Quarta-feira, 14.12.16

Ártiku manas tebes entre Outubru 2015 no Setembru 2016

Ártiku manas tebes iha períudu fulan 12 nia laran ne'ebé hotu iha Setembru, bainhira ár manas hamosu fuzaun maka'as ida jelu ho neve no atraza jelu invernu nian, fó saihosi sientista sira iha loron-tersa. 

 

 

Avaliasaun hosi rezultadu aat ne'e halo iha relatóriu kona-ba Ártiku relasionadu ho 2016, dokumentu ida ne'ebé revistu hosi sientista sia seluk ne'ebé la'ós hanesan autor, halo hosi sientista na'in 61 hosi mundu tomak, ne'ebé publika hosi ajénsia governamental EUA nian ba Atmosfera no Oseanu sira nian (NOAA, sigla ho lian inglés).

 

Dokumentu ko'alia entre períudu Outubru 2015 to'o Setembru 2016, períudu ida ne'ebé "temperatura média anual iha área terestre (hosi Ártiku) aas tebes duké nunka", hanesan hatete.

 

"Ladún haree Ártiku hatudu loloos hanesan ne'e, sinal forte ka asentuadu hosi akesimentu ne'ebé dura no nia efeitu sira iha parte sira iha ambiente iha tinan ne'e", afirma hosi Jeremy Mathis, diretór hosi programa investigasaun kona-ba Ártiku ne'ebé maka dezenvolve hela iha NOAA.

 

Rejiaun Ártiku kontinua manas ho velosidade ida ne'ebé maka'as tebes duké fatin seluk iha planeta, ne'ebé sei iha mós iha 2016 tinan ida ne'ebé manas liu hosi tempu modernu sira nian.

 

Sientista klimátiku sira hatete ona katak razaun ba aumentu temperatura inklui sunu kombustível fossil sira, ne'ebé hasai gas sira ho efeitu estufa ba atmosfera, nune'e mós tendénsia hosi akesimentu ba oseanu ne'ebé iha ligasaun ho El Niño, ne'ebé hotu iha tinan nia klaran maibé aumenta maka'as akesimentu.

 

Temperatura média anual Ártiku nian iha rai aumenta iha 3,5 grau Celsius ne'ebé maka rejista iha 1900.

 

Temperatura hosi superfísie tasi nian iha veraun, iha Agostu 2016, maka 5ºC aas liu média hosi períudu 1982-2010 iha tasi sira Barents ho Chukchi, nune'e mós iha tasi-ibun sira leste no oeste Gronelándia nian.

 

ho Lusa

horadoplaneta às 22:19 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Ártico bate recordes de calor entre outubro de 2015 e setembro de 2016

O Ártico bateu recordes de calor no período de 12 meses terminado em setembro, quando o ar quente desencadeou uma fusão massiva de gelo e neve e atrasou o gelo do inverno, divulgaram cientistas na terça-feira. 

 

 

A avaliação lúgubre foi feita no relatório sobre o Ártico relativo a 2016, um documento revisto por outros cientistas que não os seus autores, feito por 61 cientistas de todo o mundo, que é publicado pela agência governamental dos EUA para a Atmosfera e os Oceanos (NOAA, na sigla em Inglês).

 

O documento cobre o período de outubro de 2015 a setembro de 2016, um período em que “a temperatura média anual sobre as áreas terrestres (do Ártico) foi a maior desde que há registos”, como se salientou.

 

“Raramente se viu o Ártico evidenciar um tão claro, forte ou acentuado sinal de persistente aquecimento e os seus efeitos em cascada no ambiente do que este ano”, afirmou Jeremy Mathis, diretor do programa de investigação sobre o Ártico que está a ser desenvolvido na NOAA.

 

A região do Ártico continua a aquecer a uma velocidade que é o dobro da do resto do planeta, que também deve ter em 2016 o ano mais quente dos tempos modernos.

 

Os cientistas climáticos disseram que as razões para o aumento da temperatura incluem a queima dos combustíveis fósseis, que emite gases com efeito de estufa para a atmosfera, bem como a tendência de aquecimento do oceano associada ao El Niño, que terminou em meados do ano mas exacerbou o aquecimento.

 

A temperatura média anual do Ártico em terra supera em 3,5 graus Celsius (ºC) a registada em 1900.

 

A temperatura da superfície do mar no pico do verão, em agosto de 2016, esteve 5ºC acima da média do período 1982-2010 nos mares de Barents e Chukchi, bem como nas costas leste e oeste da Gronelândia.

 

com Lusa

horadoplaneta às 21:56 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 04.10.16

Ilhas do Pacífico em risco de fome e sede generalizada -- relatório

A menor possibilidade de obter água potável e alimentos nas ilhas do Pacífico representa uma ameaça para as comunidades indígenas e rurais, especialmente para mulheres e crianças, alerta um relatório divulgado hoje na Nova Zelândia.


 

O trabalho da Cáritas Aotearoa sobre a situação ambiental na Oceania indica que os fenómenos meteorológicos extremos combinados com os contínuos efeitos das alterações climáticas favorecem a perda severa de alimentos e água potável na região.

 

A diretora da filial neozelandesa da organização, Julianne Hickey, assinalou que nas Fiji muitas crianças comem raízes de mandioca amaciadas com paracetamol e que na Papua Nova Guiné muitas pessoas tiveram de caminhar durante dias para obter comida e água devido ao fenómeno El Niño.

 

Este fenómeno provocou secas em toda a região e no seu ponto alto fez com que cerca de 4,7 milhões de pessoas ficassem sem água e comida, segundo o relatório.

 

O El Niño exacerbou a situação de escassez de água que afeta a Papua Nova Guiné, onde 60% da população não tem acesso a fontes seguras de água, uma taxa considerada a mais elevada do mundo.

 

A organização alertou que em países como as Fiji, Vanuatu ou Tonga a falta de alimentos adequados e de água, devido a um clima extremo, terá um impacto negativo a longo prazo na saúde da população e no acesso das crianças à educação.

 

"Ouvimos falar de fome, de gente que morre por causa dela, de fome e sede", disse Hickey à Rádio New Zeland.

 

Apesar de a Oceania não constar das estatísticas mundiais sobre insegurança alimentar, o relatório sublinha a vulnerabilidade das fontes de água e alimentos na região quando ocorrem eventos extremos como o El Niño ou ciclones de categoria 5.

 

A Cáritas recordou que a erosão das costas, as inundações e a salinização dos poços de água continuam a ameaçar os povos do Pacífico, que estão a deslocar-se como consequência do aumento do nível do mar.

 

A organização criticou a atual política de apoio ao desenvolvimento da Nova Zelândia e da Austrália nesta região e apelou a uma concentração dos esforços para combater o impacto das alterações climáticas.

 

@Lusa

horadoplaneta às 07:54 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Illa sira hosi Pasífiku iha risku hamlaha no hamrok ne’ebé maka’as -- relatóriu

Posibilidade kiik liu atu hetan bee moos no ai-han iha illa sira Pasífiku nian reprezenta ameasa  ida ba komunidade  indíjena no rurál, liliu ba feto no labarik sira, alerta relatóriu ida ne’ebé fó sai ohin iha Nova Zelándia.


 

Servisu hosi Cáritas Aotearoa kona-ba  situasaun  ambientál iha Oseania hatudu katak fenómenu meteorolójiku estremu kombina ho efeitu iha alterasaun klimátika ne’ebé kontinua  favorese ai-han no bee-moos menus iha rejiaun.

 

Diretora filial neozelandeza organizasaun nian, Julianne Hickey, afirma katak iha Fiji labarik barak  han ai-fariña nia abut ho paracetamol no Papua Nova Guiné ema barak  tenki la’o-ain durante loron tomak atu hetan ai-han  no bee tamba fenómenu El Niño.

 

Fenómenu ne’e provoka rai-maran iha rejiaun hotu no ninia pontu altu halo ema besik millaun 4,7 laiha bee ho ai-han, tuir  relatóriu ne’e.

 

El Niño halo  situasaun sai piór liu iha bee ne’ebé  afeta Papua Nova Giné, kuaze  60% hosi populasaun laiha asesu ba fonte segura iha bee, taxa ida ne’ebé maka konsidera aas liu iha mundu.

 

Organizasaun ne’e  alerta katak iha nasaun sira hanesan Fiji, Vanuatu ka Tonga menus adekuasaun iha ai-han no bee, tanba klima extremu, fó impaktu negativu ho tempu naruk ba saúde populasaun no  asesu labarik sira nian ba edukasaun.

 

"Ita rona ema koa’lia hamlaha, ema mate tanba kauza hosi nia, iha hamlaha no hamrok", haktuir Hickey ba Rádio New Zeland.

 

Maski  Oseania latama iha estatístika mundiál kona-ba inseguransa ai-han, relatóriu ne’e haktuir  vulnerabilidade bee no ai-han iha rejiaun bainhira akontese  eventu estremu hanesan  El Niño ou siklone ho kategoria 5.

 

 Cáritas ne’e rekorda katak  erozaun iha kosta, inundasaun no salinizasaun iha  bee-matan nian  kontinua fó ameasa ba povu Pasífiku sira, ne’ebé iha  deslokasaun tanba konsekuénsia hosi aumentu nível tasi nian.

 

Organizasaun ne’e kritika polítika atuál ba apoiu dezenvolvimentu Nova Zelándia no Austrália ba rejiaun ne’e no apela atu iha  konsentrasaun esforsu hodi  kombate impaktu hosi alterasaun klimátika.

 

SAPO TL ho Lusa

 

horadoplaneta às 07:45 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 04.04.16

Populasaun kosteira oriental sira maka afetadu liu ho El Niño iha Timor-Leste

Populasaun hosi zona kosteira sira hosi distritu timoroan sira nian iha Lautem ho Viqueque maka agora daudaun afetadu liu tanba impaktu hosi fenómenu El Niño iha Timor-Leste, ho risku aas ba falta hahán, haktuir relatóriu ida. 


EPA@ António Amaral

 

Relatóriu ikus hosi organziasaun Seeds of Life, ne'ebé monitoriza hela impaktu hosi fenómenu El Niño, refere katak rejiaun sira ne'e iha situasaun emerjénsia no "tenki iha asisténsia lalais".

 

Iha tempu hanesan estudu rekomenda monitorizasaun iha illa Ataúro no iha enklave Oecusse, liuliu iha zona kosteira sira, tanba kolleita ne'ebé ladún iha.

El Niño hanesan naran ne'ebé fó ba padraun klimátiku ida ne'ebé asosiadu ho perídu naruk hosi akesimentu iha Pasífiku tropikál sentrál no oriental.

 

Fenómenu sira El Niño maka hanesan alterasaun sira hosi fulan 12 no 18 iha distribuisaun ba temperatura hosi superfísie bee nian iha Oseanu Pasífiku, ne'ebé iha efeitu sira iha meteorolojia rejiaun nian.

 

Espesialista sira refere katak fenómenu iha tinan ne'e - ida ne'ebé rejista maka'as liu - hahú iha fulan-Maiu tinan liubá, ho intensidade ida entre "moderadu no forte" no karik sei dura to'o tinan 2016 nia klaran.

 

Iha kazu Timor-Leste nian, fenómenu halo udan to'o tarde no besik hotu ona hodi hamosu susar ba agrikultór sira nasaun nian, liuliu iha parte kuda hare no batar no problema hahán ba família barak.

 

Relatóriu ikus hamutuk hosi organizasaun sira hanesan Care, Caritas, Oxfam, PLAN ho World Vision, haree, hanesan ezemplu, katak 62% hosi inkiridu sira hato'o katak udan ladún tau, ho 26% tenki muda nia fonte primáriu no tersu rua tenki ba fonte bee nian ne'ebé laiha protesaun (mota ka bee-lihun).

 

70% resin hatete katak laiha bee ba sira nia kultura no 44% esplika katak iha dieta ne'ebé maka'as liu duké hanesan baibain, ho metade refere ba diminuisaun ida iha númeru refeisaun.

 

Bainhira kuda hare no batar la hetan udan-been sai hanesan problema iha fatin balun, udan boot senti iha zona prinsipál balun iha foho sira nian ne'ebé hanesan fatin agríkola, hanesan problema ida ba diminuisaun hosi modo-tahan sira, ho agrikultór barak maka kesar kona-bá bee-sa'e no destruisaun iha sira nia produsaun.

 

Peter Dougan hanesan responsável hosi empreza FarmPro ne'ebé serbisu hamutuk ho agrikultór na'in 60 resin hosi zona sira Ermera no Bobonaro, hodi fornese modo-tahan ba supermerkadu prinsipál sira, hotel sira no restaurante sira iha Díli, semana ida dala rua.

 

Nia esplika katak, tinan-tinan, iha tempu ne'e, baibain verifika falta balun iha modo-tahan, ho udan ne'ebé maka'as estraga no hamenus produsaun hosi brókolu sira, kouve xineza (bok choi), kouve-flor, alfase ka tomate.

 

Situasaun "normal" ida maibé, nia insisti katak, bele hahú koriji ho estratéjia sira hodi hasoru ho époka udan nian, liuliu produsaun metin sira ne'ebé hahú halo iha fatin balun iha nasaun laran maibé la to'o ba merkadu.

 

"Produtór sira modo-tahan nian hasoru susar beibeik bainhira udan tau maka'as. Bee-sa'e ka tahu ne'ebé estraga produsaun sira. Sira ne'ebé hahú moris hetan atake hosi moras ka insetu", nia eplika ba Lusa.

 

"Prudutu sira ne'ebé gosta udan hanesan berinjela ka kanku moris di'ak maibé sira seluk iha difikuldade", nia hatete.

 

Ne'e bele haree ona iha supermerkadu sira iha Díli ne'ebé iha aumenta hosi konsumidór sira no ladún iha oferta hodi halo prateleira sira modo-tahan oioin mamuk tebes.

 

Loja ida ne'ebé Lusa vizita iha loron-segunda ne'e iha de'it kouve roxa ho lakeru. "Tenki dezenvolve estratéjia foun sira hodi hasoru époka udan sira ne'ebé hanesan fenómenu ida iha tinan-tinan", hatete hosi Peter Dougan.

 

ho Lusa

horadoplaneta às 15:39 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Populações costeiras orientais são as mais afetadas pelo El Niño em Timor-Leste

As populações das zonas costeiras dos distritos timorenses de Lautem e Viqueque são atualmente as mais afetadas pelo impacto do fenómeno do El Niño em Timor-Leste, com risco elevado de falta de alimentos, segundo um relatório.


EPA@ António Amaral

 

O último relatório da organização Seeds of Life, que tem vindo a monitorizar o impacto do fenómeno El Niño, refere que estas regiões estão numa situação de emergência e "requerem assistência imediata".

 

Paralelamente o estudo recomenda monitorização da ilha de Ataúro e do enclave de Oecusse, especialmente nas suas zonas costeiras, devido a menores colheitas.

 

O El Niño é o nome dado a um padrão climático associado a um longo período de aquecimento no Pacífico tropical central e oriental.

 

Os fenómenos El Niño são alterações de entre 12 e 18 meses na distribuição da temperatura da superfície da água do Oceano Pacífico, que têm efeitos na meteorologia da região.

 

Especialistas referem que o fenómeno deste ano - um dos três maiores já registados - começou em maio do ano passado, com uma intensidade entre "moderada e forte", e deverá prolongar-se pela primeira metade de 2016.

 

No caso de Timor-Leste o fenómeno adiou o começou da estação das chuvas, que está quase a terminar, causando dificuldades a muitos dos agricultores do país, especialmente nas culturas de arroz e milho e problemas alimentares para muitas famílias.

 

O último relatório conjunto das organizações Care, Caritas, Oxfam, PLAN e World Vision, nota, por exemplo, que 62% dos inquiridos reportaram chuvas abaixo da média, com 26% a terem que mudar a sua fonte primária e dois terços a recorrerem a fontes de água não protegida (rio ou lagoa).

 

Cerca de 70% dizem não ter água para as suas culturas e 44% explica estar com uma dieta ainda mais restrita do que o normal, com mais de metade a referir uma redução no número de refeições.

 

Se nas culturas do arroz e do milho a falta de chuva foi e é um problema em alguns locais, as chuvas mais intensas que se têm feito sentir em algumas das principais zonas montanhosas agrícolas, são um problema para a produção de verduras e legumes, com muitos agricultores a relatarem cheias e a destruição da sua produção.

 

Peter Dougan é o responsável da empresa FarmPro que trabalha com cerca de 60 agricultores das zonas de Ermera e Bobonaro, fornecendo verduras e legumes aos principais supermercados, hotéis e restaurantes de Díli, duas vezes por semana.

 

Anualmente, por esta altura, explica, é comum que se verifiquem algumas carências de verduras, com as chuvas intensas a danificarem e a reduzirem produção de brócolos, couve chinesa (bok choi), couve-flor, alface ou tomate.

 

Uma situação "normal" mas que, insiste, pode começar a ser corrigida com estratégias para lidar com a época das chuvas, nomeadamente produções cobertas que começam a ser feitas em alguns pontos do país mas são ainda insuficientes para o mercado.

 

"Os produtores de verduras debatem-se sempre por esta altura com demasiada chuva. Inundações ou lama que destrói as produções. Algumas das que crescem são depois atingidas por insetos ou doenças", explicou à Lusa.

 

"Produtos que gostam de chuva, como a beringela ou o kancun (variedade local de espinafre), dão-se bem, mas os outros têm grandes dificuldades", explicou.

 

Isso nota-se já nos supermercados de Díli onde o aumento dos consumidores e a menor oferta deixou as prateleiras de verduras e legumes de vários completamente vazias.

 

Num deles, visitado hoje pela Lusa, só havia à venda couve roxa e abóbora. "É preciso desenvolver novas estratégias para lidar com a época das chuvas que é um fenómeno anual", disse Peter Dougan.

 

com Lusa

horadoplaneta às 14:32 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 09.02.16

Reino Unido desembolsa 14 milhões de euros para combater "El Niño" em Moçambique

O Reino Unido vai disponibilizar 11 milhões de libras (14 milhões de euros) para Moçambique combater o fenómeno "El Niño" e desastres climáticos como a seca e a baixa produção agrícola, anunciou hoje em Maputo fonte oficial britânica.


 

"Nós queremos apoiar os afetados pelo fenómeno 'El Niño' em Moçambique, estamos preocupados com a situação", disse Nick Hurd, ministro do Departamento para o Desenvolvimento Internacional britânico, falando à imprensa momentos após um encontro com o ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação moçambicano, Oldemiro Baloi.

Este valor representa um aumento de um milhão de libras, comparado com a quantia que o Reino Unido desembolsa em estratégias de combate ao fenómeno no país desde 2012.

O ministro britânico sublinhou que este novo apoio do Reino Unido será destinado a áreas de acesso água potável e saneamento, apontando-as como essenciais para o bem-estar, num momento em que alguns pontos do sul do país registam uma situação de seca severa.

"É do nosso interesse que o povo moçambicano tenha melhores condições de vida", acrescentou o ministro britânico, que manteve também um encontro com chefe de Estado moçambicano, Filipe Nyusi.

Durante o primeiro dia da visita de dois dias a Moçambique, Nick Hurd assinou ainda um memorando na área das energias renováveis com o ministro dos Recursos Minerais e Energia moçambicano, Pedro Couto, um acordo que prevê que os dois governos promovam o uso desta fonte no país africano.

"Nós queremos colaborar para acelerar o acesso à energia em Moçambique", salientou o governante britânico, destacando a importância do uso de energias renováveis num território vasto como o moçambicano.

O ministro britânico manifestou-se também preocupado com a crise política e militar entre o Governo e a Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), uma situação que se agravou nos últimos meses, devido à recusa do maior partido de oposição em aceitar os resultados das eleições gerais de 2014.

"A situação política em Moçambique é uma preocupação nossa e gostávamos de ver este problema ultrapassado", sublinhou Nick Hurd, acrescentando que este foi um dos temas do encontro com o chefe da diplomacia moçambicana.

@Lusa

tags:
horadoplaneta às 08:11 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Reinu Unidu entrega millaun euro 14 ba kombate "El Niño" iha Mosambike

Reinu Unidu  sei disponibiliza   millun libra 11 (millaun euro 14) ba Mosambike atu kombate fenómenu "El Niño" no dezastre  klimátiku hanesan  rai-maran no menus  produsaun  agríkula, anunsia  horisehik iha  Maputu hosi fonte ofisiál  britániku.



"Ami hakarak apoiu ba sira ne’ebé hetan  afetadu  hosi fenómenu 'El Niño' iha Mosambike, ami preokupa tebes  ho situasaun ne’e", hatete Nick Hurd, ministru hosi Departamentu ba Dezenvolvimentu Internasionál britániku, ne’ebé hato’o  iha  imprensa hafoin hala’o enkontru ida ho ministru Negósiu Estranjeiru no Kooperasaun mosambikanu, Oldemiro Baloi.
 
Valór  ne’e reprezenta iha  aumentu millaun libra ida, kompara ho kuantia ne’ebé  Reinu Unidu ajuda  iha estratéjia ba kombate fenómenu nian  iha Mosanbike  dezde  tinan 2012.

Ministru britániku ne’e hatutan tan katak apoiu foun hosi Reinu Unidu foka liu iha área asesu bee mós no saneamentu, eskolla sai esensiál ba bem-estar povu nian, iha  momentu ne’ebé fatin balun iha sul nasaun hasoru ona  situasaun rai-maran.

"Ita hotu nia hakarak maka povu mosambikanu bele moris iha  kondisaun di’ak ", hatutan  ministru britániku, ne’ebé mantein moos enkontru ida ho xefe Estadu mosambikanu, Filipe Nyusi.

Durante iha primeiru dia  nia vizita ba loron rua iha Mosambike, Nick Hurd asina ona memorandu ida iha área enerjia renovável ho  ministru Rekursus Minerais no Enerjia mosambikanu, Pedro Couto, akordu ida ne’ebé prevé atu governu rua bele  promove ninia uzu ba fonte ne’e iha nasaun afrikanu.

"Ami hakarak kolabora atu aselera asessu ba enerjia iha Mosambike", afirma governante britániku , hodi fó-sai importánsia iha uzu enerjia renovável ba territóriu boot hanesan  mosambikanu.

Ministru britániku ne’e moos hato’o ninia preokupasaun ba krize polítika no militar entre Governu no  Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), situasaun ida ne’ebé  akontese iha fulan hirak ikus ne’e, tamba partidu boot opozisaun nian rezeita atu simu rezultadu eleisaun jerál 2014.

"Situasaun polítika iha Mosambike preokupasaun ita hotu nian no hakarak tebes atu haree  problema liu lalais tiha", hato’o Nick Hurd, no hatutan tan katak ida ne’e moos sai hanesan tema ida iha enkontru ho xefe diplomasia mosambikanu.

SAPO TL ho Lusa

tags:
horadoplaneta às 08:03 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 14.12.15

Presija iha ajuda urjente hosi kombate 'super' El Niño -- Oxfam

Rai-maran, udan ne’ebé ladauk monu rai nomós jeda ne’ebé provoka hosi ‘super’ El Niño fó ona impaktu maka’as iha Pasífika, no Papua Nova Guiné maka maka’as liu, dehan ohin grupu Oxfam iha relatóriu.


 

Apela ba ajuda espesiál ida hodi salva moris, maka organizaun la’os-governamental dehan katak ema milloens 4,7 maka hasoru hamlaha, ki’ak nomós moras iha rejiaun Pasífika, tanba fenómenu meteorolójika ne’e.

 

"Ida ne’e hanesan krizi eskala globál ida", tuir relatóriu "Early Action on Super-charged El Nino Vital to Save Lives".

 

"Atuál El Niño maka bot liu krizi globál ne’ebé maka’as liu hosi sira ne’ebé sukat ona, ka sei reista kondisaun  meteorolójika maka’as, no sei fó ameasa ba seguransa ai-haan populasaun nian, vida nomós modu subsisténsia".

 

El Niño hanesan naran ne’ebé tau ba padraun klimátika ida hodi asosia ba períudu akesimentu iha Pasífika tropikál sentrál no orientál ne’ebé kleur.

 

Fenómenu El Niño hanesan alterasaun hosi fulan 12 to’o 18 tanba atribuisaun hosi temperatura superfísie tasi oseanu Pasífika ne’ebé fó impaktu ba meteorolojia rejiaun refere.

 

Fulan kotuk, ajénsia meteorolójika ONU nian fó sai kona-ba fenómenu, ne’ebé mosu tanba akesimentu temperatura hosi tasi iha Oseanu Pasífika, no ida ne’e maka piór liu iha tinan 15 resin.

 

SAPO TL ho Lusa

horadoplaneta às 06:59 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Ajuda urgente necessária para combater 'super' El Niño

Secas, chuvas inesperadas e geadas trazidas por um 'super' El Niño estão a causar impactos severos no Pacífico, com a Papua Nova Guiné a ser a mais atingida, disse hoje o grupo Oxfam num relatório.


 

Ao apelar para uma ajuda especial para salvar vidas, a organização não-governamental disse que 4,7 milhões de pessoas enfrentavam a fome, pobreza e doença na região do Pacífico, na sequência do fenómeno meteorológico.

 

"Esta é uma crise a uma escala global", refere o relatório "Early Action on Super-charged El Nino Vital to Save Lives".

 

"O atual El Niño é um dos mais fortes alguma vez medidos, o que que quer dizer que vão ser registadas condições meteorológicas extremas, que vão ameaçar a segurança alimentar das populações, vidas e modos de subsistência".

 

El Niño é o nome dado a um padrão climático associado a um longo período de aquecimento no Pacífico tropical central e oriental.

 

Os fenómenos El Niño são alterações de entre 12 e 18 meses na distribuição da temperatura da superfície da água do oceano Pacífico que têm efeitos na meteorologia da região.

 

No mês passado, a agência meteorológica da ONU advertiu para o fenómeno, provocado por um aquecimento da temperatura do mar no Oceano Pacífico, que foi o pior em mais de 15 anos.

 

@Lusa

horadoplaneta às 06:55 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

pesquisar

 

Novembro 2017

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

posts recentes

arquivos

tags

subscrever feeds

blogs SAPO