Segunda-feira, 02.10.17

Organizasaun Meteorolójiku Mundial apoia Timor-Leste ho sistema avizu klimáteriku sira

Organizasaun Meteorolójiku Mundial apoia daudaun nasaun lima hosi rejiaun Ázia ho Pasífiku, entre sira maka Timor-Leste, hodi dezenvolve sistema sira alerta antesipadu nian ne'ebé ajuda sira hadi hasoru ho di'ak eventu klimatériku no atmosfériku sira. 

 

 

Programa ne'e envolve Fiji, Illa Salomaun, Papua Nova Guiné, Timor-Leste ho Vanuatu no hakarak ajuda Fundu Verde Klima ida (GCF, iha sigla lian inglés) diresionadu liuliu ba sistema alerta klimatériku sira.

 

Iha komunikadu, OMM esplika ona katak programa hakarak hatán hasoru impaktu hosi alterasaun klimátiku sira ne'ebé maka mosu daudaun, halo risku meteorolójiku sira ne'ebé hanesan estremu liu no susar liu hodi hetan previzaun, nune'e sai hanesan "ameasa ida" ba nasaun sira ne'e no ba nasaun insular ki'ik sira ne'ebé iha dezenvolvimentu.

 

"Instalasaun ba Preparasaun Projetu sira nain ne'e hanesan importante hodi hahú inisiativu ida ne'ebé lidera hosi projetu sira, hosi propriedade no sustenta hosi nasaun sira, hodi hetan impaktu klimátiku ida no dezenvolvimentu real ida iha illa lima ne'ebé hanesan fraku tebes", hatete hosi diretora departamentu ba Dezenvolvimentu no Atividade Rejional sira hosi OMM, Mary Power.

 

"Aleinde ne'e, reprezenta instrumentu ida hosi programasaun ne'ebé maka PMM, hamutuk ho nasaun membru sira no parseiru sira, bele defini estratéjia efetivu sira hodi bele iha kapasidade ultrapasa risku hidrometeorolójiku sira ho klimátiku sira", nia hatutan.

 

Projetu rejional, ne'ebé sei adapta ba nesesidade espesífiku sira hosi nasaun ida-idak nian, iha folin inisial hamutuk dolar rihun 535 ne'ebé sei serve hodi defini proposta konkretu sira no dezenvolve "projetu inovador" sira ba nasaun lima.

 

Atividade sira preparasaun projetu nian inklui inventáriu ida hosi Sistema sira Alerta Antesipadu nian (EWS) iha nasaun lima, konsulta sira hodi envolve parte interesadu sira no "estudu viabilidade sira hodi garanti katak investimentu sira ne'ebé hato'o hanesan sosial, tékniku, ekonómiku no di'ak ba ambiente".

 

Objetivu maka OMM uza nia esperiénsia hodi apoia nasaun lima hodi "hametin dalan oinsá sira prepara hasoru eventu meteorolójiku sira antes akontese".

 

"Sistema alerta ida ne'ebé halo antes hanesan abordajen ho aspetu oioin hodi haree no kalkula ho di'ak perigu meteorolójiku sira no implementa solusaun emerjénsia ida ne'ebé di'ak liu. Sistema sira ne'ebé iha liu efikásia iha komponente haat maka detekta, monitoriza no projeta perigu sira, analiza risku sira ne'ebé iha relasaun, fó sai avizu apropriadu sira no ativa planu resposta emerjénsia nian", hatete hosi OMM.

 

Tuir Relatóriu hosi Risku Mundial sira, nasaun sira ne'ebé "hanesan fraku tebes no sai sujeitu ba risku klimátiku estremu sira, hanesan siklone tropikal sira, laloran tempestade sira nian no inundasaun hosi tasi nian", ho destake espesial ba Fiji ho Vanuatu, ne'ebé "tama entre nasaun 15 ne'ebé fraku tebes hasoru risku natural sira iha mundu tomak".

 

Augusto Pinto, responsável hosi diresaun ba Mudansa Klimátiku sira iha Timor-Leste, konsidera ona projetu ne'e hanesan importante tebes ba nasaun ne'ebé hasoru "ho risku sira ne'ebé akontese tanba mudansa klimátiku sira hanesan inundasaun naruk no rai-maran nune'e mós tempestade sira".

 

Sistema ne'e hanesan di'ak tebes hodi tulun agrikultór sira hodi hamenus estraga sira iha kultura sira, nia hatete.

 

ho Lusa

horadoplaneta às 12:34 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Organização Meteorológica Mundial apoia Timor-Leste com sistemas de avisos climatéricos

A Organização Meteorológica Mundial está a apoiar cinco países da região da Ásia e Pacífico, entre eles Timor-Leste, a desenvolver sistemas de alerta antecipados que os ajudem a lidar melhor com eventos climatéricos e atmosféricos. 

 

 

O programa envolve Fiji, Ilhas Salomão, Papua Nova Guiné, Timor-Leste e Vanuatu e pretende ajudar um Fundo Verde de Clima (GCF, na sigla em inglês) direcionado especialmente para os sistemas de alerta climatérico.

 

Em comunicado, a OMM explicou que o programa pretende responder ao impacto que as alterações climáticas estão a ter, tornando os riscos meteorológicos mais extremos e difíceis de prever, o que constitui "uma ameaça" para estes e outros pequenos países insulares em desenvolvimento.

 

"Esta Instalação de Preparação de Projetos é essencial na conceção de uma iniciativa liderada por projetos, de propriedade e sustentada por países, que atinja um impacto climático e de desenvolvimento real nestas cinco ilhas altamente vulneráveis", disse a diretora do departamento de Desenvolvimento e Atividades Regionais da OMM, Mary Power.

 

"Além disso, representa um instrumento de programação através do qual a OMM, juntamente com os seus países membros e parceiros, pode definir estratégias efetivas para fortalecer a resiliência aos riscos hidrometeorológicos e climáticos", frisou.

 

O projeto regional, que será adaptado às necessidades especificas de cada país, tem um valor inicial de 535 mil dólares que servirão para desenhar propostas concretas e conceber "projetos inovadores" para os cinco países.

 

As atividades de preparação de projetos incluem um inventário dos Sistemas de Alerta Antecipado (EWS) nos cinco países, consultas para envolver as partes interessadas e "estudos de viabilidade para garantir que os investimentos propostos são social, técnica, económica e ambientalmente saudáveis".

 

O objetivo é que a OMM use a sua experiência para apoiar os cinco países a "fortalecer a forma como se preparam para estes eventos meteorológicos antes de ocorrerem".

 

"Um sistema de alerta precoce é uma abordagem multifacetada projetada para monitorizar e prever melhor os perigos meteorológicos e implementar uma solução de emergência mais efetiva. Os sistemas mais eficazes contêm quatro componentes que detetam, monitorizam e projetam perigos, analisam riscos relacionados, divulgam avisos oportunos e ativam planos de resposta de emergência", indicou a OMM.

 

Segundo o Relatório de Riscos Mundiais, os países abrangidos "estão altamente expostos e vulneráveis a riscos climáticos extremos, como ciclones tropicais, ondas de tempestade e inundações costeiras", com especial destaque para Fiji e Vanuatu, que "estão entre os 15 países com maior vulnerabilidade aos riscos naturais em todo o mundo".

 

Augusto Pinto, responsável da direção de Mudanças Climáticas em Timor-Leste, considerou o projeto especialmente importante para o país que se depara "com os riscos induzidos por mudanças climáticas, como inundações prolongadas e secas, bem como tempestades".

 

O sistema é especialmente útil para ajudar os agricultores a minimizar perdas e danos nas culturas, disse.

 

Lusa

horadoplaneta às 11:09 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 09.06.17

Timor-Leste compromete-se na ONU com agenda ambiciosa para conservação dos oceanos

Timor-Leste entregou esta semana na ONU, em Nova Iorque, durante a Conferência dos Oceanos, uma agenda de proteção dos oceanos com sete compromissos que incluem nova legislação e a ratificação de um acordo internacional. 

 

Foto@ António Casais

 

No documento, Timor-Leste compromete-se a ratificar a Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Fauna e da Flora (CITES), ainda este mês de junho, e a criar uma política dos oceanos até ao final do ano.

 

"A Política Nacional dos Oceanos é uma oportunidade para a visão de Timor-Leste para os oceanos ser implementada e permitir ao governo, ao setor privado e às comunidades a adoção de uma abordagem coordenada para o futuro dos assuntos do mar", escreve o governo.

 

Os compromissos incluem um mapeamento de todas as zonas costeiras vulneráveis, até ao final de 2020, e a melhoria dos regulamentos para o turismo de natureza, como observação de baleias, mergulho e interação com animais até junho do mesmo ano.

 

Quanto às pescas, Timor-Leste quer fazer um levantamento dos seus recursos pesqueiros até ao final de 2020 e atualizar e melhorar as regulações do setor e a forma com são atribuídas licenças de atividade.

 

"As águas de Timor-Leste são um dos últimos recursos que não foram explorados por pesqueiros comerciais. No entanto, os regulamentos atuais e a legislação sobre licenciamento de pesqueiros internacionais e nacionais estão desatualizados e estão a colocar os ‘stocks’ em risco", explica o país no compromisso.

 

O país compromete-se ainda a lançar até ao final de 2018 uma campanha nacional para sensibilizar o público para o problema da poluição e o seu impacto nos oceanos.

 

A Conferência dos Oceanos termina na sexta-feira com a adoção por todos os países-membros da ONU de um documento político que foi negociado pelo embaixador de Portugal na ONU, Álvaro Mendonça e Moura, em conjunto com o seu homólogo de Singapura.

 

Portugal ofereceu-se, entretanto, para acolher a próxima edição do evento em 2020.

 

com Lusa

horadoplaneta às 10:58 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 23.02.17

Governo timorense decreta Dia Nacional do Sândalo e das Florestas

O Governo timorense decretou que 13 de janeiro passa a assinalar o Dia Nacional do Sândalo e das Florestas, reconhecendo o seu papel no futuro de Timor-Leste e a sua importância para a preservação da biodiversidade no país.


 

A decisão foi tomada na reunião de terça-feira do Conselho de Ministros que pretendeu, segundo um comunicado, "assinalar o papel central das florestas na manutenção de um ambiente saudável, na conservação da diversidade de animais e plantas, e no desenvolvimento económico".

O dia, que não entra na lista de feriados, é mais um passo do executivo para reconhecer o sândalo como "planta emblemática de valor nacional".

Já em novembro de 2015 o executivo tinha aprovado uma resolução sobre a proteção do sândalo, reforçando as proibições de corte, extração e comercialização.

Nessa resolução o governo relembrava que o sândalo, e em particular a espécie nativa Santalum Album, "tem sido objeto de exploração económica desenfreada desde os tempos coloniais", com um número "bastante reduzido" de árvores a sobreviverem no país.

Por este motivo, defende o executivo, o sândalo "merece especial proteção por parte das instituições públicas e das pessoas singulares e coletivas devido à sua escassez", o que justifica a proibição do seu "corte, extração e comercialização".

Esse texto compromete ainda o governo a intensificar a inventariação, pesquisa e plantação de sândalo e insta o Ministério da Agricultura e Pescas, a Polícia Nacional de Timor-Leste e as demais autoridades competentes "a garantir o cumprimento das leis e regulamentos aplicáveis à proteção ambiental e reprimir a exploração ilegal das florestas e dos produtos florestais".

Com elevado valor económico e diversos fins - "ecológicos, culturais, terapêuticos, ornamentais e inclusive religiosos" - o sândalo tem sido explorado de forma "ilegal e insustentável", muitas vezes com a tala de árvores demasiado jovens, refere o Governo.

Sem detalhar dados quantitativos sobre o sândalo no país, a resolução nota apenas que "a desflorestação em Timor-Leste, cuja área florestal total ronda 50% do território nacional, é de cerca de 1,7% anualmente".

Daí que tenha insistido na importância de "desenvolver práticas de gestão florestal sustentável, que incluem programas de reflorestação e desenvolver mecanismos para controlar atividades florestais degradantes".

"A política nacional e estratégias para o setor florestal definem como objetivo específico a proteção da floresta, no âmbito do qual a proteção do sândalo se assume como prioritária", sublinha no texto.

@Lusa

horadoplaneta às 07:44 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Governu timoroan dekreta Loron Nasionál ba Ai-kameli no Ai-laran

Governu timoroan dekreta loron 13 janeiru sai hanesan Loron Nasionál ba Ai-kameli  no Ai-Laran, rekoñese ninia papel iha futuru Timor-Leste no nina importánsia ba prezervasaun biodiversidade nasaun nian.


 

Desizaun ne’e foti  iha  reuniain tersa-feira ne’e hosi Konsellu Ministru ne’ebé hakarak, tuir  komunikadu, " komemora papel sentrál floresta iha  manutensaun ba ambiente ida saudável, ba konservasaun  diversidade animál no ai-horis, no ba dezenvolvimentu ekonómiku".

 

Loron, ne’ebé latama iha lista feriadu, hanesan pasu ida tan ba ezekutivu hodi rekoñese kameli hanesan "ai-horis emblemátiku ho valór nasionál".

Iha  novembru 2015 liubá ezekutivu ne’e aprova ona rezolusaun ida kona-ba  protesaun ba ai-kameli, reforsa  proibisaun ba tesi, estrasaun  no komersializasaun.

 

Rezolusaun governu ne’e fó hanoin fila fali katak  ai-kameli, no liliu  espésie nativu Santalum Album, " sai ona hanesan objetu esplorasaun  ekonómiku livre dezde tempu koloniál", ho númeru ida " reduzidu liu" ba ai sira ne’ebé sei moris iha nasaun.

 

Ho  motivu ne’e, defende ezekutivu, ai-kameli "merese protesaun espesiál hosi  parte instituisaun  públika no ema ida-idak ka koletivu tanba  hahú menus", ne’ebé justifika proibisaun ninia "korte, estrasaun no komersializasaun".

 

Testu ne’e kompromete moos  governu intensifika inventariasaun, peskiza no plantasaun ba ai-kameli no dudu Ministériu Agrikultura no Peska,  Polísia Nasionál Timor-Leste no autoridade kompetente sira seluk "atu garante kumprimentu ba lei no regulamentu aplikável ba protesaun ambientál no bandu esplorasaun ilegál ba floresta no produtos florestál".

 

Ho valór ekonómiku ne’ebé aas no nesesidade oioin - "ekolójiku, kultura, terapáutiku, ornamentál no inklui  relijiozu" – kameli hetan  esplorasaun ho  forma "ilegál no insustentável", dala barak ba ai- tala ne’ebé sei nurak liu, refere Governu.

 

Sein detalla dadus kuantitativu  kona-ba  kameli iha nasaun, rezolusaun  nota deit katak " desflorestasaun iha Timor-Leste, ho área florestal ronda totál 50% iha  territóriu nasionál, besik  1,7%  kada tinan".

 

Bazea ba ida ne’e  insiste importánsia atu  "dezenvolve prátika jestaun florestál sustentável, ne’ebé inklui programa reflorestasaun  no dezenvolve mekanizmu ba kontrola atividade florestál degradante".

 

"Polítika nasionál no estratéjia ba setór florestál define ho objetivu espesífiku halo  protesaun ba floresta, ho ámbitu protesaun ba ai-kameli assume hanesan  prioritáriu liu", afirma  testu ne’e.

 

SAPO TL ho Lusa

horadoplaneta às 07:37 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 14.12.16

Bispu Ximenes Belo alerta ba animal no ai-horis sira ne'ebé lakon iha Timor-Leste

Bispu katóliku timoroan Ximenes Belo alerta iha loron-kuarta ne'e iha Coimbra ba ai-horis no animal sira ne'ebé lakon iha Timor-Leste, ne'ebé bele hetan iha "foho sira ne'ebé hatudu aspetu triste no estraga boot". 

 

Manu-fuik iha Tibar, Timor-Leste. Fotografia hasai no fó rasik hosi António Casais ba SAPO Timor-Leste

 

Bispu subliña katak "meiu ambiente timoroan nian sai fraku beibeik", bainhira nia observa kona-ba ai-laran sira hosi "ai-kameli, ai-teka, eukaliptu-mutin ho eukaliptu-metan no ai-hun sira seluk ne'ebé importante" ne'ebé lakon nune'e mós ba manu sira hanesan "makikit, kakatua ho manu-metan".

 

Mane halakon daudaun "vejetasaun sira ne'ebé karun iha tinan 50 ikus ne'e", hatete hosi Ximenes Belo, ne'ebé ko'alia iha eventu ida ne'ebé halo hosi Universidade Coimbra hodi hanoin hikas tinan 20 Nobel Dame nian, ne'ebé bispu timoroan simu hamutuk ho José Ramos-Horta.

 

"Teritóriu maka sai kiak liu tanba lakon nia ai-horis no nia animal sira", nia hatete no rejista mós kona-ba "sunu ne'ebé halo beibeik" iha nia nasaun hodi halo foho sira hatudu "aspetu ida triste no estraga boot".

 

Durante nia diskursu, bispu timoroan apela ona ba "partisipasaun internasional no liuliu ba nasaun sira lian portugeza nian" hodi apoia povu timoroan "hodi prezerva nia meiu ambiente".

 

Bainhira haree ba tinan 16 independénsia nian, Ximenes Belo hatete katak prosesu permiti ona ba timoroan sira hodi bele "goza kalma, liberdade, demokrasia".

 

Iha "fortalesimentu ekonomia ida", iha auzénsia hosi "abuzu sira ba direitu ema sira nian, prizaun arbitráriu sira ka tortura sira" ne'ebé marka ona pasadu hosi okupasaun indonéziu nian, nia hatutan.

 

"Autoridade sira dedikadu hodi hadi'a situasaun ekonómiku hosi povu timoroan nian", nia hatete hodi konsidera katak tenki kontinua "halibur forsa no vontade sira" hodi kontinua prosesu kontrusaun hosi nasaun ida "pasífiku, solidáriu, progresivu no justu".

 

"Timor: Imagens e palavras que mudaram o mundo" hanesan inisiativu ida hosi Universidade Coimbra ne'ebé organiza to'o loron-kinta eventu oioin dedikadu ba tema, hodi hanoin hikas tinan 25 masakre Santa Cruz nian no tinan 20 ba Nobel Dame ne'ebé fó ba Ximenes Belo ho José Ramos-Horta.

 

ho Lusa

horadoplaneta às 11:11 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Bispo Ximenes Belo alerta para o desaparecimento de fauna e flora em Timor-Leste

O bispo católico timorense Ximenes Belo alertou hoje em Coimbra para o desaparecimento de fauna e flora em Timor-Leste, onde encontra "montanhas e colinas que apresentam um aspeto de desolação e tristeza". 

 

Uma andorinha em Tibar, Timor-Leste. Fotografia tirada e cedida pelo António Casais ao SAPO Timor-Leste

 

O bispo sublinhou que "o meio ambiente timorense está sujeito a uma contínua depauperação", observando o desaparecimento de matagais de "sândalo, teca, palavão preto e palavão branco e de outras árvores preciosas", bem como de aves como "o makikit, a cacatua, o manu metan".

 

O homem tem feito "desaparecer vegetações luxuriantes nos últimos 50 anos", vincou Ximenes Belo, que discursava num evento dinamizado pela Universidade de Coimbra que evocava os 20 anos do Prémio Nobel da Paz, que o bispo timorense recebeu conjuntamente com José Ramos-Horta.

 

"É o território que fica mais pobre na sua fauna e na sua flora", frisou, registando as "queimadas contínuas" no seu país, que levam a que as montanhas e colinas apresentem "um aspeto de desolação e tristeza".

 

Durante o discurso, o bispo timorense apelou à "participação internacional e sobretudo aos países da língua portuguesa" para apoiar o povo timorense "na preservação do seu meio ambiente".

 

Olhando para os 16 anos de independência, Ximenes Belo salientou que a o processo permitiu aos timorenses poderem "gozar de calma, de liberdade, de democracia".

 

Houve um "fortalecimento da economia", na ausência de "abusos de direitos humanos, prisões arbitrárias ou torturas", que marcavam o passado de ocupação indonésia, notou.

 

"As autoridades estão empenhadas em melhorar a situação económica do povo timorense", sublinhou, considerando que é preciso continuar a "unir forças e vontades" para se continuar o processo de construção de uma nação "pacífica, solidária, progressiva e justa".

 

"Timor: Imagens e palavras que mudaram o mundo" é uma iniciativa da Universidade de Coimbra que organizou até hoje um conjunto de eventos dedicados ao tema, assinalando os 25 anos do massacre de Santa Cruz e os 20 anos do Nobel da Paz atribuído a Ximenes Belo e José Ramos-Horta.

 

com Lusa

horadoplaneta às 10:39 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 18.11.16

Timor-Leste hakarak to’o 2030 metade hosi produsaun elétrika maihosi renovável

Timor-Leste hakarak, to’o 2030, 50% hosi ninia produsaun eléktrika bele maihosi  fonte renovável, liliu solar, haktuir  horisehik ba Lusa diretór jerál Eletrisidade Ministeiru Obras Públikas, Transporte no komunikasaun timoroan.


Foto:joalarcao

 

 “ Meta ba 2030 atu to’o ba  50% hosi renovável. Ne’e hanesan planu ambisiozu ida no ami hakarak halo konversaun termoelétrika hosi diesel ba gás. Ami hein katak, iha 2017, ami bele deskuti ona ho Governu foun Timor-Leste nian”, afirma Virgílio Fátima Guterrres, ne’ebé partisipa iha Simeira ba Klima  (COP 22), iha Marraquexe.

 

Timor-Leste iha matriz elétrika hosi sentrál termoelétrika ba diesel. Iha  sentrál rua ho  megawatts 250.

 

 “Hanesan enerjia fossil ida no kustu ne’ebé aas tebes iha termu manutensaun no operasaun nian. Termoelétrika ba diesel reprezenta 99% hosi jerasaun eletrisidade nian”, hatete nia.

 

Agora, Estadu maka responsabiliza  tranzisaun enerjétika no implementasaun renovável sira. Maibé iha futuru, tuir Virgílio Guterres katak iha ona ideia atu loke ba merkadu privadu.

 

 “Ohin loron ba jerasaun elétrika iha Estadu nia liman, maibé partisipasaun hosi setór privadu sei importante tebes”, nia haktuir.

Tuir direktór jerál Eletrisidade, potensia ba renovável iha Timor-Leste maka megawatts 452 inklui fonte hídrika, solar, eólika no biomassa.

 

Timor-Leste tenki aposta dahuluk iha solar hanesan renovável prinsipál. Nasaun iha deit  sentrál hidroeléktrika kiik ida ho kilowatts 322 no seidauk dezemvolve eólika.

 

Virgílio Guterres afirma katak kooperasaun téknika sei importante  ba Timor-Leste atu bele konsege avansa iha ninia planu estratéjiku dezemvolvimentu nasionál to’o 2030.

 

 “Kooperasaun téknika ne’e importante tebes iha momentu agora. Ami presiza tékniku kualifikadu iha futuru, Portugál bele koopera ho Timor-Leste iha termu tékniku”, tenik responsável ne’e.

 

Kobertura eléktrika nasaun nian kobre ona 84% hosi populasaun timoroan ne’ebé maka asessu ona ba forma moderna iha eletrisidade. Entre sira ne’e, 11% hosi populasaun uza  ahi  liuhosi fonte renovável.

 

Horisehik, Ministru Komérsiu, Indústria no Ambiente timoroan, Constânscio da Conceição Pinto, reuni iha marjen COP22 ho ministru Ambiente Portugál, João Pedro Matos Fernandes.

 

Timor-Leste hakarak hetan rekursu hosi Fundu Verde Klima nian hodi tenta finansia projetu tanzisaun eléktrika. Tanba hola parte iha grupu nasaun  menus dezenvolvidu. Timor-Leste bele ho fasilidade hetan finansiamentu.

 

Konferénsia Kuadru Parte 22.ª kona-ba Mudansa Klimátika (COP 22) kontinua iha Marraquexe to’o  sesta-feira ne’e.

 

SAPO TL ho Lusa

horadoplaneta às 03:08 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Timor-Leste pretende ter até 2030 metade da produção elétrica oriunda de renováveis

Timor Leste pretende, até 2030, que 50% de sua produção elétrica seja oriunda de fontes renováveis, especialmente a solar, disse ontem à Lusa o diretor geral da Eletricidade do Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicação timorense.


Foto:joalarcao

 

"A meta para 2030 é chegar a 50% de renováveis. Este é um plano ambicioso e queremos fazer a conversão das termoelétricas de diesel para gás. Esperemos que, em 2017, possamos discutir internamente com o novo Governo em Timor-Leste", afirmou Virgílio Fátima Guterres, que está na Cimeira do Clima (COP 22), em Marraquexe.

 

Timor-Leste tem uma matriz elétrica movida a centrais termoelétricas a diesel. São duas centrais de 250 megawatts.

 

"É uma energia fóssil e o custo é muito alto em termos de manutenção e operação. As termoelétricas a diesel representam 99% da geração de eletricidade", disse.

 

Atualmente, é o Estado que está a arcar com a transição energética e a implantação das renováveis. Mas no futuro, Virgílio Guterres disse que a ideia é abrir para o mercado privado.

 

"Hoje a geração elétrica está nas mãos do Estado, mas a participação do setor privado será muito importante", disse.

 

Segundo o diretor geral da Eletricidade, a potencialidade para as renováveis em Timor-Leste é de 452 megawatts incluindo as fontes hídricas, solar, eólica e biomassa.

 

Timor-Leste deve apostar primeiro na solar como a principal das renováveis. O país tem apenas uma pequena central hidroelétrica de 322 kilowatts e ainda não desenvolveu a eólica.

 

Virgílio Guterres destacou que a cooperação técnica será imprescindível para Timor-Leste conseguir avançar no seu plano estratégico de desenvolvimento nacional até 2030.

 

"Cooperação técnica é muito importante neste momento. Precisamos de técnicos qualificados. No futuro, Portugal poderá cooperar com Timor-Leste em termos técnicos", estimou o responsável.

 

A cobertura elétrica do país chega a 84% dos lares timorenses que já têm acesso às formas modernas de eletricidade. Entre esses, 11% dos lares são iluminados por fontes oriundas de renováveis.

 

Ontem, o Ministro do Comércio, Indústria e Ambiente timorense, Constâncio da Conceição Pinto, reuniu-se à margem da COP22 com o ministro do Ambiente de Portugal, João Pedro Matos Fernandes.

 

Timor-Leste pretende obter recursos do Fundo Verde do Clima para tentar financiar os seus projetos de transição elétrica. Por fazer parte do grupo de países menos desenvolvidos, Timor-Leste pode ter mais facilidades em obter financiamento.

 

A 22.ª Conferência Quadro das Partes sobre Mudanças Climáticas (COP 22) continuará em Marraquexe até sexta-feira.

 

@Lusa

horadoplaneta às 02:50 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 28.06.16

Dois pandas gigantes nascem pela primeira vez em Macau

Panda ho rasa boot rua moris ba dala uluk iha Makau 

 

horadoplaneta às 11:08 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

pesquisar

 

Novembro 2017

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

posts recentes

arquivos

tags

subscrever feeds

blogs SAPO