Sexta-feira, 16.09.16

O ano de 2016 está a caminho de tornar-se no mais quente da história

A Organização Meteorológica Mundial (OMM) indicou hoje que 2016 está a caminho de se converter no ano mais quente de que há registos históricos e este pode ser o padrão de uma nova realidade. 

 

Pôr-do-sol em Hanover, Alemanha. Foto@ Julian Stratenschulte / EPA

 

“Fomos testemunhas de um período prolongado de calor extraordinário e tudo indica que se isto se converterá na nova norma”, afirmou Petteri Taalas, secretário-geral da OMM, citado pela agência EFE.

 

O ano está a ser marcado pelo registo de níveis de concentração de dióxido de carbono extremamente altos e pela quebra sucessiva de recordes de temperatura, assinalou ainda o finlandês que dirige a agência das Nações Unidas para o clima.

 

Esta situação e o aquecimento das águas dos oceanos esteve na origem do fenómeno de branqueamento dos corais, sublinhou ainda.

 

“O período excecionalmente prolongado de aquecimento global continuou em agosto, que foi o mais quente nos registos tanto na superfície da terra como nos oceanos”, acrescentou a porta-voz da OMM, Claire Nullis, que citou dados da agência espacial norte-americana (NASA) e do Centro Europeu para as Previsões Meteorológicas a Médio Prazo.

 

Por outro lado, de acordo com os últimos dados, também a superfície de gelo do Ártico alcançou durante o verão boreal, no passado dia 10 de setembro, a segunda mais pequena extensão de sempre, desde que começaram a ser realizados registos por satélite, há 37 anos. A extensão da superfície de gelo este ano apenas é comparável com a verificada em 2007.

 

A extensão de gelo no Ártico foi de 4,14 milhões de quilómetros quadrados e os cientistas acreditam que a situação só não foi mais dramática devido ao verão fresco este ano nessa parte do mundo, em razão de períodos nublados e tempestades regulares.

 

“Essas condições climatéricas desaceleram a perda de gelo durante o verão, mas no essencial estamos apenas um degrau abaixo do recorde”, indicou Nullis.

 

A menor superfície de gelo ártico data de 17 de setembro de 2012, quando diminuiu até aos 3,39 milhões de quilómetros quadrados.

 

com Lusa

horadoplaneta às 14:04 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 14.03.16

Fevereiro foi 1,35º mais quente em todo o mundo

Fevereiro foi 1,35º mais quente que a temperatura média histórica do mês em todo o mundo. 

 

O clima quente em Sydney, Austrália. EPA@ Dean Lewins


As temperaturas globais do mês de Fevereiro bateram todos os recordes históricos por uma larga margem, de acordo com dados da agência norte-americana NASA, que voltou a relembrar a necessidade de medidas que mitiguem as alterações climáticas.

 

De acordo com a NASA, a temperaturas globais subiram 1,35º em relação às temperaturas médias para este mês medidas no período entre 1951 e 1980. “É um grande choque e mais uma lembrança da subida incessante das temperaturas globais resultantes de gases com efeito de estufa produzidos pelo Homem”, escreveram Jeff Masters e Bob Henson no blog Weather Underground, que analisou os dados.

 

Na verdade, o mês de Janeiro já tinha batido todos os recordes de temperatura, com os termómetros a subirem 1,15ºC em relação à media global daquele mês.

 

O Weather Underground explica ainda que, embora parte deste fenómeno tenha sido originado pelo El Niño, no Oceano Pacífico, a verdade é que as temperaturas foram mais altas que as ocorridas no último El Niño, em 1998, um fenómeno que foi tão violento como o deste ano.

 

“Estamos numa espécie de emergência climática”, explicou à Fairfax Media Stefan Rahmstorf, do Postdam Institute of Climate Impact Research, da Alemanha. “Isto é realmente incrível e sem precedentes”, concluiu.

 

Fonte: Green Savers

horadoplaneta às 10:43 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

pesquisar

 

Janeiro 2018

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

arquivos

tags

subscrever feeds

blogs SAPO