Sexta-feira, 14.08.15

Astrónomu sira deskobre planeta ne’ebé naroman durante tinan 100

Astrónomu sira deskobre planeta ida ne’ebé naroman durante tinan 100, planeta ne’e hanesan ho Júpiter tinan billaun no bele fó informasaun foun sira kona-ba oinsa maka planeta sira ne’e mosu, fó sai estudu ida ne’ebé horisehik publika ona iha revista Science.




Koñesidu hanesan 51 Eridani b, ne’e maka hanesan planeta dahuluk atu deteta hosi instrumentu foun ida, ho naran Gemini Planet Imager, fó sai revista.
Hanesan "planeta dahuluk ne’ebé nurak, bainbain atu hanesan ho Júpiter iha tinan billaun, nakfilak aan halo ita presiza fera ulun maka’as hodi deskobre planeta sira", dehan Travis Barman, profesór ne’ebé asosia hosi Siénsia Planetária Universidade Arizona.


Fitun ne’ebé orbita, 51 Eridani, iha de’it tinan rihun 20, ne’ebé nurak tebes, konsidera katak Loro iha tinan billaun 4,5.


Kahor ho metanu, planeta ne’ebé iha massa liu dalar rua kompara ho Júpiter -- planeta ne’ebé boot liu iha ita-nia sistema solar – no iha metanu ne’ebé forte liu dala ruma deskobre iha atmosfera hosi planeta alienígena ida.


Temperatura planeta bele hetan 427 graus Celsius, sufisiente atu bele harahun chumbo.


"Ida ne’e maka planeta ne’ebé lolos nian ita hakarak deskobre bainhira ita haree Gemini Planet Imager", dehan James Graham, hosi Universidade Kalifórnia, profesór astronomia ne’ebé maka halo instrumentu refere.


"Ita hakarak hetan planeta sira bainhira sei nurak hela, atu nune’e it abele deskobre prosesu formasaun", haktuir.


Gemini Planet Imager ne’ebé kria proju hodi deskobre planeta sira hodi buka fitun sira.


Instrumentu ne’e ninia tamañu besik hanesan ho kareta ki’ik ida ne’ebé monta hela iha fatin ida ho metru ualu iha Chile, komesa halo ona serbisu iha dezembru tinan 2014.


Misaun ne’ebé lahanesan ho NASA, koñesidu hanesan teleskópiu espasiál Kepler, buka planeta sira liuhosi halo estudu ba fitun sira. Objetivu prinsipál hosi Kepler maka atu deskobre planeta sira hanesan Rai no bele mós hodi sustenta moris.


SAPO TL ho Lusa

horadoplaneta às 07:44 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Astrónomos descobrem planeta a 100 anos de luz de distância

Astrónomos descobriram um planeta a 100 anos de luz de distância, parecido com Júpiter há biliões de anos e que pode dar novas informações sobre como os planetas se formam, refere um estudo publicado ontem na revista Science.




Conhecido como 51 Eridani b, o planeta é o primeiro a ser detetado por um novo instrumento, denominado Gemini Planet Imager, segundo a revista.


É "o primeiro planeta jovem, que provavelmente se parece com Júpiter há bilhões de anos, tornando-se no nosso principal quebra-cabeças da formação de planetas", disse Travis Barman, professor associado de Ciências Planetárias da Universidade do Arizona.


A estrela que orbita, a 51 Eridani, tem apenas 20 milhões de anos, bastante jovem, considerando que o Sol tem cerca de 4,5 bilhões de anos.
Envolto em metano, o planeta tem cerca de duas vezes a massa de Júpiter -- o maior planeta do nosso sistema solar -- e tem o metano mais forte alguma vez detetado na atmosfera de um planeta alienígena.


A temperatura do planeta deverá rondas os 427 graus Celsius, o suficiente para derreter chumbo.


"Este é exatamente o tipo de planeta que queríamos descobrir quando projetamos o Gemini Planet Imager", disse James Graham, da Universidade da Califórnia, professor de astronomia que projetou aquele instrumento.


"Queríamos encontrar planetas enquanto são jovens, para que possamos descobrir o processo de formação", disse.


O Gemini Planet Imager foi projetado para descobrir novos planetas a orbitar estrelas.


O instrumento é aproximadamente do tamanho de um carro pequeno e está montado num espaço de cerca de oito metros no Chile, tendo começado a trabalhar em dezembro de 2014.


Uma missão separada da NASA, conhecida como o telescópio espacial Kepler, procura planetas através do estudo de estrelas. O principal objetivo do Kepler é encontrar planetas como a Terra e possam ser capazes de sustentar vida.


@Lusa

 

horadoplaneta às 07:39 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 15.07.15

Juñu liubá hanesan fulan ida ne’ebé manas liu iha mundu dezde finál sékulu XIX – Japaun

Iha fulan-Juñu liubá sai hanesan fulan ida ne’ebé manas liu iha planeta dezde komesa rekolla dadus, iha finál sékulu XIX, ne’ebé publika ohin ba Ajénsia Meteorolójika Japaun (JMA).

 


Temperatura média ba superfísie globu hosi juñu 2015 hetan sentígradu grau 0,41, liu fali média ne’ebé rejistu entre tinan 1981-2010 no superiór ho 0,76 graus ba média hosi sékulu XX , ne’ebé transforma hanesan fulan ida ne’ebé manas liu dezde rekolla dadus vez dahuluk, iha tinan 1891, fó sai ba JMA.
Indikadór ida ne’e rezulta média entre temperatura sira hosi superfísie terrestre no oseánika.


Juñu 2015 koinsidi ho xegada rai-manas maka’as maka afeta faixa osidentál europeia. Aliás, iha Portugal sai hanesan fulan ida ne’ebé manas liu iha tinan sanulu ikus ninian no kintu dezde 1931, ho temperatura média hosi ar kuaze 22 graus Celsius, "superior liu" duke normal, konforme dadus sira ne’ebé fó sai hosi Instituto Português do Mar no Atmosfera (IPMA).


Organizmu barak, inklui ba JMA, mós aponta hela katak forsa ne’ebé hetan iha tinan ida ne’e hosi fenómenu El Niño iha Oseanu Pasífiku sei hetan efeitu iha temperatura sira iha globu tomak.


Ajénsia Oseánika no Atmosférika hosi Estadus Unidus (NOAA, sigla iha lian-inglés), ne’ebé fó sai foin lalais ne’e katak fulan-Maiu liubá sai hanesan fulan ne’ebé manas liu maka nunka akontese, tenki publika ba relatóriu iha loron sira oin mai kona-ba temperatura média globál hosi juñu nian.


Espesialista sira hein katak bele iha diverjénsia ki’ik-oan sira, maibé sira konsidera katak vereditu sei hanesan, tanba juñu sai hanesan fulan ida ne’ebé manas liu iha mundu istória nian foin lalais ne’e.


SAPO TL ho Lusa

horadoplaneta às 08:47 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Junho passado foi o mês mais quente no mundo desde finais do século XIX - Japão

O passado mês de junho foi o mês mais quente em todo o planeta desde que se começaram a recolher dados, em finais do século XIX, publicou hoje a Agência Meteorológica do Japão (JMA).

 


A temperatura média à superfície do globo de junho de 2015 foi de 0,41 graus centígrados, acima da média registada entre os anos 1981-2010 e superior em 0,76 graus à média de todo o século XX, o que o transforma no mês mais quente desde que se recolheram dados pela primeira vez, em 1891, segundo a JMA.


Este indicador resulta da média entre as temperaturas da superfície terrestre e da oceânica.


Junho de 2015 coincidiu com a chegada de uma onda de calor que afetou sobretudo a faixa ocidental europeia. Aliás, em Portugal foi o mês mais quente dos últimos dez anos e o quinto desde 1931, com uma temperatura média do ar de quase 22 graus Celsius, "muito superior" ao normal, segundo dados divulgados pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).


Muitos organismos, incluindo a JMA, têm também apontando que a força exibida este ano pelo fenómeno El Niño no Oceano Pacífico terá efeitos nas temperaturas em todo o globo.


A Agência Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA, sigla em inglês), que revelou recentemente que maio passado foi o mês mais quente de sempre, deve publicar nos próximos dias o relatório referente às temperaturas médias globais de junho.


Especialistas esperam que possa haver pequenas divergências, mas consideram que o veredito será o mesmo, pelo que junho vingará como o mês mais quente no mundo da história recente.


@Lusa

horadoplaneta às 08:45 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 13.07.15

Austrália adia anúnsiu kona-ba meta redusaun CO2 nian ba períudu pós-2020

Governu australianu adia fali anúnsiu kona-ba sira-ninia objetivu hodi hamenus gazes poluentes ba períudu pós-2020, bainhira nasaun barak maka fixa ona metas, tuir informasaun ne’ebé fó sai ohin hosi “media” lokál.




Primeiru ministru, Tony Abbott, ko’alia lia hirak ne’e ohin durante reuniaun partidária hafoin loke hikas sesaun lejislativas, ba 1-agostu, wainhira anúnsiu refere tenke fó sai to’o meadu tinan ne’e, dehan ajénsia AAP.


Adiamentu ba anúnsiu refere akontese bainhira governu konservadór australianu husu ba Korporasaun Finansiamentu Enerjia Limpa (CEFC, sigla iha lian inglés) hodi lainveste iha teknolojia eólika, no ba iha projetu jerasaun kiik hosi enerjia solár.


Orden ne’e halo parte iha akordu ho senadór balun hodi hetan aprovasaun hosi Objetivu Enerjia Renovável foun, fulan kotuk ne’ebé hamenus hosi 41.000 ba 33.000 gigawatts kada oras iha 2020.


Iha semana kotuk, Nova Zelándia fó sai katak sei aumenta tan sira ninia meta redusaun gazes ho efeitu hosi estufa ba 2030, hodi hamenus ba 30% hosi nivel ne’ebé rejista ona iha 2005.


Objetivu foun hosi neozelandés ne’e sei aprezenta tuir ámbitu hosi Kovensaun Kuadru Nasoens Unidas nian kona-ba Alterasaun Klimátika, atu nune’e bele alkansa akordu globál foun iha simeira Paris dezembru (COP21).


SAPO TL ho Lusa

horadoplaneta às 06:00 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Austrália adia anúncio sobre metas de redução de CO2 referente ao período pós-2020

O Governo australiano adiou o anúncio sobre os seus objetivos de redução de gases poluentes para o período pós-2020, numa altura em que diversos países já fixaram metas, informam hoje os 'media' locais.



 

O primeiro-ministro australiano, Tony Abbott, assinalou hoje que pretende abordar o assunto durante uma reunião partidária aquando da retoma das sessões legislativas, a 11 de agosto, quando o anúncio devia ter ser feito até meados do ano, refere a agência AAP.

 

O adiamento do anúncio ocorre depois de o governo conservador australiano ter ordenado à Corporação de Financiamento de Energia Limpa (CEFC, na sigla em inglês) para não investir em tecnologia eólica nem em pequenos projetos de geração de energia solar.

 

A ordem faz parte do acordo com alguns senadores para lograr a aprovação, no mês passado, do novo Objetivo de Energia Renovável que o reduz de 41.000 para 33.000 gigawatts por hora em 2020.

 

Na semana passada, a Nova Zelândia anunciou que vai aumentar a sua meta de redução de gases com efeito de estufa para 2030, colocando-a 30% abaixo dos níveis registados em 2005.

 

O novo objetivo neozelandês vai ser apresentado no âmbito da Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas, em que se espera alcançar um novo acordo global na cimeira de Paris de dezembro (COP21).

 

@Lusa

horadoplaneta às 05:56 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 14.04.15

Marte bele iha bee líkidu, maibé laiha moris

Análize dadus robô Curiosity, NASA nian, reforsa ipóteze katak bee líkidu bele eziste iha Marte, revela horisehik estudu ida, alerta, maibé, ba improbabilidade atu hetan moris iha planeta.

 

 

"Ami deskobe kálsiu perkloratu iha rai, ne’ebé, iha kondisaun balun, absorva vapór bee nian iha atmosfera", esplika koautór investigasaun ida, Morten Bo Madsen, hosi Institutu Niels Bohr hosi Universidade de Copenhaga, iha Dinamarka.

 

Perkloratu ne’e, tipu masin ida, hatun pontu konjelasaun bee nian, ba pontu atu sai líkidu.

 

"Mezmu karik bee, iha forma líkidu, eziste iha Marte, ne’e improvável atu hetan moris", refere, iha nia portál, institutu Morten Bo Madsen, hatudu katak ambiente "planeta vermelho" ne’e "maran liu, malirin no sujeitu ba radiasaun kósmika forte tebes tanbá ne’e penetra iha superfísie hodi hamate tipu moris hotu", pelumenus ne’ebé maka komparável ho ida iha Rai.

 

Tuir estudu ne’ebé publika iha revista Nature, wainhira to’o, parte ida hosi vapór bee nian iha atmosfera kondensa iha superfísie Marte nian hanesan jelu.

 

Maibé, kálsiu perkloratu absorvente tebes no sai fali bee no bee ho masin, ne’ebé hatun pontu konjelasaun no permite jelu transforma fali ba bee líkidu, esplika Morten Bo Madsen.

 

Sai rai ne’ebé porozu, bee infiltr-aan.

 

Observasaun sira hosi robô Curiosity, wainhira iha Monte Sharp, iha kratera Gale nia klaran, fó sasin mós kona-ba prezensa depózitu sedimentár nian ne’ebé husik hela iha pasadu dook hosi bee.

 

"Tipu depózitu ne’e forma wainhira kuantidade bo’ot hosi bee sului iha kratera no alkansa bee ne’ebé estagnada, sai fali lagu", adianta investigadér ne’e.

 

Tuir koautór investigasaun ida seluk, Alfred McEwen, hosi Universidade Arizona, iha Estados Unidos, karik iha bee ho masin iha Gale kratera, zona ne’ebé manas tebes no Marte, sai maran tanba ne’e menus propísia hodi hetan bee masin ne’e, posível atu nia mós mosu "fatin planeta sira seluk".

 

Robô Curiosity, hosi ajénsia espasiál norte-amerikana NASA, hela iha rai marsianu iha fulan agostu 2012, hodi estuda di’ak liu tan kona-ba planeta ne’e.

 

Fula ida ona maka, investigasaun konjunta ida hosi NASA no hosi Observatóriu Europeu Súl, organizasaun iha ne’ebé Portugál halo parte, revela katak oseanu primitivu iha Marte iha bee barak liu duke Oseanu Ártiku iha Rai no kobre superfísie bo’ot ida hosi "planeta vermelho" duku ida ne’ebé koberta hosi Oseanu Atlántiku iha "planeta azul".

 

Ekipa internasionál astrofíziku ida konsege “distine asinatura kímika ho tipu bee atmosférika Marte nian rua no halo mapa propriedade bee nian iha rejiaun atmosfera oioin " hosi planeta durante besik tinan neen.

 

SAPO TL ho Lusa

 

horadoplaneta às 02:27 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Marte poderá ter água líquida, mas não vida

Análises de dados do robô Curiosity, da NASA, reforçam a hipótese de que a água líquida poderá existir em Marte, revela ontem um estudo, alertando, porém, para a improbabilidade de ser encontrada vida no planeta.

 

 

 

"Descobrimos perclorato de cálcio no solo, que, sob certas condições, absorve o vapor de água presente na atmosfera", explicou um dos coautores da investigação, Morten Bo Madsen, do Instituto Niels Bohr da Universidade de Copenhaga, na Dinamarca.

 

O perclorato, um tipo de sal, baixa o ponto de congelação da água, ao ponto de a tornar líquida.

 

"Mesmo se a água, sob a forma líquida, existe em Marte, é improvável que se encontre vida", refere, no seu portal, o instituto de Morten Bo Madsen, assinalando que o ambiente do "planeta vermelho" é "demasiado seco, frio e sujeito a radiações cósmicas tão potentes que penetram na superfície, matando todo o tipo de vida", pelo menos a que é comparável com a da Terra.

 

De acordo com o estudo, publicado na revista Nature, quando a noite cai, uma parte do vapor de água na atmosfera condensa-se à superfície de Marte como gelo.

 

Contudo, o perclorato de cálcio é muito absorvente e forma com a água uma salmoura, o que diminui o ponto de congelação e permite ao gelo transformar-se em água líquida, explicou Morten Bo Madsen.

 

Sendo o solo poroso, a água infiltra-se.

 

As observações do robô Curiosity, a subir o Monte Sharp, no meio da cratera Gale, testemunham igualmente a presença de depósitos sedimentares deixados num passado distante por água.

 

"Estes tipos de depósitos formaram-se quando grandes quantidades de água fluíam ao longo da cratera e alcançaram águas estagnadas, na forma de um lago", adiantou o investigador.

 

Segundo outro coautor da investigação, Alfred McEwen, da Universidade do Arizona, nos Estados Unidos, se existe uma salmoura na cratera de Gale, zona mais quente e seca de Marte, e, portanto, menos propícia para ter esta água salgadíssima, é possível que ela também surja "em muitos outros lugares do planeta".

 

O robô Curiosity, da agência espacial norte-americana NASA, fixou-se em solo marciano em agosto de 2012, para estudar melhor o planeta.

 

Há um mês, uma investigação conjunta da NASA e do Observatório Europeu do Sul, organização da qual Portugal faz parte, revelou que um oceano primitivo em Marte continha mais água do que o Oceano Ártico na Terra e cobria uma maior superfície do "planeta vermelho" do que a que é coberta pelo Oceano Atlântico no "planeta azul".

 

Uma equipa internacional de astrofísicos conseguiu distinguir as assinaturas químicas de dois tipos de água atmosférica de Marte e mapeou "as propriedades da água em diversas regiões da atmosfera" do planeta durante cerca de seis anos.

 

@Lusa

horadoplaneta às 02:16 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 07.04.15

Greenpeace okupa plataforma petrolífera Shell hodi fó sai kona-ba esplorasaun Ártiku

Militante ho organizasaun ekolojista Green peace horisehik okupa ona plataforma petrolífera Shell nian ida ne’ebé hala’o hela viajen bá Oseanu Ártiku, hodi alerta kona-ba perigu esplorasaun hidrokarbonetu, tuir fonte hosi organizasaun la’os-governamentál ne’e fó sai.

 

 

Ativista na’in neen hosi organizasaun defeza ambiente nian sa’e ba plataforma ne’ebé ho tonelada rihun 38, ho naran “Polar Pioneer”, bainhira sei iha Oseanu Pasífika, kilómetru 1.200 ba oeste Havai, uza ró ne’ebé halo ho pneu, hosi ró Greenpeace, “Esperanza".

 

 

Militante na’in neen ne’e mai hosi EUA, Alemaña, Nova Zelándia, Austrália, Suésia no Áustria, sira mós iha mantimentu ba loron barak no bele ko’alia ba mundu tomak, hatutan Greenpeace iha komunikadu.

 

“Ami konsege! Ami hela plataforma Shell. No la’os mesak. Imi hotu bele ajuda hodi transforma hodi sai plataforma ne’ebé apoia poder ba povu”, dehan partisipante ida, Aliyah Field liu hosi mensajen ne’ebé publika iha Twitter.

 

Partisipante seluk, neozelandés Johno Smith dehan: “Ami iha ne’e hodi subliña katak menus hosi loron 100 Shell sei ba iha (Oseanu) Ártiku hodi peskiza mina”.

 

Smith hatutan tan katak “ambiente puru hanesan ne’e presija hetan protesaun ba jerasaun futuru nian no ba mós seres vivu seluk ne’ebé sei hela iha ne’ebá”, ho razaun katak, “la’os Shell (prevé) maka sai hanesan benefisiu ba fuzaun zelu hodi aumenta dezastre ne’ebé ema maka kria”.

 

Portavóz Shell nian ida, Kelly Op de Weegh, dehan ba AFP katak “manifestante Greenpeace nian halo embarkasaun ilegalmente ba iha “Polar Pionner”, ne’ebé kontrola hosi Shell, no ida ne’e la’os fó de’it perigu ba seguransa tripulasaun maibé ba mós manifestante ninia aan rasik”.

 

Kelly Op de Weegh dehan mós katak “Shell hasoru malu ona ho organizasaun no ema hirak ne’ebé kontra esplorasaun petrolífera iha Alaska (Estadu EUA nian)”, hatutan tan katak maski “respeita ho pontu devista ne’e” no “hakarak halo diálogu”, Shell “sei latolera serbisu tátika ilegál ne’ebé Greenpeace uza ka fó dalan atu serbisu ne’e inkomoda perparativu hothotu ne’ebé iha ona hodi hala’o programa esplorasaun seguru no responsável”.

 

SAPO TL ho Lusa

horadoplaneta às 06:11 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Greenpeace ocupa plataforma petrolífera Shell para denunciar exploração Ártico

Militantes da organização ecologista Greenpeace ocuparam ontem uma plataforma petrolífera da Shell, que estava em viagem para o Oceano Ártico, para alertar para os perigos da exploração de hidrocarbonetos, indicou fonte daquela organização não-governamental.

 

 

Seis ativistas da organização de defesa do ambiente subiram para a plataforma, de 38 mil toneladas, chamada “Polar Pioneer”, quando se encontrava no Oceano Pacífico, a 1.200 quilómetros a oeste do Havai, utilizando barcos pneumáticos, a partir de um navio da Greenpeace, o “Esperanza"”.

 

Os seis militantes, provenientes dos EUA, Alemanha, Nova Zelândia, Austrália, Suécia e Áustria, têm mantimentos para vários dias e podem comunicar com o mundo exterior, adiantou a Greenpeace, em comunicado.

 

“Conseguimos! Estamos na plataforma da Shell. E não estamos sozinhos. Todos podem ajudar a transformar esta numa plataforma a favor do poder para o povo”, afirmou uma das participantes, Aliyah Field, em mensagem divulgada através da rede social Twitter.

 

Outro participante, o neozelandês Johno Smith, da mesma forma, afirmou: “Estamos aqui para sublinhar que em menos de 100 dias a Shell vai estar no (Oceano) Ártico para pesquisar petróleo”.

 

Smith acrescentou que “este ambiente imaculado em necessidade de ser protegido para as gerações futuras e para todos os seres vivos que aí vão viver”, contrapondo que “em vez disto, a Shell (prevê) beneficiar da fusão dos gelos para aumentar este desastre causado pelo homem”.

 

Uma porta-voz da Shell, Kelly Op de Weegh, confirmou à AFP que “manifestantes da Greenpeace embarcaram ilegalmente na “Polar Pionner”, que está contratada pela Shell, colocando em perigo não apenas a segurança da tripulação como a dos próprios manifestantes”.

 

Kelly Op de Weegh disse também que “a Shell reuniu-se com organizações e indivíduos que se opõem à exploração petrolífera no Alasca [Estado dos EUA]”, acrescentando que, apesar de “respeitar o ponto de vista” destes e “valorizar o diálogo”, a Shell “não vai tolerar o emprego de táticas ilegais utilizadas pela Greenpeace ou permitir que estas a distraiam dos preparativos em cursos para realizar um programa de exploração seguro e responsável”.

 

@Lusa

horadoplaneta às 06:05 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

pesquisar

 

Agosto 2017

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
30

posts recentes

arquivos

tags

subscrever feeds

blogs SAPO