Segunda-feira, 17.10.16

Alterasaun klimátika bele halo ema millaun 122 resin tama iha pobreza - FAO

Organizasaun ba Alimentasan no Agrikultura alerta iha loron-segunda ne'e katak hanesan urjente área agríkola adapta ba alterasaun klimátiku sira ne'ebé bele halo ema millaun 122 resin tama iha pobreza. 

 

Foto@ António Dasiparu 

 

"Tenki foti medida sira agora hodi hametin agrikultura sai sustentável liu, produtivu no fleksivel hodi nune'e impaktu sira hosi alterasaun klimátiku labele kompromete maka'as produsaun hahán nian iha nasaun no rejiaun sira ne'ebé hasoru ona inseguransa alimentar ne'ebé aas", hakerek hosi diretór-jeral organizasaun nian, José Graziano da Silva, iha prefásiu hosi relatóriu ne'ebé publika iha loron-segunda ne'e.

 

Ho títulu "Estadu hosi Alimentasaun no Agrikultura", relatóriu subliña ona katak, bainhira laiha alterasaun klimátiku, rejiaun barak sei hakarak hamenus ema sira hosi pobreza to'o tinan 2050.

Ho mudansa sira iha klima, no bainhira sei la halo buat ida, kalkula ona katak populasaun moris iha kiak iha ona aumentu ida entre millaun 3 no 122 to'o tinan 2030. Ne'e akontese liuliu tanba impaktu negativu sira hosi akesimentu global iha área agríkola.

 

Sira ne'ebé maka sei afetadu liu maka populasaun sira iha zona kiak sira hosi Áfrika subsarianu, no hosi Súl no Sudeste Aziátiku, liuliu sira ne'ebé maka depende hosi agrikultura hodi moris.

Graziano da Silva defende katak hamlaha, kiak no alterasaun klimátiku sira tenki hala'o hamutuk, maski hanesan "imperativu moral ida, tanba sira ne'ebé maka terus ohin loron hanesan ema sira ne'ebé ladún kontribui ba alterasaun klimátiku sira".

 

Relatóriu hosi FAO fó hanoin katak atu mantén aumentu hosi temperatura global ki'ik liu hosi limiti 2ºC, emisaun sira hosi gás ho efeitu estufa tenki hamenus 70% to'o tinan 2050, ne'ebé sei iha posibilidade ho kontributu hosi área agríkola sira.

 

Pelumenus, área sira ne'e hanesan responsável na 1/5 hosi emisaun sira, liuliu tanba konversaun hosi ai-laran sira iha rai ne'ebé kultivadu, maibé mós tanba pekuária no ba produsaun agríkola nian.

Maibé, tuir hakerek hosi autor sira, área agríkola hasoru dezafiu duplu: hamenus emisaun sira gás nian ho efeitu estufa iha tempu hanesan bainhira produs tan hahán hodi halo bosu populasaun ida ne'ebé aumenta no populasaun ne'ebé aumenta riku.

 

Kalkula katak asaun hodi buka hahán iha 2050 sei aumenta pelumenus 60% duke iha 2006, maibé kresimentu populasaun nian sei konsentra iha rejiaun sira ne'ebé ohin loron iha superioridade ba subnutrisaun no fraku maka'as hasoru alterasaun klimátiku sira.

 

Relatóriu rekoñese katak hadi'a fali agrkultura no sistema alimentar sira sei hanesan prosesu kompleksu ida, tanba númeru boot hosi parte envolvidu sira, ba multiplisidade hosi sistema agríkola no hosi produsaun hahán nian no ba ekosistema sira ne'ebé la hanesan.

 

Nia alerta katak tenki hahú esforsu sira agora tanba impaktu hosi alterasaun klimátiku sira sei sai aat liu ho tempu no bainhira la halo buat ida nasaun kiak sira iha futuru sei hasoru iha tempu hanesan hamlaha, kiak no mudansa klimátiku sira. Iha Graziano da Silva nia liafuan sira, "benefísiu sira adaptasaun nian ultrapasa folin sira hosi falta asaun nian ho marjen ida ne'ebé boot tebes".

 

Iha loron balun antes Konferénsia ba dala 22 hosi Parte sira Konvensaun-Kuadru ONU nian kona-ba Alterasaun Klimátiku, ne'ebé hahú iha 07 Novembru iha Maroko, relatóriu subliña katak susesu hosi mudansa agrikultura depende maka'as hosi tulun ba proprietáriu ki'ik sira iha adaptasaun ba mudansa klimátiku sira.

 

Kalkula katak iha nasaun sira iha dezenvolvimentu família hamutuk millaun 475 resin hosi proprietáriu ki'ik sira ne'ebé prodús iha kontestu sosioekonómiku sira no kondisaun agroekolójiku sira ne'ebé la hanesan, nune'e laiha de'it resposta ida.

Maibé, FAO hakerek iha relatóriu dalan "atlternativu balun no di'ak iha ekonomia" hodi tulun agrikultór sira hodi adapta no halo sira nia moris sai fleksivel, liuliu adopsaun ba hahalok matenek sira,hanesan uza kultura nitrojéniu-efisiente oioin no tolerante ba manas.

 

Adopsaun jeneralizadu hosi prátika nitrojéniu-efisiente, hanesan ezemplu, sei permiti hamenus ema millaun 100 resin hodi labele hetan subnutrisaun, kalkula iha relatóriu.

ho Lusa

horadoplaneta às 22:59 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Alterações climáticas deverão lançar até mais 122 milhões de pessoas na pobreza - FAO

A Organização para a Alimentação e a Agricultura alertou hoje que é urgente ajudar o setor agrícola a adaptar-se às alterações climáticas, que poderão lançar até mais 122 milhões de pessoas na pobreza. 

 

Foto@ António Dasiparu

 

"A menos que sejam tomadas medidas agora para tornar a agricultura mais sustentável, produtiva e resiliente, os impactos das alterações climáticas irão comprometer gravemente a produção alimentar em países e regiões que já enfrentam uma alta insegurança alimentar", escreve o diretor-geral da organização, José Graziano da Silva, no prefácio de um relatório hoje publicado.

 

Intitulado "O estado da Alimentação e da Agricultura", o relatório sublinha que, se não houvesse alterações climáticas, a maioria das regiões deveria ver reduzir o número de pessoas em risco de pobreza até 2050.

 

Com as mudanças no clima, e se nada for feito, estima-se que a população a viver em pobreza registe um aumento de entre 35 e 122 milhões até 2030.

Isto deve-se sobretudo aos impactos negativos do aquecimento global no setor agrícola.

 

Os mais afetados seriam as populações nas zonas mais pobres da África subsaariana, e do Sul e Sudeste Asiático, especialmente os que dependem da agricultura para viver.

 

Graziano da Silva defende que a fome, a pobreza e as alterações climáticas têm de ser abordadas em conjunto, quanto mais não seja "por um imperativo moral, porque aqueles que hoje mais sofrem são os que menos contribuíram para as alterações climáticas".

 

O relatório da FAO recorda que para manter o aumento da temperatura global abaixo do teto de 2°C, as emissões de gases com efeitos de estufa terão de diminuir 70% até 2050, o que só será possível com o contributo dos setores agrícolas.

 

Estes setores são responsáveis por, pelo menos, um quinto de todas as emissões, sobretudo devido à conversão das florestas em terra cultivada, mas também devido à pecuária e à produção agrícola.

 

No entanto, escrevem os autores, os setores agrícolas enfrentam um duplo desafio: reduzir as emissões de gases com efeitos de estufa ao mesmo tempo que produzem mais alimentos para saciar uma população crescente e cada vez mais rica.

 

Estima-se que a procura global por alimentos em 2050 seja pelo menos 60% maior do que em 2006, mas o crescimento populacional será concentrado nas regiões que já hoje têm maior prevalência de subnutrição e maior vulnerabilidade às alterações climáticas.

 

O relatório reconhece que reformular a agricultura e os sistemas alimentares será um processo complexo, devido ao vasto número de partes envolvidas, à multiplicidade dos sistemas agrícolas e de produção alimentar e às diferenças nos ecossistemas.

 

No entanto, alerta, os esforços têm de começar agora, porque os impactos das alterações climáticas só piorarão com o tempo e se nada for feito os países mais pobres terão no futuro de enfrentar simultaneamente a fome, a pobreza e as mudanças climáticas. Nas palavras de Graziano da Silva, "os benefícios da adaptação ultrapassam os custos da inação com margens muito grandes".

 

Nas vésperas da 22.ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas, que começa a 07 de novembro em Marrocos, o relatório sublinha que o sucesso da transformação da agricultura depende em grande medida da ajuda aos pequenos proprietários na adaptação às mudanças climáticas.

 

Estima-se que haja nos países em desenvolvimento cerca de 475 milhões de famílias de pequenos proprietários que produzem em contextos socioeconómicos e condições agroecológicas muito distintas, pelo que não existe uma só resposta.

 

No entanto, a FAO descreve, no relatório, algumas formas "alternativas e economicamente viáveis" de ajudar os agricultores a adaptar-se e a tornar as suas formas de vida mais resilientes, nomeadamente a adoção de práticas inteligentes, como o uso de variedades de culturas nitrogénio-eficientes e tolerantes ao calor.

 

A adoção generalizada de práticas nitrogénio-eficientes, por exemplo, permitiria reduzir em mais de 100 milhões o número de pessoas em risco de subnutrição, estima o relatório.

 

com Lusa

horadoplaneta às 15:31 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 28.07.16

FAO husu 109 MD hodi tulun ema afrikanu millaun 23 ne'ebé afetadu ho rai maran

Organizasaun ba Alimentasaun no Agrikultura (FAO) husu ona, iha loron-kinta ne'e, pelumenus dolar millaun 109 hodi tulun ema millaun 23 iha Áfrika Austral, ne'ebé hasoru daudaun ho rai maran ne'ebé aat liu iha tinan 35 ikus ne'e. 

 

 

Iha semana balun hodi hahú preparasasun ba rai hodi halo époka agríkola tuirmai, ajénsia hosi ONU esplika ona iha komunikadu katak folin ne'e sei destina hodi fó fini sira, fertilizante sira, ekipamentu sira no sasán sira seluk no serbisu sira ba agrikultór ki'ik sira no pekuarista sira hosi rejiaun.

 

Komunikadu hatutan katak objetivu maka iha époka agríkola tuirmai bele prodús hahán sufisiente hodi evita dependénsia ba ajuda humanitáriu to'o tinan 2018 nia klaran.

 

"Agrikultór sira tenki konsege kuda to'o fulan-Outubru no, bainhira sira la konsege, ami sei iha kolleita ida ne'ebé tuun iha fulan-Marsu 2017, afeta maka'as seguransa alimentar no nutrisional no moris sira iha rejiaun", alerta ona hosi organizasaun iha komunikadu.

 

Rai maran iha tinan rua konsekutivu, inklui ida ne'ebé aat liu iha tinan 35 ikus, ne'ebé akontese iha tinan ne'e, halo ema millaun 40 resin iha rejiaun hasoru risku inseguransa hahán to'o inísiu tinan oinmai.

 

Nasaun sira hotu senti afetadu, maibé Estadu neen - Botsuana, Lesoto, Malaui, Namíbia, Suazilándia no Zimbabué - deklara tiha ona emerjénsia nasional sira tanba rai maran, bainhira Áfrika-Súl deklara ona estadu emerjénsia iha provínsia ualu hosi nia provínsia sia no Mosambike deklara tiha ona alerta mean ida durante loron 90 iha zona balun iha súl no sentru nasaun nian.

 

Iha loron-tersa, Komunidade Dezenvolvimentu hosi Áfrika Austral (SADC) deklara ona rai maran dezastre rejional no apela ona ba tulun hosi komunidade internasional.

 

Apelu hosi SADC refere katak presiza dolar biliaun 2,7 hodi tulun área hotu hosi ekonomia rejiaun nian hodi rekupera hosi rai maran iha tinan ne'e, ne'ebé iha falta selu dolar biliaun 2,4.

 

Iha okaziaun, prezidente Botsuana no mós hosi SADC, Seretse Khama Ian Khama, hatete ona katak avaliasaun foun sira "hatudu katak númeru hosi ema sira ne'ebé iha inseguransa hahán nian maka besik millaun 40, ne'ebé reprezenta besik 14% hosi populasaun total" komunidade nian.

 

Tuir komunikadu FAO iha loron-kinta ne'e, planu hodi hatán ba ajénsia ONU nian sei alarga ba nasaun 10 - Lesoto, Madagáskar, Maláui, Mosambike, Namíbia, Áfrika-Súl, Suazilándia, Tanzánia, Zámbia ho Zimbabué - ne'ebé husu ona asisténsia espesífiku.

 

"Nível aas sira hosi dezempregu no diminuisaun ba kresimentu ekonómiku signifika katak dalan prinsipal hodi ema sira hetan hahán maka liuhosi buat ne'ebé sira produs rasik. Ajuda sira hodi halo sei fornese apoiu maka'as ida iha rejiaun ida ne'ebé pelumenus 70% hosi populasaun depende ba agrikultura hodi moris", hatete hosi kordenadór FAO nian ba Áfrika austral, DAvid Phiri, haktuir iha komunikadu organizasaun nian.

 

"Ita tenki hasai buat barak hosi janela ki'ik oportunidade nian no garanti katak agrikultór sira prontu hela hodi kuda to'o fulan-Outubru, bainhira hahú udan", nia hatutan.

 

Rai maran atual akontese tanba fenómenu El Niño no nia efeitu sira sei atinji nível máximu entre fulan-Janeiru no fulan-Marsu 2017, hatete hosi FAO.

 

Aleinde estraga iha agrikultura, ne'ebé aumenta malnutrisaun krónika iha rejiaun, rai maran halo ona bibi rihun 640 resin mate iah Botsuana, Suazilándia, Áfrika-Súl, Namíbia no Zimbabué, tanba ladún iha duut hodi haan, falta bee ka mosu moras oioin.

 

Iha reseiu katak iha tinan ne'e nia rohan sei mosu kontra fenómenu El Niño, ho naran La Niña, ne'ebé sei lori udan maka'as, no bele sai pozitivu ba agrikultura maibé mós bele hamosu bee-sa'e ne'ebé bele estraga produsaun no ameasa animal sira.

 

ho Lusa

horadoplaneta às 15:56 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

FAO pede 109 MD para ajudar 23 milhões de africanos afetados pela seca

A Organização para a Alimentação e a Agricultura (FAO) pediu, esta quinta-feira, pelo menos 109 milhões de dólares para ajudar 23 milhões de pessoas na África Austral, que se deparam com a pior seca dos últimos 35 anos. 

 

 

A semanas de começar a preparação da terra para a próxima época agrícola, a agência das Nações Unidas explicou em comunicado que este montante se destina a fornecer sementes, fertilizantes, equipamentos e outros bens e serviços aos pequenos agricultores e pecuaristas da região.

 

O objetivo, acrescentou, é que na próxima época agrícola consigam produzir alimentos suficientes para evitarem ficar dependentes da ajuda humanitária até meados de 2018.

 

"Os agricultores têm de conseguir plantar até outubro e, se não o conseguirem, teremos mais uma colheita reduzida em março de 2017, afetando severamente a segurança alimentar e nutricional e as vidas na região", alertou a organização no comunicado.

 

Dois anos consecutivos de seca, incluindo a pior dos últimos 35 anos, que se verificou este ano, deixaram quase 40 milhões de pessoas na região em risco de insegurança alimentar até ao início do próximo ano.

 

Todos os países estão afetados, mas seis Estados - Botsuana, Lesoto, Malaui, Namíbia, Suazilândia e Zimbabué - já declararam emergências nacionais devido à seca, enquanto a África do Sul declarou o estado de emergência em oito das suas nove províncias e Moçambique declarou um alerta vermelho de 90 dias em algumas zonas do sul e do centro do país.

 

Na terça-feira, a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) declarou a seca um desastre regional e apelou à ajuda da comunidade internacional.

 

O apelo da SADC refere que são precisos 2,7 mil milhões de dólares para ajudar todos os setores da economia da região a recuperar da seca deste ano, dos quais ainda falta financiar 2,4 mil milhões de dólares.

 

Na ocasião, o presidente do Botsuana e, por inerência, da SADC, Seretse Khama Ian Khama, disse que as avaliações mais recentes "indicam que o número de pessoas em insegurança alimentar é de cerca de 40 milhões, o que representa cerca de 14% da população total" da comunidade.

 

Segundo o comunicado da FAO de hoje, o plano de resposta daquela agência da ONU cobre 10 países - Lesoto, Madagáscar, Maláui, Moçambique, Namíbia, África do Sul, Suazilândia, Tanzânia, Zâmbia e Zimbabué - que pediram assistência específica.

 

"Os altos níveis de desemprego e o abrandamento do crescimento económico significam que a principal forma de as pessoas acederem à alimentação é através daquilo que elas próprias produzem. Ajudá-las a fazê-lo irá fornecer um apoio inestimável numa região onde pelo menos 70 por cento da população depende da agricultura para viver", disse o coordenador da FAO para a África austral, David Phiri, citado no comunicado da organização.

 

"Temos de retirar o máximo desta pequena janela de oportunidade e garantir que os agricultores estão prontos para plantar até outubro, quando começam as chuvas", acrescentou.

 

A seca atual deve-se ao impacto do fenómeno El Niño e os seus efeitos deverão atingir o nível máximo entre janeiro e março de 2017, estima a FAO.

 

Além dos danos na agricultura, que exacerbaram a malnutrição crónica na região, a seca matou mais de 640 mil cabeças de gado no Botsuana, Suazilândia, África do Sul, Namíbia e Zimbabué, devido a falta de pasto, falta de água ou surtos de doenças.

 

Teme-se que no final deste ano ocorra o contra fenómeno do El Niño, o La Niña, que deverá trazer chuvas abundantes, o que poderá ser positivo para a agricultura, mas também comporta o risco de de cheias, que poderiam destruir a produção e ameaçar o gado.

 

com Lusa

horadoplaneta às 15:14 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 07.03.16

Agricultura africana deve mudar para sobreviver às alterações climáticas - estudo

A agricultura da África Subsaariana, em particular a produção de feijão, milho e bananas, deverá sofrer profundas transformações para sobreviver às alterações climáticas, alerta um estudo publicado na Nature Climate Change. 

 

Foto@ FAO

 

Cientistas da Universidade de Leeds estudaram as transformações necessárias para manter os níveis de produção agrícola da região, evitando deixar em risco a segurança alimentar e a sobrevivência dos pequenos agricultores da África Subsaariana.

 

"Este estudo mostra onde, e mais crucialmente quando, é necessário fazer intervenções para impedir que as alterações climáticas destruam fontes vitais de alimentos em África", disse o cientista que coordenou o estudo, Julian Ramirez-Villegas da Universidade de Leeds.

 

com Lusa

horadoplaneta às 21:43 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

pesquisar

 

Agosto 2017

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
30

posts recentes

arquivos

tags

subscrever feeds

blogs SAPO