Quinta-feira, 31.08.17

WWF: Deskobre kuaze espésie foun hamutuk 400 iha Amazónia iha tinan rua nia laran

Sientista sira deskobre ona espésie foun hamutuk 381 hosi ai-horis sira no animal sira, inklui lekirauk, golfiñu, anfíbiu sira no réptil sira, iha rejiaun amazóniku iha tinan rua, informa ona iha loron-kuarta ne'e hosi Fundu Mundial ba Natureza (WWF). 

 

 

Espésie foun ida rejistadu ona iha tinan rua dala ida entre Janeiru 2014 no Dezembru 2015, maioria iha área sira konservasaun nian ka zona sira ne'ebé besik.

 

Tuir relatóriu hosi organizasaun ekolojista, deskobre ona iha ai-laran amazóniku ai-horis hamutuk 216, ikan 93, anfíbiu 32, réptil 19, mamíferu 20 - mamíferu rua hanesan fósil - no manu ida.

 

Entre sira ne'ebé maka bolu atensaun maka lekirauk ida, ho ikus naruk mean, hetan iha noroeste estadu Mato Grosso, espésie foun ida ikan golfiñu mota nian, ne'ebé karik hahú mosu iha tinan millaun 2,8 liubá no manu ida ho kanta ne'ebé espesial tebes.

 

Tuir investigador sira, espésie haat rejista ona iha Rezerva Nasional Kobre no sira nia Asosiadu (Renca), ne'ebé iha loron hirak ne'e, sai hanesan objetu ba debate maka'as ida tanba dekretu polémika ida hosi Governu brazileiru ne'ebé loke área liu 47.000 kilómetru kuadradu - área boot ida liu Dinamarka - ba esplorasaun mineira privadu ida.

 

Área ne'e harii iha 1984, situa entre estadu Amapá no estadu Pára, fronteira ho Suriname no Guiana Franseza.

 

Hodi hatán ba krítika sira ne'e, Ezekutivu desidi muda dekretu, maibé justisa federal brazileiru determina ona nia suspensaun, hanesan mós ba "asaun administrativu ruma" ne'ebé hakarak halakon Renca, desizaun ida ne'ebé Brazília sei hakarak halo apelu kontra.

 

Ne'e hanesan edisaun datoluk ba relatóriu, fó sai hosi WWF hamutuk ho Institutu Mamirauá, elabora hosi sientista sanulu resin ne'ebé estuda espésie sira iha rai laran no hasoru ho deskoberta foun sira ho baze hosi informasaun sira ne'ebé iha ona.

 

Entre tinan 2010 no 2013 deskobre ona espésie foun hamutuk 602 no entre 1999 no 2009 númeru aumenta to'o 1.200.

 

Dokumentu destaka ona katak, maski iha esforsu sira iha tinan ikus ne'e, "maibé iha mamuk ida kona-ba koñesimentu kona-ba diversidade loloos Amazónia nian", tanba extensaun hosi teritóriu ka tanba "auzénsia hosi rekursu hodi halo investigasaun sira".

 

WWF hatete fali kona-ba importánsia hodi "aumenta atensaun" ba rejiaun ne'ebé "terus ona tanba impaktu desflorestasaun nian, tanba atividade agropekuáriu no tanba obra boot sira infraestrutura nian, hanesan konstrusaun hidroelétriku no estrada sira".

 

ho Lusa

horadoplaneta às 16:26 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

WWF: Quase 400 novas espécies descobertas na Amazónia em dois anos

Cientistas descobriram 381 novas espécies de fauna e flora, incluindo macacos, golfinhos, anfíbios e répteis, na região amazónica em dois anos, informou na quarta-feira o Fundo Mundial para a Natureza (WWF, na sigla em inglês). 

 

 

Uma nova espécie foi registada a cada dois dias entre janeiro de 2014 e dezembro de 2015, a maioria em áreas de conservação ou zonas próximas.

De acordo com o relatório da organização ecologista, foram descobertas na selva amazónica 216 plantas, 93 peixes, 32 anfíbios, 19 répteis, 20 mamíferos - dois deles fósseis - e uma ave.

 

Entre os mais chamativos figura um macaco, com uma longa cauda avermelhada, avistado no noroeste do estado de Mato Grosso, uma nova espécie de golfinho de água doce, que se estima que tenha aparecido há 2,8 milhões de anos, e um pássaro com um canto muito peculiar.

 

Segundo os investigadores, quatro das espécies foram registadas na Reserva Nacional de Cobre e seus Associados (Renca), que tem sido, nos últimos dias, objeto de um intenso debate devido a um polémico decreto do Governo brasileiro que abria essa área de mais 47.000 quilómetros quadrados - uma superfície maior do que a Dinamarca - para a exploração mineira privada.

 

Essa área foi criada em 1984, ficando entre os estados do Amapá e do Pará, fronteiriços com o Suriname e Guiana Francesa.

 

Em resposta à onda de críticas, o Executivo decidiu alterar o decreto, mas a justiça federal brasileira determinou a sua suspensão, bem como a de “qualquer ato administrativo” que procure extinguir a Renca, uma decisão da qual Brasília já anunciou que vai recorrer.

 

Esta é a terceira edição do relatório, divulgada pelo WWF a par com o Instituto Mamirauá, elaborado por dezenas de cientistas que estudaram as espécies no terreno e contrastaram as novas descobertas com as bases de dados existentes.

 

Entre 2010 e 2013 foram descobertas 602 novas espécies, enquanto entre 1999 e 2009 o número escalou até às 1.200.

 

O documento destacou que, apesar dos esforços dos últimos anos, “existe, todavia, uma lacuna em termos de conhecimento sobre a real diversidade da Amazónia”, devido à vasta extensão do território ou à “a ausência de recursos para efetuar investigações”.

 

WWF ressalvou a importância de se “redobrar a atenção” naquela região, que “sofreu o impacto da deflorestação, da atividade agropecuária e de grandes obras de infraestruturas, como a construção de hidroelétricas e estradas”.

 

Lusa

horadoplaneta às 15:48 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 29.08.17

UNICEF: Ema millaun 180 resin laiha asesu ba bee-moos

Ema millaun 180 resin laiha asesu ba bee-moos iha nasaun sira ne'ebé afetadu ho funu, violénsia no instabilidade iha mundu tomak, UNICEF alerta iha loron-tersa ne'e, iha inísiu Semana Mundial Bee nian. 

 

 

"Ema sira ne'ebé moris hasoru situasaun instável sira hanesan naturalmente susar tebes hetan bee-moos ne'ebé maka populasaun sira iha situasaun estável iha: hosi ema millaun 484 resin ne'ebé maka laiha moris hakmate iha 2015, ema millaun 183 laiha servisu báziku bee-moos nian", haktuir hosi análize foun ida hosi Organizasaun Mundial Saúde (OMS) nian no hosi Fundu ONU nian ba Infánsia (UNICEF), hatete hosi UNICEF iha komunikadu.

 

Diretór hosi Programa Bee, Saneamentu ho Hijiene hosi ajénsia espesializadu ONU nian, Sanjay Wijesekera, hatete iha loron-tersa ne'e katak "labarik sira nia asesu ba bee-moos no saneamentu hanesan direitu ida, la'ós priviléjiu", razaun ne'ebé nia defende ona katak "iha nasaun sira ne'ebé hasoru violénsia, ho ema deslokadu sira, konflitu sira no instabilidade, dalan báziku sira hosi sobrevivénsia labarik sira nian - bee - tenki sai hanesan prioridade".

 

Iha Iémen, "nasaun ida ne'ebé senti impaktu hosi tinan rua resin konflitu nian, rede sira abastesimentu bee nian ne'ebé serve sidade boot sira hetan risku beibeik tanba estraga sira ne'ebé maka funu halo" no "ema millaun 15 resin la hetan asesu regular ba bee no saneamentu", UNICEF hatete.

 

Iha Síria, "ne'ebé konflitu atinji ona tinan dahitu, ema millaun 15 resin presiza bee-moos, inklui labarik millaun 6,4 resin", hakerek iha dokumentu ne'ebé hatudu mós katak "bee uza beibeik hanesan arma funu nian: iha de'it tinan 2016, pelumenus ko'a bee ho intensaun dala 30 - inklui iha Alepo, Damasku, Hama, Raqa ho Dara, ho bomba sira bee nian hetan destruisaun no fonte sira hetan kontaminasaun".

 

Iha Nijéria, iha área sira ne'ebé afetadu ho konflitu, iha nordeste nasaun nian, "75% hosi infraestrutura sira bee no saneamentu nian hetan estraga ka hetan destruisaun, halo ema millaun 3,6 laiha serbisu báziku sira bee nian", hatutan hosi UNICEF.

 

Iha Sudaun-Súl, "ne'ebé violénsia kontinua iha tinan tolu resin nia laran, kuaze metade hosi fonte sira bee nian ba nasaun tomak hetan estraga total ka danifikadu", refere hosi dokumentu.

 

Wijesekera alerta ona katak "bainhira labarik sira laiha bee-moos hodi hemu no bainhira sistema sira saúde nian hetan estraga, subnutrisaun no moras sira ne'ebé bele oho ema, hanesan kólera, sei mosu lalais".

 

Hanesan ezemplu, iha Iémen, "labarik sira konstitui 53% resin hosi kazu millaun resin ne'ebé deskonfia ba kólera ho diareia todan ne'ebé maka rejista ona to'o agora; Somália sofre surtu maka'as hosi kólera iha tinan lima ikus ne'e, ho kazu suspeitu ba kólera/diareia hamutuk 77.000; no iha Sudaun-Súl, epidemia kólera hanesan todan liu ne'ebé maka nasaun ne'e hasoru, ho kazu hamutuk 19.000 hahú hosi Juñu 2016", hatutan hosi testu ne'e.

 

"Iha nordeste Nijéria nian, terus tanba hamlaha, iha Somália, Sudaun-Súl ho Iémen, kuaze ema millaun 30, inklui labarik millaun 14,6, presiza urjente bee-moos", no "labarik millaun lima resin laiha hahán sufisiente, labarik millaun 1,4 iha estadu ne'ebé todan", konklui hosi ajénsia espesializadu ONU nian.

 

ho Lusa

horadoplaneta às 12:36 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

UNICEF: Mais de 180 milhões de pessoas sem acesso a água potável

Mais de 180 milhões de pessoas não têm acesso a água potável em países afetados por guerras, violência e instabilidade de todo o mundo, alertou hoje a UNICEF, no início da Semana Mundial da Água. 

 


“As pessoas que vivem em situações instáveis são quatro vezes mais propensas a não ter água potável que as populações em situações estáveis: dos cerca de 484 milhões de pessoas que viviam em situações instáveis em 2015, 183 milhões não possuíam serviços básicos de água potável”, de acordo com uma análise recente da Organização Mundial de Saúde (OMS) e do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), frisou este último em comunicado.

 

O diretor do Programa de Água, Saneamento e Higiene da agência especializada da ONU, Sanjay Wijesekera, salientou hoje que “o acesso das crianças a água potável e saneamento é um direito, não um privilégio”, razão pela qual defendeu que “nos países atingidos por violência, com deslocados, conflitos e instabilidade, os meios mais básicos de sobrevivência das crianças – a água – devem ser uma prioridade”.

 

No Iémen, “um país que se ressente do impacto de mais de dois anos de conflito, as redes de abastecimento de água que servem as grandes cidades estão em risco iminente de colapso devido a danos infligidos pela guerra” e “cerca de 15 milhões de pessoas foram excluídas do acesso regular a água e saneamento”, precisou a UNICEF.

 

Na Síria, “onde o conflito atinge o sétimo ano, cerca de 15 milhões de pessoas necessitam de água potável, incluindo cerca de 6,4 milhões de crianças”, lê-se no documento, que indica ainda que “a água tem sido frequentemente usada como arma de guerra: só em 2016, houve pelo menos 30 cortes de água deliberados - inclusive em Alepo, Damasco, Hama, Raqa e Dara, com bombas de água destruídas e fontes contaminadas”.

 

Na Nigéria, nas áreas afetadas pelo conflito, no nordeste do país, “75% das infraestruturas de água e saneamento foram danificadas ou destruídas, deixando 3,6 milhões de pessoas sem serviços básicos de água”, prossegue a UNICEF.

 

No Sudão do Sul, “onde a violência persiste há mais de três anos, quase metade das fontes de água de todo o país foram danificadas ou completamente destruídas”, refere o documento.

 

Wijesekera alertou que “quando as crianças não têm água potável para beber e quando os sistemas de saúde são deixados em ruínas, a subnutrição e doenças potencialmente fatais, como a cólera, inevitavelmente se seguirão”.

 

No Iémen, por exemplo, “as crianças constituem mais de 53% dos mais de meio milhão de casos de suspeita de cólera e diarreia aquosa aguda registados até ao momento; a Somália sofre o maior surto de cólera dos últimos cinco anos, com mais de 77.000 casos de suspeita de cólera/diarreia aquosa aguda; e no Sudão do Sul, o surto de cólera é o mais grave que o país já experimentou, com mais de 19.000 casos desde junho de 2016”, precisa-se no texto.

 

“No nordeste da Nigéria, flagelado pela fome, na Somália, no Sudão do Sul e no Iémen, quase 30 milhões de pessoas, incluindo 14,6 milhões de crianças, precisam urgentemente de água potável”, sendo que “mais de cinco milhões de crianças estão subnutridas, 1,4 milhões delas em estado grave”, concluiu a agência especializada da ONU.

 

Lusa

horadoplaneta às 11:49 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 27.07.17

Santuáriu hosi orangotango sira iha Indonézia ameasadu tanba okupasaun

Grupu ida konservasaun ambiental alerta ona katak kuaze 1/5 hosi ai-laran ne'ebé serva hanesan santuáriu ba orangutan sira iha parte indonéziu hosi Bornéu hetan okupasaun no estraga, ameasa nune'e esforsu sira reabilitasaun hosi animal ne'e iha risku. 

 

 

Foto@ Hotli Simanjuntak /EPA

 

Porta-vós hosi Borneo Orangutan Survival Foundation, Nico Hermanu, hatete ona katak ai-laran ho hektar 340 resin hosi Samboja Lestari, iha Kalimantan Oriental, hetan invazaun no okupa hosi ema sira ne'ebé maka mai hosi zona sira iha Indonézia no ne'ebé tesi ai sira no kuda hahán sira.

 

Empreza agro-alimentar sira no populasaun lokal sira sunu ho intensaun zona sira ai-laran nian hodi hamoos rai no okupa ho plantasaun sira.

 

Atividade sira ne'e akontese besik "eskola ai-laran" ida, ne'ebé simu orangutan hodi moris hanesan semi-independente no aprende hetan hahán mesak, harii uma no hahalok sira seluk ne'ebé importante hodi animal ne'ebé iha risku bele moris.

 

Fundasaun sosa ona hosi ema lokal sira, iha tinan barak nia laran, rai hodi instala santuáriu ho hektar 1.850 no rekupera ona ai-laran hosi zona ne'ebé agora iha orangutan hamutuk 170 maka moris iha fatin ne'e.

 

Hermanu afirma ona katak fundasaun aviza ona rezidente sira katak sira halo invazaun ba santuáriu Samboja Lestari, "maibé sira halo nafatin atividade". Polísia lokal lakohi halo atuasaun no rekomenda ona diálogu "ne'ebé la rezolve buat ida", nia afirma.

 

Fundasaun agora buka hela ajuda hosi governu lokal, hosi provínsia Kalimantan Oriental, hodi garanti sira direitu kona-ba rai.

 

Númeru hosi orangutan iha Kalimantan no iha illa indonéziu Sumatra, rekoñesidu hanesan animal oinseluk no klasifika hanesan iha risku atu lakon, ho respeitu, hosi organizasaun ambiental sira, tuun maka'as dezde dékada 1970.

 

Orangutan sira hanesan animal sira ne'ebé hetan protesaun iha Indonézia no iha Malázia, maibé desflorestasaun halo diminuisaun maka'as hosi nia "habitat" natural, hafoin besik hosi 40% hosi ai-laran iha Kalimantan lakon dezde inísiu dékada 1970.

 

Iha dékada tuirmai, ambientalista sira kalkula katak parte barak hosi ai-laran sei hetan estrada no sei sai hanesan rai agríkola.

 

Borneo Orangutan Survival Foundation, organizasaun ida hosi organizasaun oioin ne'ebé dedikadu ba konservasaun hosi orangutan sira, iha mós autorizasaun ba tinan 60 nia laran ba ai-laran ho hektar rihun 86 resin iha Kalimantan, ne'ebé sira sosa hosi Governu iha tinan 2011.

 

Na próxima década, os ambientalistas preveem que uma ainda maior parte da floresta venha a ser devastada e convertida em terreno agrícola.

 

Besik 1/4 iha kondisaun adekuadu ba reabilitasaun hosi orangutan sira nian.

 

ho Lusa

horadoplaneta às 15:20 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Santuário de orangotangos na Indonésia ameaçado por ocupação

Um grupo de conservação ambiental alertou que quase um quinto da floresta que serve de santuário aos orangotangos na parte indonésia do Bornéu foi ocupado e danificado, ameaçando os esforços de reabilitação da espécie em risco. 

 

Foto@ Hotli Simanjuntak /EPA


O porta-voz da Borneo Orangutan Survival Foundation, Nico Hermanu, disse que cerca de 340 hectares da floresta de Samboja Lestari, em Kalimantan Oriental, foram invadidos e ocupados por pessoas que vieram de outras zonas da Indonésia e que cortaram árvores e plantaram cultivos.

 

Muitas empresas agro-alimentares e populações locais incendeiam deliberadamente zonas da floresta para limpar o terreno e ocupar com plantações.

 

Estas atividades decorrem perto de uma “escola da floresta”, que acolhe 20 orangotangos a viver de forma semi-independente e a aprender a encontrar comida sozinhos, a construir ninhos e outros comportamentos essenciais à sobrevivência desta espécie, em risco.

 

A fundação comprou aos locais, ao longo dos anos, o terreno para instalar o santuário de 1.850 hectares e recuperou a floresta naquela zona, onde agora vivem 170 orangotangos.

 

Hermanu afirmou que a fundação avisou os residentes de que estão a invadir o santuário de Samboja Lestari, "mas as atividades continuaram". A polícia local recusou-se a atuar e recomendou conversações "que não resolveram nada", afirmou.

 

A fundação está agora a procurar a ajuda do governo local, da província de Kalimantan oriental, para garantir os seus direitos sobre a terra.

 

O número de orangotangos no Bornéu e na ilha indonésia de Samatra, reconhecidos como espécies diferentes e ambos classificados como em risco ou em vias de extinção, respetivamente, por organizações ambientais, caiu drasticamente desde a década de 1970.

 

Os orangotangos são espécies protegidas na Indonésia e na Malásia, mas a desflorestação reduziu drasticamente o seu 'habitat' natural, depois de perto de 40% da floresta do Bornéu ter desaparecido desde o início da década de 1970.

 

Na próxima década, os ambientalistas preveem que uma ainda maior parte da floresta venha a ser devastada e convertida em terreno agrícola.

 

A Borneo Orangutan Survival Foundation, uma de várias organizações dedicadas a conservação do orangotango, detém também uma concessão por 60 anos de cerca de 86 mil hectares de floresta no Bornéu, que comprou ao Governo em 2011.

 

Cerca de um quarto tem condições adequadas para a reabilitação de orangotangos.

 

com Lusa

horadoplaneta às 12:13 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 13.07.17

Alterasaun klimátika hamosu perigu ba produsaun mundial kafé nian

Alterasaun klimátika hamosu perigu ba produsaun mundial kafé nian, ne'ebé nia interese aumenta iha tinan hirak ikus ne'e, alerta hosi espesialista sira no autoridade kolombianu sira iha fórum mundial dahuluk hosi nasaun produtor sira. 

 

 

"Ema tomak sei afetadu. Kafé hanesan sensível tebes ba mudansa ki'ik hosi temperatura. Bainhira temperatura aumenta, nasaun sira hotu sei afetadu", hatete hosi brazileiru no diretór ezekutivu hosi Organizasaun Internasionál Kafé nian (OIC) ne'ebé halibur nasaun exportador no importador hamutuk 43.

 

Rai sira ne'ebé bele kuda kafé bele diminui ba metade iha tinan 2050 tanba aumentu hosi temperatura, ne'ebé favorese dezenvolvimentu hosi moras sira ne'ebé afeta ai-horis ne'e, haktuir hosi relatóriu hosi Institutu Klimatolojia australianu ne'ebé fó sai iha tinan 2016.

 

ho Lusa

horadoplaneta às 10:49 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Alterações climáticas colocam em perigo a produção mundial de café

As alterações climáticas colocam em risco a produção mundial de café, cuja procura tem aumentado nos últimos anos, alertaram especialistas e autoridades colombianas no primeiro fórum mundial dos países produtores. 

 


“Toda a gente vai ser afetada. O café é muito sensível a ligeiras variações de temperatura. À medida que ela (a temperatura) aumenta, todos (os países) vão ser afetados”, disse o brasileiro e, diretor executivo da Organização Internacional do Café (OIC), que reúne 43 países exportadores e sete importadores.

 

As superfícies cultiváveis destinadas ao café podem ficar reduzidas para metade em 2050 devido ao aumento das temperaturas, que favorecem o desenvolvimento de doenças que afetam a planta, segundo um relatório do Instituto de Climatologia australiano, divulgado em 2016.

 

com Lusa

horadoplaneta às 10:47 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 29.06.17

Alterasaun klimátiku bele aumenta iha 25% área lahó jelu hosi Antártida iha 2100

Investigasaun ida ne'ebé publika iha loron-kinta ne'e fó sai katak alterasaun klimátiku bele aumenta iha 25% ba área sira lahó jelu hosi Antártida iha sékulu nia rohan, senáriu ida ne'ebé sei hamosu mudansa maka'as tebes iha biodiversidade hosi kontinente. 

 

 

Foto@ Felipe Trueba /EPA

 

Zona lahó jelu reprezenta agora daudaun besik 1% hosi superfísie kontinente nain - ne'ebé área total maka besik millaun 14 kilómetru kuadradu -, sai nune'e hanesan fatin ne'ebé konsentra kuaze hosi nia fauna no flora.

 

Investigasaun ida ne'ebé halo hosi Divizaun Australianu hosi Antártida (AAD, iha sigla ho lian inglés), ida ne'ebé dahuluk hodi estuda impaktu hosi alterasaun klimátika iha zona sira lahó jelu iha Antártida, kalkula katak sira ne'e sei estende no sei halibur hamutuk.

 

Tuir Aleks Terauds, investigador hosi AAD, kona-ba previzaun, jelu ne'ebé lakon iha 2100 sei hamosu rai besik 17.267 kilómetru kuadradu ne'ebé reprezenta aumentu ida kuaze 25%.

 

"Ne'e sei oferese área foun sira expansaun nian ba espésie nativu sira, maibé bele hamosu mós propagasaun ba espésie invazor sira no, iha prazu naruk, bele halakon espésie nativu sira ne'ebé ladún kompetitivu", hatete hosi Aleks Terauds ne'ebé haktuir iha komunikadu AAD nian.

 

Investigador Jasmine Lee hatete ona katak, la hanesan ho estudu antigu sira ne'ebé sentradu iha diminuisaun hosi kamada jelu nian no iha potensial impaktu iha aumentu nível tasi nian, serbisu foun ne'e fokadu iha efeitu sira iha biodiversidade hosi kontinente jeladu nian.

 

Lee hatete katak zona atual sira lahó jelu konstitui zona importante sira hosi reprodusaun ba foka no manu mariña sira nian, aleinde simu invertebradu sira, fungu sira no alga ne'ebé iha ligasaun ho rejiaun.

 

Investigasaun, publika hosi revista Nature, aprezenta ona ba Komité ba Protesaun Ambiente nian durante reuniaun konsultivu hosi Tratadu Antártida ne'ebé halo iha fulan-Maiu iha Xina.

 

ho Lusa

horadoplaneta às 16:38 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Alterações climáticas podem aumentar em 25% área sem gelo da Antártida em 2100

 

Uma investigação publicada hoje revela que as alterações climáticas podem vir a aumentar em 25% a área sem gelo da Antártida no final do século, um cenário que provocaria drásticas mudanças na biodiversidade do continente. 

 

 

Foto@ Felipe Trueba /EPA

 

 A zona sem gelo representa atualmente cerca de 1% da superfície do continente - cuja área total é de aproximadamente 14 milhões de quilómetros quadrados -, figurando como o lugar onde se concentra quase toda a sua fauna e flora.

 

Uma investigação realizada pela Divisão Australiana da Antártida (AAD, na sigla em inglês), a primeira a estudar o impacto das alterações climáticas nas zonas sem gelo na Antártida, prevê que estas se expandam e se unam entre si.

 

Segundo Aleks Terauds, investigador da AAD, à luz da previsão, o desaparecimento do gelo em 2100 vai fazer emergir aproximadamente 17.267 quilómetros quadrados de terreno, o que representa um aumento de quase 25%.

 

“Tal vai oferecer novas áreas de expansão a espécies autóctones, mas também pode vir a causar a propagação de espécies invasoras e, a longo prazo, a extinção das espécies nativas menos competitivas”, disse Aleks Terauds, citado num comunicado da AAD.

 

A investigadora Jasmine Lee assinalou que, ao contrário de estudos anteriores centrados na redução da camada de gelo e no potencial impacto no aumento do nível do mar, o novo trabalho foca-se nos efeitos na biodiversidade do continente gelado.

 

Lee indicou que as atuais zonas sem gelo constituem importantes zonas de reprodução de focas e aves marinhas, além de acolherem invertebrados, fungos e líquenes endémicos.

 

A investigação, publicada pela revista Nature, foi apresentada diante do Comité para a Proteção do Ambiente durante a reunião consultiva do Tratado da Antártida que decorreu, em maio, na China.

 

com Lusa

horadoplaneta às 16:19 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

pesquisar

 

Agosto 2017

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
30

posts recentes

arquivos

tags

subscrever feeds

blogs SAPO