina "hanesan importante" ba akordu ida iha konferénsia Paris

Prezidente fransés, Francois Hollande, hatete ohin katak apoiu xinés "hanesan importante" ba akordu efetivu ida iha diálogu sira klimátiku nian hosi Nasaun Unidu (COP21), nebe sei hala'o iha fulan ne'e nia rohan, iha Paris.


EPA@ Thibault Camus

 

Iha vizita ida Estadu ida ba Xina durante loron rua, Hollande afirma ona katak hakarak "akordu globál no ambisiozu ida, nebe limiti akesimentu globál ba másimu sentígradu rua".

 

"Apoiu xinés hanesan importante", hatete Holland, iha munisípiu Chongqing, iha sentru nasaun nian, hodi hatutan katak "luta hasoru akesimentu globál hanesan kestaun humanitáriu ida - oinsá haree planeta rezervadu - no asuntu ida nebe konsidera ba importánsia ekonómiku, hodi hanesan kresimentu "matak".

 

Xina, emisór boot liu hosi gás sira nebe halo poluisaun iha mundu, sai hanesan elementu xave iha negosiasaun sira nebe hahú iha loron 30 fulan-Novembru, iha tempu ida nebe nasaun dezenvolvidu sira ko'alia kona-bá parte sira nebe tenki kaer responsabilidade maka'as hodi hamenus emisaun sira.

 

Diálogu sira sei konserta iha mekanizmu ida nebe sei akompaña kompromisu sira hosi nasaun envolvidu hamutuk 195: Fransa defende dalan jurídiku ida, nebe sei halo revizaun tinan lima dala ida, bainhira Xina lakohi dalan ruma hosi sistema punitivu nian.

 

Pekin, nebe halo susar ona negosiasaun sira durante konferénsia hosi Kopenhaga iha 2009, promete ona katak nia emisaun sira karbonu nian sei to'o másimu "hahú hosi tinan 2030".

 

Ne'e hanesan vizita daruak hosi xefe Estadu europeu ida ba Xina iha semana ida nia laran, hafoin xanxeler alemaun, Angela Merkel, hakotu tiha vizita iha loron-sesta liubá, vizita ida nebe dura loron haat.

 

Iha fulan liubá, Xina ho Reinu Unidu hetan ona akordu ho folin libra millaun rihun 40 durante vizita Estadu dahuluk hosi Prezidente xinés nian, Xi Jinping, iha Londres.

 

Loron daruak no ikus vizita nian sei dedika ba koperasaun entre empreza sira hosi nasaun rua ne'e, ho fórum ida inauguradu hosi primeiru-ministru xinés, Li Keqiang.

 

Xina hanesan nasaun daruak boot hosi parseiru komersiál Fransa nian. Iha média, tranzasaun komersiál loron-loron sira entre nasaun rua ne'e to'o euro millaun 160. Fransa hanesan destinu datoluk hosi investimentu xinés nian iha Europa, tuir Reinu Unidu no Alemaña. Portugal fahe fatin dahaat ho Itália.

 

"Kompara ho resepsaun hosi líder sira Alemaña ho Fransa nian ba Dalai Lama, maski hosi protestu xinés sira, iha 2007 no 2008, buat sira muda maka'as, tanba Xina agora iha inisiativu iha relasaun sino-europeiu sira", hakerek hosi jornál ida Partidu Komunista Xinés nian (PCC) iha semana liubá.

 

Iha editoriál, Global Times, jornál ho lian inglés hosi grupu Diáriu Povu nian, órgaun sentrál hosi PCC, defende katak "Xina tenki buka interasaun ida benéfiku liu ho Europa", argumenta katak lasu sira ho kontinente europeu bele "kontrabalansa ho bandu sira nebe fó hosi aliansa EUA-Japaun".

 

ho Lusa

horadoplaneta às 12:12 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Presidente francês diz que apoio da China "é essencial" para um acordo na conferência de Paris

O Presidente francês, Francois Hollande, disse hoje que o apoio chinês "é essencial" para um acordo efetivo nas conversas climáticas das Nações Unidas (COP21), a serem realizadas no final deste mês, em Paris.

 

EPA@ Thibault Camus


No arranque de uma visita de Estado de dois dias à China, Hollande afirmou que deseja "um acordo global e ambicioso, que limite o aquecimento global a um máximo de dois graus centígrados".

 

"O apoio chinês é essencial", disse Holland, no município de Chongqing, no centro do país, acrescentando que "a luta contra o aquecimento global é uma questão humanitária - como poderá o planeta ser preservado - e um assunto de considerável importância económica, o chamado crescimento 'verde'".

 

A China, o maior emissor de gases poluentes do mundo, será um elemento chave nas negociações que arrancam a 30 de novembro, numa altura em que países desenvolvidos e em desenvolvimento discutem qual das partes deverá assumir maior responsabilidade na redução das emissões.

 

As conversas terão paralisado em torno do mecanismo que acompanhará os compromissos dos 195 países envolvidos: a França defende um vínculo jurídico, revisto a cada cinco anos, enquanto a China excluiu qualquer tipo de sistema punitivo.

 

Pequim, que terá alegadamente dificultado as negociações durante a conferência de Copenhaga em 2009, já prometeu que as suas emissões de carbono vão atingir o pico máximo "por volta de 2030".

 

Esta é a segunda visita de um chefe de Estado europeu à China no espaço de uma semana, depois de a chanceler alemã, Angela Markel, ter concluído na sexta-feira passada uma deslocação de quatro dias ao país.

 

No mês passado, China e Reino Unido firmaram acordos no valor de 40 mil milhões de libras (55,5 mil milhões de euros), durante a primeira visita de Estado do Presidente chinês, Xi Jinping, a Londres.

 

O segundo e último dia da visita será dedicado à cooperação entre as empresas dos dois países, com um fórum inaugurado pelo primeiro-ministro chinês, Li Keqiang.

 

A China é o segundo maior parceiro comercial da França. Em média, as transações comerciais diárias entre as duas nações somam 160 milhões de euros.

A França é o terceiro destino do investimento chinês na Europa, a seguir ao Reino Unido e Alemanha. Portugal disputa o quarto lugar com a Itália.

 

"Comparando com a receção dos líderes da Alemanha e França ao Dalai Lama, apesar dos protestos chineses, em 2007 e 2008, as coisas mudaram dramaticamente, já que a China agora tem a iniciativa nas relações sino-europeias", escreveu um jornal do Partido Comunista Chinês (PCC) na semana passada.

 

Em editorial, o Global Times, jornal de língua inglesa do grupo do Diário do Povo, o órgão central do PCC, defende que "a China devia procurar uma interação mais benéfica com a Europa", argumentando que os laços com o continente europeu podem "contrabalançar as restrições impostas pela aliança EUA-Japão".

 

com Lusa

horadoplaneta às 11:34 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

pesquisar

 

Agosto 2017

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
30

posts recentes

arquivos

tags

subscrever feeds

blogs SAPO